Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Barra do Riacho

Casa da fazenda que hospedou o Imperador D.Pedro II, em 1860

A Barra do Riacho originou-se basicamente de uma das três grandes fazendas que havia nas proximidades do Rio Riacho, surgidas com a criação do Município de Santa Cruz, que abrangia aquela região. Em 1848. Esta fazenda, que se chamava Flor da Barra, começava na saída norte da (atual) Barra do Riacho e ia até o Córrego das Minhocas, na Praia das Conchinhas, sendo sua sede um casarão na foz do Rio Riacho.

A casa grande de uma das outras fazendas, a Mercantil, de Luís de Mattos, hospedou o imperador Dom Pedro II em fevereiro de 1860. O monarca estava fazendo uma visita à Província do Espírito Santo e percorreu praticamente toda a orla marítima do Município de Santa Cruz.

Em 1912, como havia muitos posseiros ocupando a área em torno do pasto da Fazenda Flor da Barra, seu proprietário, Antônio Lobo, resolveu doar aquelas terras a seus ocupantes, num total de 30 hectares. Estava criado o povoado de Barra do Riacho. Em 1940, o filho-herdeiro de Antônio Lobo, Armando Lobo, doou mais de 20 hectares.

Por volta de 1930, Barra do Riacho já contava com cerca de 150 habitantes, destacando-se as famílias Azeredo, Alvarenga, Souza, Leal, Bandeira, Pimentel, Matos, Andrade, entre outras. Conta o historiador José Maria Coutinho que “nessa época, não havia carros nem estradas, apenas caminhos abertos a foice ligavam Barra do Riacho com outros povoados e toda viagem era feita a cavalo ou a pé. Os doentes eram transportados em redes”.

O pai de José Maria, José Coutinho da Conceição, passou a morar no progressista povoado por volta de 1932, dedicando-se à agricultura e depois ao comércio. José Coutinho também ajudou a desbravar a região e levar melhorias, como estradas e pontes, principalmente durante seus dois mandatos de vereador (1946 a 1954).

Conta seu filho: “Barra do Riacho ganhou as estradas que a ligam com a Vila do Riacho, Pau-Brasil e Barra do Sahy, tendo o vereador comandado os índios e caboclos na abertura da estrada, a foice, machado, facão, enxada e enxadão. José Coutinho foi também responsável pela construção das pontes sobre os Rios Sahy e Gemunhuna e do primeiro cemitério. Além disso, liderou a construção da Igreja de São Sebastião três vezes.

Com o desenvolvimento maior de outras regiões do município, na década de 50, a Barra do Riacho também entrou em decadência econômica e perdeu poder político, agravado pela morte de José Coutinho, em 19/8/57, e de sua mulher, Amália Del Santo Coutinho, em 1963. Mesmo assim, elegeria vereador o major Otto Netto (1955-1958) e José Souza (1973-1977).

A Barra do Riacho voltou a ganhar destaque a partir de 1976, quando foi literalmente “tomada” pelos milhares de operários que trabalhavam na construção da fábrica da Aracruz Celulose, a cerca de um quilômetro ao sul da vila. A fábrica entrou em atividade em outubro de 1978, construiu seu porto exclusivo pouco depois e foi ampliada cerca de dez anos depois, duplicando sua produção e se tronando a primeira fábrica de celulose do mundo.

Como Barra do Riacho recebeu muito pouco dos benefícios deste progresso e praticamente todos os seus problemas, nos últimos dias de agosto/80 surgiu a ACBR (Associação Comunitária de Barra do Riacho), fundada por José Maria Coutinho e Jurandir Ângelo.

Como efeito maior do trabalho de conscientização que José Maria já vinha liderando desde dois anos antes, a ACBR conseguiu fazer com que o lugar ficasse “com cara de cidade”. Os moradores passaram a ter confortos que até então desconheciam e se tronaram uma das comunidades mais politizadas do município.

Tanto é que voltaram a eleger vereadores a partir de 1989: Waldyr Vieira exerceu dois mandatos (1989-1992); Pedro Tadeu Coutinho, filho de José Coutinho da Conceição, idem (1993-1996 e 1997-2000); Marcelo de Souza Coelho (1997-2000).

 

 

Fonte: Faça-se Aracruz! (Subsídios para estudos sobre o município),1997
Organizador: Maurilen de Paulo Cruz
Compilação: Walter de Aguiar Filho



GALERIA:

📷
📷


Cidades do ES

Muqui

Muqui

A charmosa cidade do sul do Espírito Santo é um atrativo para quem gosta de história, cultura e hospitalidade. 

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Iconha surge de Benevente - Por Luciana Maximo

Era um pequeno povoado, com casas muito simples, feitas de madeira, onde é Piúma, haviam mais pessoas

Ver Artigo
Iconha

O Município de Iconha, localizado na BR 101, região de montanha do ES, teve início nas povoações de Piúma, no vale do rio Orobó, fundadas pelo Padre José de Anchieta

Ver Artigo
Iconha - Crônica de Rubem Braga (1951)

Mas Iconha me encanta pelo seu milagre pastoril. A pracinha é dominada por um morro alto, muito verde, cortado diante de nós por um talude de terra vermelha

Ver Artigo
A política e o coronelismo em Iconha - Por Luciana Maximo

O Jornal conversou com Aldieris Braz Amorim Caprini, que cedeu alguns artigos de sua tese de mestrado que descreve com detalhes a história política do município de Iconha

Ver Artigo
Vila do Riacho - Por Maurilen de Paulo Cruz

A origem da Vila do Riacho se situa em 1800, quando foi instalado um quartel na confluência dos Rio Riacho e Comboios, pelo Capitão-mor Antônio Pires da Silva

Ver Artigo