Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Caravelas – Por José Teixeira de Oliveira

A ação libertadora das forças espírito-santenses estendeu-se até Caravelas. Dada a ausência quase absoluta de documentação esclarecedora sobre o assunto – e uma vez que historiadores e cronistas calam inteiramente o episódio – não se pode, aqui, ir além de uma cautelosa referência.

De início, pode-se afirmar que tropas capixabas ocuparam aquele Município, “que fazia parte desta Província”, assevera Basílio Daemon.(38)

Endossam plenamente a assertiva uma ardorosa proclamação assinada por Manuel Ferreira de Paiva, comandante militar,(39) o testemunho de pessoas que tomaram parte na expedição(40) e o ofício de vinte de março de 1823, do governo espírito-santense ao ministro João Vieira de Carvalho.(41)

 

NOTAS

(38) - Prov ES, 263.

(39) - “Habitantes de Caravelas, o meu dever faz com que vos participe, que por ordem do Exmo. Senhor Fernandes Teles da Silva, Commandante d’ Armas da Província do Espirito Santo, viesse a esta Vila com uma força Militar, de que vós mesmos fosteis Testemunha de seu desembarque neste Porto, a render o Destacamento, que aqui existia pertencente à mesma Provincia do Espirito Santo, para que tomando posse do Comando Militar, fizesse conservar, e defender os direitos do Imperio Brasileiro, a nossa feliz independência e conservar em segurança a defesa desta Vila, contra quais queres Tropas inimigas que nos pretendam atacar: é por tanto do meu dever, como Comandante Militar, fazer-vos ver que o valor, e o patriotismo, é a base fundamental, da nossa feliz e sagrada independência, sendo do vosso dever, (o que espero da vossa honra) acudir às Armas logo que sejeis avisados, ou ouvires o toque de rebate, sendo nesta ocasião conhecidos os bons patriotas, e os que defendem a nossa Santa Causa: protestando-vos eu, que prontamente me achareis na vossa frente, e aí sendo necessário, derramarei meu sangue, e perderei a vida, defendendo, a nossa independência, a pessoa do MUITO ALTO SENHOR D PEDRO I IMPERADOR E DEFENSOR perpétuo do Brasil. As autoridades verdadeiramente nesta Villa constituídas, vossas Pessoas, e Famílias, sendo um de vós o primeiro que tire a vida logo que a retagar me vireis dar ao Inimigo.

CIDADÕES vós também deveries tomar o meu exemplo, e a arriscares avida por aquele [que] a quer perder por vós.

Não vos atemorize essas cobardes Baionetas Européias, que para as acobardar, também temos, o Canhão, e a Baoioneta Brasileira, que fará retumbar nos ouvidos desses facciosos, INDEPENDÊNCIA OU MORTE. a) Manuel Ferreira de Paiva. – Comandante Militar” (Documento oferecido, ao Instituto Histórico e Geográfico do Espírito Santo pelo engenheiro Araújo Aguirre (RIHGES, III, 27).

(40) - DAEMON, Prov ES, 264.

(41) - Apud BERNARDES SOBRINHO, Direito do ES, 158/9.

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição, Vitória (APEES) - Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Secretaria de Cultura, 2008
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter Aguiar Filho, maio/2018

História do ES

Sedição de Piúma – Questão Christie

Sedição de Piúma – Questão Christie

Grandes e pequenos vibraram de justa indignação contra a atitude desairosa do diplomata inglês. Choveram donativos de todos os quadrantes da província

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Viagens à Capitania do ES (Cap. I) - Por Bruno César Nascimento

Capítulo I - Brasil: entre o real e o imaginado

Ver Artigo
Introdução do livro Viagens à Capitania do ES

Expedições às terras capixabas feitas pelo príncipe Maximiliano de Wied-Neuwied, em “Viagem ao Brasil” (1820), e pelo botânico e naturalista Auguste de Saint-Hilaire, em viagem por aqui em 1818

Ver Artigo
Viagens à Capitania do ES - Por Bruno César Nascimento

Expedições às terras capixabas feitas pelo príncipe Maximiliano de Wied-Neuwied, em “Viagem ao Brasil” (1820), e pelo botânico e naturalista Auguste de Saint-Hilaire, em viagem por aqui em 1818

Ver Artigo
República , a grande transformação - Por Cristina Dadalto

No governo de Florentino Avidos várias edificações importantes para o Centro foram iniciadas: a construção do Viaduto Caramuru

Ver Artigo
A urbanização do Centro – Por Cristina Dadalto

A capela demolida em 1894 deu lugar ao Hotel Império que depois se chamou Hotel Europa

Ver Artigo