Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Capela em Ibiraçu

Capela de Santo Antônio em Ibiraçu

Quem corta a BR 101, em Ibiraçu, não pode deixar de observar a presença de uma pequena capela branca no alto de uma pedra. Trata-se da igrejinha de Santo Antônio, um prédio de seis metros quadrados que guarda histórias de sofrimento.

A capela foi inaugurada no dia cinco de junho de 1998. Em seu interior, uma imagem de Santo Antônio inspira o tom cerimonioso exigido pelo ambiente. Ela tem 60 centímetros de altura e foi adquirido em uma loja de São Paulo. Mas as atenções se voltam, principalmente, para uma foto emoldurada que ocupa um discreto espaço sobre o altar.

Trata-se de Diógenes Modenezi, que aos 36 anos morreu, no dia 7 de março de 1998, depois de sofrer um infrato fulminante e se afotar nas águas da praia de Barra do Sahy, em Aracruz. Uma inusitada e triste artimanha do destino.

A mãe de Diógenes, Santa Franco Vescov Modenezi, devota de Santo Antônio, conta que poucos meses antes, depois de sofrer durante cerca de 10 anos por causa de um câncer no pulmão, o filho foi considerado curado. Foi, então, que a família, por iniciativa do próprio Diógenes, decidiu construir a capela.

 

Fonte: Jornal A Gazeta

 

Informações segundo Marcia Modenese Coelho Bartlett:

A capela de Santo Antônio foi erguida pela família Modenezi como promessa para a cura do filho Diógenes, que sofria de câncer. Ele mesmo escolheu o lugar da construção, no alto de uma pedra, voltada para a BR 101-Norte, no sitio da família. Cumprida a promessa veio a cura há sete anos logo depois o rapaz afogou-se na barra do Sahy. A única lembrança que hoje consola sua mãe, dona Santa, é a capelinha, que já se tornou ponto turístico em Ibiraçu a primeira missa foi realizada ali no ultimo dia 7 de setembro de 2010.

 

Compilação: Walter de Aguiar Filho, novembro/2011




GALERIA:

📷
📷


Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Invasão das minas do Castelo

Vieram, os sobreviventes, instalar-se na barra do rio Itapemirim, fazendo surgir a freguesia de N. S. do Patrocínio

Ver Artigo
Ensino público depois da segunda metade do Século XVIII

Com a saída dos jesuítas, a capitania ficou desprovida de escolas. Choveram reclamações em Lisboa

Ver Artigo
Censo e Recrutamento - Segunda metade do Século XVIII

Em 1776, a situação militar traria, novamente, ao Espírito Santo, “o Sargento-mór Engenheiro José Antonio Caldas

Ver Artigo
Correios, índios e negros na segunda metade do século XVIII

Em Vitória, irmandade dos pretos e se levantava – por iniciativa deles – a capela de N. S. do Rosário

Ver Artigo
O soldado Santo Antônio

Em 1750, foi concedido o predicamento de paróquia à igreja de N. S. do Rosário, da vila do Espírito Santo

Ver Artigo