Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Barrinha - A foz do Rio da Costa

Foz do Rio da Costa - Barrinha Foto: cedida por: Elson Gatto Filho, com contribuição de Rogério Rodrigues da Costa e Vanize Merlim.

Na foto tirada em 1970 vê-se o Rio da Costa já retificado, que deu origem ao Canal da Costa (valão). Isso ocorreu após a grande enchente de 1960 quando o DNOS escavou aprofundando o leito do rio para evitar novas enchentes.

Esse cantinho onde o rio desemboca na Baía de Vitória é chamado de carinhosamente pelos antigos moradores de Barrinha.

Na foto observam-se as cercas do 3º Batalhão de Caçadores, hoje 38º Batalhão de Infantaria, demarcando suas divisas, localizados na outra margem do Rio da Costa.

Vêem-se, também as duas torres onde ficavam os sentinelas. Quem serviu o exército nas décadas de 60 e 70 e tirou guarda nelas, principalmente na escuridão da noite, tem sempre uma história cavernosa para contar.

Ao fundo a Ilha do Boi sem nenhuma construção.

A Barrinha, local onde o Rio da Costa deságua na baía, foi o local escolhido pelo primeiro Donatário para ancorar sua Nau Capitânea Glória e subir o rio, fazendo reconhecimento da região interior. Na Praia de Piratininga o donatário montou uma paliçada. A posição fortificada na praia entre os morros do Moreno e da Penha era vulnerável aos ataques dos índios. Ao norte, o mar, a leste, a cabeça da macaca grávida (Morro do Moreno); a oeste, o Morro da Penha. Na estreita garganta onde ficou localizado o acampamento, índios armados de arco e flechas conseguiriam deter 60 homens armados, era necessário procurar outro local.

Vasco Coutinho que era militar e já havia vencido outras batalhas em Gôa e Málaca, não perdeu tempo, criou uma expedição indo ao topo do monte mais alto da região – Mestre Álvaro – onde descobriu que Vitória, hoje nossa capital, é uma ilha e a sua baía não era um rio como pensava (Rio Espírito Santo). Por ter maior segurança e água boa pensou transferir a sede da capitania para Vitória, para ter maior proteção aos ataques dos índios e dos navios corsários. A transferência veio ocorrer definitivamente só em 1550.

Mesmo assim, o donatário nunca deixou de residir no sopé do Morro do Moreno, na Pedra das Caiçaras, onde está o Clube Libanês. Morou até a sua morte tendo inclusive lá falecido.

A pergunta que fica no site é esta: Por que a família Vasco Coutinho nunca se desligou de Vila Velha nem do Morro do Moreno?

 

Fonte: Site Morro do Moreno



GALERIA:

📷
📷


História do ES

Serious Game -  Cultura Geral do Espírito Santo - Rodada 106

Serious Game - Cultura Geral do Espírito Santo - Rodada 106

Eugênio Pacheco de Queiroz quando Prefeito de Vila Velha, entre 1937 e 1943, conseguiu apoio do comando do Terceiro Batalhão de Caçadores, para evitar um "quebra-quebra". Qual foi o alvo a ser resguardado do "quebra-quebra"?

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Acontecimentos e Curiosidades do Século XVIII – Por Serafim Derenzi

De noite não se permitia o porte de armas. Leva-me isso a admitir que as rixas, à luz do sol, eram menos dolosas e mais toleradas

Ver Artigo
Arquitetura Colonial do Século XVIII – Por Serafim Derenzi

É bastante considerar os poucos logradouros da cidade, que guardaram os eixos diretores daquela época: Rua Duque de Caxias, Maria Ortiz, Prof. Azambuja, José Marcelino...

Ver Artigo
A Irmandade de São Gonçalo Garcia – Por Serafim Derenzi

Na planta de Vitória, levantada em 1767, já figura a igreja, antecipada de um cemitério

Ver Artigo
Um Major turbulento, mas honesto – Por Serafim Derenzi

Reconstruiu a aldeia de Coutins, destruída pelos índios, dando-lhe a denominação de Linhares

Ver Artigo
Números Miúdos de Vitória de 1790 – Por Serafim Derenzi

Números miúdos, porém, significativos. A população de vitória, em 1790, é de 7.225 habitantes

Ver Artigo