Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Barra do Jucu – Por Seu Dedê

Ponte da Barra do Jucu

A historiografia capixaba pouco se refere à Barra do Jucu, embora os viajantes ilustres que por ali passaram não deixassem de fazer seus comentários.

Os relatórios dos presidentes da província e dos governadores do Espírito Santo muito podem contribuir para se saber mais sobre a Barra do Jucu. Podemos pesquisar agricultura, educação e cultura do seu povo.

Em novembro de 1815, Maximiliano Alexandre Philipp (Prinz Von Wied-Neuwied), zoólogo-ornitólogo alemão, em passagem com sua comitiva (Freyreiss e Sellow) pela Barra do Jucu, observou que algumas casas da vila ficavam dispersas e dentre elas, próximo à ponte, se destacava a casa do Coronel Falcão. A ponte estava bastante arruinada, o que dificultou a travessia dos animais para a outra margem. Pelo caminho da praia, tendo a seu lado a mata virgem que se estendia em direção a Pedra d'Água, seguiu até Vila Velha onde deixou as montarias. Com parte da comitiva tomou, na Prainha, uma embarcação com destino a Vitória a fim de se apresentar ao governador. Ele e a comitiva foram bem recebidos e acomodados, pelo governador, em uma casa na Barra do Jucu pertencente ao Coronel Falcão.

Ao retornar a Vila Velha encontrou sua gente acometida de febre (impaludismo) e depois de tratá-los com quina seguiu com todos para a casa da Barra, onde pretendia passar o período das águas. Permaneceu ali até o dia 19 de dezembro quando com parte da comitiva partiu em destino ao sul da Bahia. O restante do pessoal ficou na Barra do Jucu.

Outro viajante, o botânico francês Auguste de Saint-Hilaire, também passou pela Barra, três anos mais tarde, e teve a atenção voltada para as choupanas dos pescadores espalhadas à margem do Rio Jucu. Ao passar pela ponte pagou pedágio.

A estrada ligando o sul da província à capital era bastante frequentada por viajantes e colonos, e sua manutenção era necessária. Para isto, a Câmara Municipal de Vila Velha solicitou ao Presidente da Província urgência na conservação da ponte do Jucu e o melhoramento do caminho da mata que saindo da ponte seguia para Pedra d'Água. Diversos outros presidentes também solicitaram o melhoramento do caminho interno, em detrimento ao da praia por ser aquele mais sombrio e firme, facilitando aos viajantes sua chegada a Vitória.

Seu pleito só foi atendido em 1852 quando o presidente Azambuja liberou a verba de 200$000 (duzentos mil réis) para reabertura do caminho a fim de evitar os alagadiços, estando a obra concluída um ano após.

Na visita de D. Pedro II ao Espírito Santo, em 1860, a ponte da Barra estava arruinada, impossibilitando a passagem de pedestres e a travessia era feita por canoa que, segundo o Presidente da Província, "mal tripulada", devido à falta de rendimento do proprietário. A ponte tinha sido iniciada aproveitando uma ilha arenosa, não foi concluída, e os empedramentos foram destruídos. A construção da nova ponte foi orçada em 16:000$000 (dezesseis contos de réis) e o presidente justificou que a agricultura dos vizinhos da foz do rio e dos que a usariam ao sul era insignificante e que sua opção seria abrir uma estrada mais central que, vindo de Guarapari, atingiria Araçatiba e daí Porto Velho.

Em setembro de 1870, a Câmara de Vila Velha, em seção ordinária, considerou de utilidade pública a reabertura da estrada pela mata da Praia da Costa até a ponte do Jucu. Finalmente, em 1875 foi iniciada e concluída a ponte da Barra do Jucu, aprovada pelo engenheiro César de Rainville e executada por Marciano Antônio Izidro. A ponte custou ao governo a quantia de 7:950$000 (sete contos e novecentos e cinquenta mil réis).

Dez anos após a ponte necessitou de reparos urgentes e foi aberto para a obra o crédito de 500$000 (quinhentos mil réis) sendo nomeada uma comissão composta do Capitão Bernardino Ramalhete de Araújo Malta, José Pinto de Queiroz e Ignácio Pereira Duarte para sua execução.

No ano seguinte (1886), administrada pelo doutor Antônio Athayde, foram feitos os reparos, sendo a obra dividida em três lances unidos por um aterro, tendo o primeiro lance 44 metros, o segundo 11 metros e o terceiro 33 metros.

A obra custou 1:420$000 (um conto e quatrocentos e vinte mil réis), faltando para completá-la a construção de um muro de arrimo a fim de evitar o assoreamento causado pelas enchentes ao aterro.

Anos se passaram até que no governo revolucionário de 1930 a ponte foi adaptada para o tráfego de veículos automotivos. Nesta época era prefeito de Vitória o doutor Laerte Brígido e o custo final da obra foi de 15:496$32 (quinze contos quatrocentos e noventa e seis mil e trinta e dois réis).

A ponte resistiu às diversas enchentes no decorrer dos anos seguintes, até que em 1960 uma tromba d'água se abateu nas cabeceiras do Rio Jucu. A vazão da ponte da BR 101 não suportou a avalanche d'água e cedeu, causando grande inundação em toda a bacia do Jucu, destruindo a ponte da Barra, inundando Vila Velha até às imediações do Grupo Escolar Vasco Coutinho.

A atual ponte da Barra, "Madalena", serviu durante muitos anos como alternativa da ligação Vitória/Vila Velha/BR-101, cuja junção se dava em Amarelos, do município de Guarapari, depois de passar pela Barra do Jucu, Boca da Mata, Jabaeté, Sete, Tanque, Camboapina e finalmente Amarelos.

A construção da Rodovia do Sol deu novo acesso à Barra do Jucu, inaugurando uma nova ponte sobre o rio. A velha ponte foi abandonada e por falta de manutenção veio a ruir. Aproveitando os pilares da antiga o prefeito Vasco Alves construiu uma nova ponte para passagem de pedestres, que recebeu, na sua inauguração o nome de Ponte da Madalena, em homenagem à cultura local.

Na gestão do prefeito Max Freitas Mauro Filho, a ponte foi demolida e no mesmo local foi construída outra em concreto.

 

Nota: O autor era carinhosamente conhecido por Seu Dedê

 

Fonte: Memória do Menino... e de sua Vila Velha – Casa da Memória Instituto Histórico e Geográfico de Vila Velha-ES, 2014.
Autor: Edward Athayde D’ Alcântara
Compilação: Walter de Aguiar Filho, junho/2020

Curiosidades

Mitos e Lendas

Mitos e Lendas

Uma delas se refere a ilha localizada em frente a Inhoá. Nas noites enluaradas essa ilha se transformava em um lindo palácio, todo iluminado.Seria isto ilusão de ótica, ou a falta de luz elétrica naquele tempo contribuía para que o povo tivesse tal visão? Hoje essa ilha não existe mais, em virtude de aterro feito para ampliação da Escola de Aprendizes Marinheiros

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Tropeiros percorrem em 20 dias 650 quilômetros de história

Ao longo de 20 dias, um grupo de 13 capixabas está revivendo parte da história do Brasil Colônia ao refazer os passos de Dom Pedro pelo interior do Estado

Ver Artigo
Pedra da Onça - Por Seu Dedê

Localizada à margem esquerda do canal da Costa, braço sul. De frente ao Shopping Praia da Costa 

Ver Artigo
Ponga de Bonde – Por Edward Athayde D’Alcântara

Existe uma diferença entre carona e ponga

Ver Artigo
Praia da Sereia - A origem do nome

A origem do seu nome remonta aos primeiros anos do século XX, quando chegaram a Vila Velha, vindos do Rio de Janeiro, alguns construtores para construir o Terceiro Batalhão de Caçadores

Ver Artigo
Viajantes Estrangeiros ao ES – Wied, Freyreiss e Sellow

Pouco antes de iniciarem excursão pelas províncias do Rio de Janeiro, Espírito Santo e Bahia, chegou à Corte, em meados de junho de 1815, Maximiliano Alexandre Philipp, Prinz von Wied-Neuwied

Ver Artigo