Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Capixaba - Por Maria Stella de Novaes

Fonte: Lendas Capixabas, 1968

Uma lenda relacionada com a chegada rumorosa dos lusitanos à Capitania do Espírito Santo conta-nos que, entre os ádvenas, havia um jovem de cabelos dourados, olhos que refletiam a cor do céu, e porte airoso. Ombreava-se com a força dos guerreiros íncolas. E apaixonou-se pela princesa belíssima, destinada, segundo o código da tribo: — seria a esposa do mais valoroso combatente autóctone.

O amor, porém, se interpõe à decisão do pajé. À noite, quando Jaci inundava de luz as margens do Xapinhangas, vinha o homem louro carpir, ao rumor das águas, a saudade da pátria e dos seus ancestrais, ao passo que, à distância, através da folhagem, a princesa da selva contemplava, enlevada, sua estranha figura.

Foi-se, naturalmente, encurtando a distância, entre aqueles corações talhados para um futuro superior à dureza dos moldes da época e, certa vez, a carícia de um beijo despertou o notívago do seu melancólico cismar. Sim, os lábios virgens da linda princesa desvendaram-lhe a fonte da felicidade, no misterioso ermo do mundo, que se incorporava ao Poder da Coroa Portuguesa.

O Amor triunfou da Saudade! Amor silencioso e oculto, revelado, apenas e forçadamente, com o nascimento de uma criança de tez rosada e cabelos ondulados e louros, em contraste com os caracteres da sua tribo.

— Seria a encarnação de uma flor de ipê!

A ruminar essa interrogação, voltou-se o cacique para o conselho dos magos e, chamada à confissão, a transgressora dos preceitos superiores recebeu o veredicto cruel: — o repúdio à criança, filha do branco aventureiro. Seria sacrificada, a fim de que se afastasse, da tribo, o furioso castigo de Tupã!

Confrangeu-se o coração materno! Resolveu a princesa fugir com a filhinha, cada dia, mais encantadora e bela! Vence a mataria do Continente, guiada pelas cintilações dos pirilampos, até que, numa praia, encontra uma piroga abandonada pelos sequazes do pajé inclemente, que perfuraram de lanças o corpo forte do seu amado, o jovem colono! ...

Alucinada pela dor e pelas decisões dos seus chefes, a índia embarca. Depõe a filha num berço de folhagem, e rema... rema... vertiginosamente! Domina a fúria das ondas, até alcançar a Ilha figurada aos aborígines, como envolta no mistério do isolamento.

— Por que Tupã a destacara das suas terras? Cercara-a de água?

Aporta a índia intrépida numa laje fronteira ao Penedo. Dificilmente, caminha uns metros, para cair exausta! Aconchega a filhinha ao calor do seu corpo arquejante e adormece, à vigilância de Iara, que entoa mavioso canto de aviso ao Curupira e ao Saci, para que afastassem, para longe, os maldosos anhangás e os pios do urutau, enquanto não raiasse a aurora e o Sol derramasse, na Terra, a força reconfortante do seu calor.

Aos gorjeios dos pássaros, que saudavam os esplendores da manhã, despertaram famintas, aquelas duas criaturas marcadas pelas conseqüências da civilização. Ignoravam, porém, que, às súplicas de Rudá, havia Tupã concedido ao seu pranto o dom de adubar a terra circunvizinha, coberta, já, de lindo verdor. Na folhagem, quase rasteira, o orvalho assemelhava-se às lágrimas vertidas, à noite, pelos seus olhos macerados, no sofrimento!

Continuou, porém, o milagre do Amor: — À medida que a princesa deserdada contemplava aquele tapete esmeraldino, repontavam hastes finas e fortes, encimadas de espigas ornadas de borlas douradas. Pareciam feitas dos cabelos sedosos e louros de sua filha. Estavam recobertas de grãos coloridos, com o tom moreno da sua própria tez!

Surgiu, assim, na terra dos goitacás, uma roça de milho, — CAPIXABA, a fim de que a primeira mameluca tivesse alimento, crescesse ao abrigo das privações e do castigo, e pudesse contar aos seus descendentes a origem do topônimo, que se estenderia a todos os recantos da terra espírito-santense:

TERRA CAPIXABA!

 

Fonte: Lendas Capixabas, 1968
Autora: Maria Stella de Novaes
Compilação: Walter de Aguiar Filho, agosto/2015

Folclore e Lendas Capixabas

Figuras Populares - Por Maria Stella de Novaes

Figuras Populares - Por Maria Stella de Novaes

Sinhá Honorina era uma baiana, residente para os lados do Suá. Ali, fundou sua macumba, onde se reuniam pessoas de todas as classes sociais. Sinhá Honorina arranjava casamentos e realizava todos os “milagres” do seu ofício. Um dia, em 1923 ou 24, o delegado...

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

O Enfermeiro das contas brancas - Por Maria Stella de Novaes

Era assim chamado um irmão leigo franciscano, que viveu alguns anos, em Vitória, e passou, depois, a residir na Ermida das Palmeiras, onde preparou a construção do Convento

Ver Artigo
A Fonte da Capixaba – Por Maria Stella de Novaes

No trabalho intenso de defesa da Ilha, certo dia, o guerreiro procurou dessedentar-se, na fonte misteriosamente originada

Ver Artigo
O Poço de Anchieta – Por Maria Stella de Novaes

Sofria a população de Iriritiba, ou Reritiba, e suas vizinhanças as conseqüências de forte e prolongada estiagem

Ver Artigo
A Pedra do Diabo – Por Maria Stella de Novaes

Na Pedra do Diabo, existem sinais, — relevos e incisuras, semelhantes a marcas de pés e cruzes

Ver Artigo
O Tesouro de Caçaroca – Por Maria Stella de Novaes

A foz do Marinho, onde entrou e foi subindo... subindo, até que, no lugar chamado Caçaroca, submergiu toda a imensa riqueza

Ver Artigo
O Penedo – Por Maria Stella de Novaes

Conta-nos uma lenda que o Penedo é mágico, por isso, na passagem de um navio pela sua frente, os viajantes devem atirar-lhe moedas

Ver Artigo
A Cruz de Muribeca - Por Maria Stella de Novaes

Lembra-nos o lugar chamado Muribeca, no Município de Itapemirim, um dos mais antigos redutos, ou fazendas, fundados pelos jesuítas, no Espírito Santo

Ver Artigo
A Árvore Negra do Queimado – Por Maria Stella de Novaes

A Insurreição do Queimado representa, de certo, no Espírito Santo, a passagem mais dolorosa do século XIX

Ver Artigo
O Fantasma da Penha - Por Maria Stella de Novaes

No caminho da Penha, (hoje Ladeira do Convento), ainda sem a calçada de lajes e divisão, nos Sete Passos murados, havia uma pavorosa assombração! 

Ver Artigo
A morte do Asceta - Por Maria Stella de Novaes

E, lá, na ermida em que se deu o desenlace, ajoelhado ainda e mãos postas no altar, Frei Palácios parece, enlevado, a rezar!

Ver Artigo