Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Batalha contra os índios

Mem de Sá, terceiro Governador Geral do Brasil

Aconteceu em São Mateus, em 1558, o primeiro genocídio brasileiro, quando milhares de índios das tribos tupinambás e tupis teriam sido mortos e expostos na praia em represália ao assassinato de Fernão de Sá, filho de Mem de Sá, o terceiro governador-geral do Brasil.

O primeiro grande confronto entre índios e portugueses que se tem registro na história ficou conhecido como a famosa Batalha do Rio Cricaré, por ter o seu desfecho num dos seus principais afluentes, o rio Mariricu (variação da palavra Marerike, que quer dizer fortaleza de pau-a-pique).

De acordo com o historiador Maciel de Aguiar, que tem 137 livros publicados, a maior parte deles contando a história da colonização mateense, os fatos foram descritos pelo padre José de Anchieta e narrados em obras do antropólogo Darcy Ribeiro.

Segundo os relatos, Vasco Fernandes Coutinho, donatário da capitania do ES, pediu que o governador-geral o acudisse, senão poderia ser devorado pelos índios.

Mem de Sá, recém-empossado em Salvador, mandou seu filho Fernão com seis caravelas e 200 homens para afugentá-los. Quando ele chegou em Porto Seguro, recebeu a informação que existiam muitos índios na região da aldeira do Cricaré.

Por subestimar a valentia dos nativos e por descuido dos soldados, o filho do governador avançou muito na perseguição e ficou sem pólvora.

Os índios perceberam e avançaram sobre ele que estava apenas com 10 homens. Ele foi morto juntamente com Manuel Álvares e Diogo Álvares, ambos filhos de Diogo Álvares Correia, o Caramuru - "homem de fogo" - e mais três soldados.

Após a morte de Fernão, juntou-se um grande número de soldados portugueses que entraram na região do rio Cricaré matando milhares de índios.

Esses episódios se configuram com a primeira derrota dos portugueses na costa brasileiroa e também como o maior genocídio cometido contra os índios no Brasil.

 

Fonte: A Gazeta 15 de julho de 2007
Compilação: Walter de Aguiar Filho, abril/2013 

 

LINKS RELACIONADOS:

>> São Mateus
>>
 
Heranças dos índios
>>
 
Influência indígena no ES
>> 
Ruínas em São Mateus  

Índios

Monumento ao Índio (Araribóia)

Monumento ao Índio (Araribóia)

No ano de 1963, uma letra de uma velha marchinha de carnaval, de autoria de Júlio Alvarenga (“Bota o índio no lugar”), premiada em um concurso carnavalesco...

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Rio Doce - Os índios

A Capitania do Espírito Santo era a mais próxima das minas auríferas, rota ideal para o contrabando e a sonegação de impostos

Ver Artigo
Ouro, índios e quartéis na história do Rio Doce

Para impedir o contrabando de ouro era proibido navegar pelo rio Doce, por isso o progresso chegou mais tarde ao interior

Ver Artigo
Remanescentes neolíticos do índio – Por Levy Rocha

Os cemitérios indígenas, onde outrora era relativamente fácil escavar uma urna funerária, tornaram-se extremamente raros

Ver Artigo
Há sete mil anos os índios já habitavam o Espírito Santo

Foi o que constaram pesquisas feitas nos objetos encontrados nos locais onde moraram os índios, os chamados sítios arqueológicos

Ver Artigo
Os Botocudos – Por Celso Perota

Os botocudos surgem na região Norte do Espírito Santo, nos vales dos rios Doce, Cricaré e Itaúnas

Ver Artigo