Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Buick - Tipos Populares, por Elmo Elton

Carnaval - Praça Oito, blocos sujos

Era branco, baixinho e musculoso. Ele próprio se apelidou de Buick, a internacional marca de carros, porque se dizia mais rápido do que os automóveis (calhambeques) de Vitória, na transmissão de recados e entrega de encomendas. Certa vez, num primeiro de abril, deram-lhe um bilhete, com lata de doces, para que fosse entregue a determinada pessoa da cidade. No tal bilhete escreveram: Mande este burro para frente, daí que o pobre andou, dia inteiro, sem localizar o dono da encomenda, indo de um para outro endereço.

Já cansado, voltou para casa, rasgou o envelope, soletrou, enfurecido, o que dentro estava escrito, sendo que, aberta a lata, constatou que os doces não passavam de cocô. Mas, ainda assim, não se corrigiu, tanto que, não raro, lhe davam garrafas de mijo, dizendo-as do melhor uísque, para que fossem entregues a esta ou aquela pessoa. Buick, muito ingênuo, levava esses "mimos" aos destinatários, recebendo, em troca, dos mais enfezados, não só descomposturas, mas até bofetões, quando não tais "uísques" na cara.

Portador de recados de Vitória, ganhando pelos seus "serviços" a ninharia de tostões, eis que, um dia, se cansou de trabalhar para os "usuras" da cidade. Foi, então, para o Rio, na esperança de conseguir vida mais fácil. Lá, não encontrando o que queria, era visto, diariamente, na estação Barão de Mauá, à espera dos trens (os "patas chocas") vindos de Vitória. Aí procurava os conterrâneos recém-chegados, levava-lhes, sem cobrar nada, as bagagens até os táxis, sempre ansioso por notícias da "boa terrinha" e dos "amigos do peito". Esses "amigos do peito" eram, certamente, os rapazes do bloco carnavalesco "Só quero enxovar" (Casar nem penso nisso,/ eu só quero é enxovar,/ enxovar sem compromisso), saído, todos os anos, da residência do senhor Cláudio Passos, na rua Duque de Caxias, com a participação gaiata de Buick, cujo falecimento ocorreu no início dos anos 40.

 

Fonte: Velhos Templos e Tipos Populares de Vitória - 2014
Autor: Elmo Elton
Compilação: Walter Aguiar Filho, fevereiro/2019

Literatura e Crônicas

Os “Grandes Coisas” - Por Hélio de Oliveira Santos

Os “Grandes Coisas” - Por Hélio de Oliveira Santos

Esta estória passou-se há uns 30 anos atrás. Estava meu irmão Alberto, o Atila Bezerra  que já foi Ministro da Fazenda, e se não me falha a memória também o nosso Asdrubal Soares

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Que fim levaram as tanajuras? - Por Francisco Aurélio Ribeiro

Não só o índio que comia, era toda a população, como confirma o relato Auguste de Saint-Hilaire

Ver Artigo
General Osório Número 120 - Por Mário Gurgel

Oferta de uma criatura residente na Rua General Osório 120, para a festa de Natal dos menores da Casa do Menino

Ver Artigo
Moqueca Capixaba - Por Renata Bomfim

As bocas anseiam e marejam como velas errantes ao mar

Ver Artigo
Discurso de Posse como Presidente da AEL - Ester Abreu Vieira de Oliveira

Junto com esta Diretoria, e em estreita aliança com todos os Acadêmicos, pelo difícil e digno dever de conduzir, em 2021, a celebração do I Centenário da AEL

Ver Artigo
Urubu ao molho pardo - Por Elmo Elton

Porque tivesse fama de bom cozinheiro, resolveu fornecer comida, a "preços módicos", a trabalhadores do trapiche de Vitória

Ver Artigo