Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Bocha

Jogo de Bocha

O jogo de bocha é muito apreciado pelos imigrantes italianos. Alguns, não satisfeitos com os jogos dominicais, construíram canchas junto à própria residência, para aproveitar as horas de lazer durante a semana e nos finais de semana. Hoje seus descendentes e clubes de lazer adotam essa modalidade, preservando a força da cultura e realizando campeonatos entre as comunidades da região.

Constitui-se num esporte praticado por homens e com muita influência nas cidades onde residem descendentes da imigração italiana, no Espírito Santo, Rio de Janeiro, São Paulo e nos Estados do Sul do Brasil.

Em Santa Teresa, é praticado desde a chegada dos primeiros imigrantes. No auge do café, quando houve enriquecimento dos produtores e exportadores, os homens jogavam bocha "até com queijo do reino".

Para o jogo de bocha, utiliza-se uma pista de 23 a 24 metros de comprimento e quatro metros de largura, em piso nivelado e solado. São oito bochas, sendo quatro para cada time. Essas bochas são de madeira ou massa, pesando entre um quilo e um quilo e meio. A forma de jogar é lançar na pista as bochas verificando a que chega mais perto do bolim (bocha em tamanho menor). Ao lado da pista, fica a tabela, onde são marcados os pontos. Joga-se por lazer ou apostando dinheiro.

 

Livro: Santa Teresa - Viagem no Tempo 1873 a 2008
Autora: Sandra Gasparini
Compilação: Walter de Aguiar Filho, agosto/2012 

 

LINKS RELACIONADOS:

>> Imigração no ES 
>> Santa Teresa  

O Esporte na História do ES

Desportos - Por Renato Pacheco

Desportos - Por Renato Pacheco

O campeonato local de 1934 contou com sete clubes. Foi então que o Rio Branco FC, fundado em 21 de junho de 1913, resolveu transformar seu barracão, em Jucutuquara, num monumental stadium, que seria inaugurado em 30 de maio de 1936

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Remo: O Braço Forte do Esporte Capixaba - Por João Arruela Maio

Vitória em 1952, na disputa do Campeonato Continental, na raia de Valdivia, em Santiago, no Chile

Ver Artigo
Moisés, um campeão - Por Jorge Rodrigues Buery

Na final do Campeonato Brasileiro de 1995, ele era um dos botafoguenses campeões

Ver Artigo
A pesca do Marlim Azul

No Iate Clube do Espírito Santo é festa do marlim azul. O sol brilha mais forte: é o encontro de pescadores que ganharam fama mundial...

Ver Artigo
Tardes Amarelas no Futebol - Por Xerxes Gusmão Neto

Eu e o meu tio Adonias, que morava em São Torquato, subimos num ônibus da Viação Celeste, que portava um letreiro esquisito: São Torquato-Cruzamento

Ver Artigo
Fluminensinho, uma lição para a vida - Por Marcelo Bonfim Dessane

Os encontros continuavam na Prefeitura, perto da secular palmeira que enfeitava a praça, no bar do Olímpio, depois no Britz, na Sapataria Musiello

Ver Artigo