Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Capitanias Hereditárias

Capa do Livro: Vila Velha Onde comecou o Estado do Espírito Santo - Autor: JAIR SANTOS

Quando Vasco Fernandes Coutinho chegou à sua capitania, 35 anos após o descobrimento, todo o litoral brasileiro já era conhecido pelos principais navegadores europeus. Em 1501, o rei D. Manoel organizou uma frota de três caravelas com a missão de fazer a primeira exploração de todo o litoral das terras enunciadas por Cabral, cujo comando principal entregou ao experiente navegador português , Gonçalo Coelho. Uma das três caravelas foi comandada pelo grande nauta florentino, Américo Vespúcio, amigo dos mais ricos e influentes homens da Europa, inclusive dos reis católicos Fernando e Isabel, de Aragão e Castela. A esse respeitável mareante, coube o relato da expedição que foi entregue ao rei de Portugal, no qual, teria afirmado o seguinte:

“Nesta costa não vimos coisa de proveito, exceto uma infinidade de árvores de pau-brasil e já tendo estado na viagem bem 10 meses, e visto que nessa terra não encontramos coisa de metal algum, acordamos nos despedir dela.”

Tendo sido esse o teor da carta, é muito provável que a atenção da corte tenha permanecido voltada para a conquista do rico comércio de Calicute, nas Índias. Era preciso, primeiramente, consolidar o estabelecimento das feitorias ao longo da costa africana, onde floresciam o comércio árabe e os pontos de apoio às naves que retornavam das Índias Orientais carregadas de pimenta, gengibre, noz-moscada, almíscar, açafrão, sândalo, âmbar, seda, porcelana e, em pequenas quantidades, pérolas, rubis e até diamantes.

Portanto, podemos imaginar que durante os primeiros decênios a partir da descoberta de Pedro Álvares Cabral, a tarefa de colonização do Brasil tenha se processado em ritmo lento. Só mais tarde a costa brasileira passaria a ser visitada com frequência pelas naus portuguesas para que se assegurasse a posse das ricas terras descobertas. Por isso as primeiras viagens de ida ao sul do continente e o seu retorno, como também aquelas que rumavam, para as Índias, no oriente, objetivavam traçar o perfil do nosso litoral e garantir a sua posse.

Da região do Espírito Santo, sede da capitania, o monte Mestre Álvaro era a principal baliza dos navegadores, como também a abertura da barra, compreendida entre o morro do Moreno e aponta de Peraém e depois chamada de Ponta de Tubarão, foi assinalada como sendo a foz de um grande rio. Segundo narrativa de Varnhagen, quando Dom Nuno Leal aqui chegou, no dia 13 de dezembro de 1501, a denominou baía de Santa Luzia, por ser o dia da santa. Em razão disso, surgiram mais tarde, com o nome de Santa Luzia, a pequenina praia e o farol, ambos localizados ao pé do morro do Moreno.

Circulando pela Europa notícias da grande descoberta pelos portugueses, houve o imediato despertar de interesses dos reis aventureiros que financiavam os navios corsários que aqui estiveram.

Para melhor garantir a posse da terra, D. João III entendeu que deveria mudar o sistema de colonização. Para ele, seria impossível criar novos núcleos como os de São Vicente e Piratininga, que eram mantidos pelo Tesouro Real. O ônus seria pesado demais para a combalida economia do Reino Português. Nasceu então a idéia de dividir as terras recém-descobertas em capitanias hereditária e distribuí-las aos homens de sua confiança e aos merecedores da generosa recompensa pelas conquistas na África e na Ásia.

Em 1534, o fidalgo Vasco Fernandes Coutinho recebeu, a seu requerimento, no solar de Alenquer, o foral da donataria e, já em 1535, a nau Glória, com cerca de 60 homens, içava velas e se lançava ao grande mar com destino ao Brasil.

 

Fonte: VILA VELHA - Onde começou o Estado do Espírito Santo 
Autor: Jair Santos
Compilação: Walter de Aguiar Filho, dezembro/2010 

LINKS RELACIONADOS:

 Uma capitania atribulada
 A morte do primeiro donatário
 Quarto Centenário de Vila Velha 

 Perfil - Vasco Fernandes Coutinho 
 Primeiro núcleo de Vila Velha 

História do ES

Barão de Itapemirim - Joaquim Marcelino da Silva Lima

Barão de Itapemirim - Joaquim Marcelino da Silva Lima

Joaquim Marcelino da Silva Lima era paulista, filho do Alferes Joaquim José da Silva e Ana Fernandes. Nasceu entre 1779 e 1780 e chegou ao Espírito Santo em 1802.

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Carta de Anchieta ao Capitão Miguel de Azevedo

Transcrição da carta de Anchieta ao Capitão Miguel de Azevedo, da Bahia, datada de 1° de dezembro de 1592

Ver Artigo
O Espírito Santo na 1ª História do Brasil

Pero de Magalhães de Gândavo, autor da 1ª História do Brasil, em português, impressa em Lisboa, no ano de 1576

Ver Artigo
Marcelino Champagnat

Marcellin Champagnat, aportuguesado para Marcelino Champagnat nasce a 20 de maio de 1789, em Marlhes, aldeia de montanha no Centro-Leste da França, no início da Revolução Francesa

Ver Artigo
A PMES na Guerra do Paraguai: há 150 anos – Gelson Loiola

O enviar do efetivo da companhia de Polícia para a guerra, foi autorizada pela Assembleia Legislativa Provincial  mediante a aprovação e sanção da Lei nº 3, de 4 de maio de 1868

Ver Artigo
A Viagem do Imperador Pedro II à Província do Espírito Santo

Aos 35 anos de idade, estava ele no auge da vitalidade, naquele verão de 1859/1860

Ver Artigo