Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Calçadão da Praia da Costa: a última visão do Convento da Penha

QUANDO???????

Autora: Celma Lofêgo Sobreira Gomes de Oliveira
Ano: 2003

Em minhas andanças por Vila Velha, sempre procurei ver o Convento da Penha para me localizar, me encantar ou rezar. Agindo assim, certo dia, caminhando pelo calçadão da Praia da Costa, me deparei com uma das mais belas vistas do Convento, surgida entre o vão de dois prédios. Pensei com meus botões que precisava tirar uma fotografia daquela imagem, como ultimamente venho fazendo quando vejo algo muito bonito ou diferente. Decisão tomada e, lamentavelmente, esquecida.

Passaram-se os meses e eu, novamente no mesmo lugar, lembrei-me daquela visão e da minha intenção em fotografá-la. Infelizmente, não consegui mais ver a cena: prédios haviam sido erguidos com a rapidez costumeira, impedindo que eu conseguisse imortalizar aquela imagem no papel. Falei com algumas pessoas sobre o ocorrido. Uma delas, aborrecida com a minha perda, dias atrás me telefonou falando que havia procurado por todo o calçadão da Praia da Costa, desde a Ponta de Itapoã até o Clube Libanês, tentando achar uma fresta em que ainda se avistasse o Convento da Penha, neste ano de 2003. Tanto empenho não foi em vão. Assim como eu, ela conseguiu uma fresta com uma bela visão do Convento. Incrível, mas é a última. Desta vez não dormi no ponto. Dia seguinte, máquina fotográfica a tiracolo, caminhei para o lugar indicado e feliz, bati muitas fotos do local.

O resultado me emocionou porque, além das belas imagens, retratou um momento da história da cidade em que as construções de “espigões” mudam sua fisionomia. Não digo que esta seja uma situação ruim, é apenas a transformação da “vila velha” das pequenas casinhas na “vila nova” dos grandes arranha-céus.

Com a fotografia ao lado, a sugestão é descobrir de onde ela foi tirada...



GALERIA:

📷
📷


Literatura e Crônicas

Colégio Sacré-Coeur de Marie

Colégio Sacré-Coeur de Marie

O colégio valorizava a ordem, a assiduidade, a disciplina e as ações voltadas para a prática da fé, além do crescimento intelectual

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Que fim levaram as tanajuras? - Por Francisco Aurélio Ribeiro

Não só o índio que comia, era toda a população, como confirma o relato Auguste de Saint-Hilaire

Ver Artigo
General Osório Número 120 - Por Mário Gurgel

Oferta de uma criatura residente na Rua General Osório 120, para a festa de Natal dos menores da Casa do Menino

Ver Artigo
Moqueca Capixaba - Por Renata Bomfim

As bocas anseiam e marejam como velas errantes ao mar

Ver Artigo
Discurso de Posse como Presidente da AEL - Ester Abreu Vieira de Oliveira

Junto com esta Diretoria, e em estreita aliança com todos os Acadêmicos, pelo difícil e digno dever de conduzir, em 2021, a celebração do I Centenário da AEL

Ver Artigo
Urubu ao molho pardo - Por Elmo Elton

Porque tivesse fama de bom cozinheiro, resolveu fornecer comida, a "preços módicos", a trabalhadores do trapiche de Vitória

Ver Artigo