Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Batalha contra os índios

Mem de Sá, terceiro Governador Geral do Brasil

Aconteceu em São Mateus, em 1558, o primeiro genocídio brasileiro, quando milhares de índios das tribos tupinambás e tupis teriam sido mortos e expostos na praia em represália ao assassinato de Fernão de Sá, filho de Mem de Sá, o terceiro governador-geral do Brasil.

O primeiro grande confronto entre índios e portugueses que se tem registro na história ficou conhecido como a famosa Batalha do Rio Cricaré, por ter o seu desfecho num dos seus principais afluentes, o rio Mariricu (variação da palavra Marerike, que quer dizer fortaleza de pau-a-pique).

De acordo com o historiador Maciel de Aguiar, que tem 137 livros publicados, a maior parte deles contando a história da colonização mateense, os fatos foram descritos pelo padre José de Anchieta e narrados em obras do antropólogo Darcy Ribeiro.

Segundo os relatos, Vasco Fernandes Coutinho, donatário da capitania do ES, pediu que o governador-geral o acudisse, senão poderia ser devorado pelos índios.

Mem de Sá, recém-empossado em Salvador, mandou seu filho Fernão com seis caravelas e 200 homens para afugentá-los. Quando ele chegou em Porto Seguro, recebeu a informação que existiam muitos índios na região da aldeira do Cricaré.

Por subestimar a valentia dos nativos e por descuido dos soldados, o filho do governador avançou muito na perseguição e ficou sem pólvora.

Os índios perceberam e avançaram sobre ele que estava apenas com 10 homens. Ele foi morto juntamente com Manuel Álvares e Diogo Álvares, ambos filhos de Diogo Álvares Correia, o Caramuru - "homem de fogo" - e mais três soldados.

Após a morte de Fernão, juntou-se um grande número de soldados portugueses que entraram na região do rio Cricaré matando milhares de índios.

Esses episódios se configuram com a primeira derrota dos portugueses na costa brasileiroa e também como o maior genocídio cometido contra os índios no Brasil.

 

Fonte: A Gazeta 15 de julho de 2007
Compilação: Walter de Aguiar Filho, abril/2013 

 

LINKS RELACIONADOS:

>> São Mateus
>>
 
Heranças dos índios
>>
 
Influência indígena no ES
>> 
Ruínas em São Mateus  

Índios

Há sete mil anos os índios já habitavam o Espírito Santo

Há sete mil anos os índios já habitavam o Espírito Santo

Foi o que constaram pesquisas feitas nos objetos encontrados nos locais onde moraram os índios, os chamados sítios arqueológicos

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Rio Doce - Os índios

A Capitania do Espírito Santo era a mais próxima das minas auríferas, rota ideal para o contrabando e a sonegação de impostos

Ver Artigo
Ouro, índios e quartéis na história do Rio Doce

Para impedir o contrabando de ouro era proibido navegar pelo rio Doce, por isso o progresso chegou mais tarde ao interior

Ver Artigo
Remanescentes neolíticos do índio – Por Levy Rocha

Os cemitérios indígenas, onde outrora era relativamente fácil escavar uma urna funerária, tornaram-se extremamente raros

Ver Artigo
Há sete mil anos os índios já habitavam o Espírito Santo

Foi o que constaram pesquisas feitas nos objetos encontrados nos locais onde moraram os índios, os chamados sítios arqueológicos

Ver Artigo
Os Botocudos – Por Celso Perota

Os botocudos surgem na região Norte do Espírito Santo, nos vales dos rios Doce, Cricaré e Itaúnas

Ver Artigo