Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Barão de Timbuí

Barão de Timbuí - medalhas e espada: símbolos de poder

Político capixaba. Pesquisas genealógicas recentes indicam que talvez seja irmão da mãe do barão de Aimorés, o que o faria nascido em São Mateus, nos primeiros anos do século XIX. Deputado provincial (1870-1871), (1872-1873), (1874-1875). No seu ato de nomeação é citado por relevantes serviços prestados à humanidade, à linha telegráfica do norte e em relação à Guerra do Paraguai. Agraciado com o título em 16.IX.1874

Um dos homens mais ricos do império, o fazendeiro Olindo Gomes dos Santos Paiva, o Barão de Timbuí, deixou uma contribuição importante para nossa história: foi um dos financiadores do telégrafo no Brasil (1852), o que inclusive, lhe teria rendido o título de nobreza. Segundo relato do escritor e historiador Maciel de Aguiar, homem voltado para as letras e a ciência, D. Pedro II participou de uma exposição nos Estados Unidos, onde teria tido o primeiro contato com o aparelho.

Entusiasmado, chegou ao país repleto de idéias, mas não dispunha de recursos para bancar o empreendimento.

Sabendo do fato, o barão teria escrito carta ao imperador dizendo que contribuiria com o financiamento do projeto.

Rico, com uma boa fortuna construída a partir da produção de açúcar mascavo, inhame, farinha de mandioca e abóbora, o barão dispunha de todas as qualidades indispensáveis para a época - possuía várias posses (a vila de Itaúnas teria surgido de uma de suas fazendas), era solteiro e ostentava um título de nobreza.

Por isso mesmo, era cortejado pela elite escravocrata que queria casá-lo a qualquer custo.

O Barão de Timbuí morreu sem deixar herdeiros oficiais.

"Convidado a frequentar a casa-grande, fugia à noite para a "quartaria" onde dormia com as mucamas. Em suas idas ao Rio de Janeiro, escolhia até 15 negras para levar na viagem", relata o historiador.

 

Barão de Timbuí (1874-1883)
Olindo Gomes dos Santos Paiva 
(?, ?-?, 19.VIII.1883)

Fonte: A Tribuna (29/7/2007)

 

Links Relacionados:

>> Nobreza Capixaba
>> 
Ruínas em São Mateus
>> 
Panorama do ES em 1862
>> 
Visita de D. Pedro II ao ES 
>> Itaúnas 

História do ES

As casas – Iluminação das ruas – Século XIX

As casas – Iluminação das ruas – Século XIX

Já reproduzimos aqui impressões de váriaspessoas sobre a cidade de Vitória da primeira metade do século passado

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Vitória recebe a República sem manifestação e Cachoeiro comemora

No final do século XIX, principalmente por causa da produção cafeeira, o Brasil, e o Espírito Santo, em particular, passaram por profundas transformações

Ver Artigo
ES x BA - Limites (Capítulo II - A Capitania do Espírito Santo)

A Capitania do Espírito Santo foi doada, em 1534, por D. João III ao fidalgo luso Vasco Fernandes Coutinho, que a ocupou em 23 de Maio do ano seguinte

Ver Artigo
Capela de Santa Luzia

A Capela de Santa Luzia data do séc. XVI e é a edificação mais antiga de Vitória.

Ver Artigo
Providências de Mem de Sá após a morte de Vasco Coutinho

Aos dezesseis de outubro, informado da morte de Vasco Coutinho, o governador geral expediu o mandado às principais autoridades da capitania

Ver Artigo
Folha de serviços militares de Vasco Coutinho

Um rei não poderia ir além destas palavras consagradoras

Ver Artigo