Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Carlos Tourinho - Jornalismo Regional: Mudanças à vista, 1996

O barulho de uma sirene é, provavelmente, o som que mais desperta a atenção de um jornalista. É só ouvi-la soar que – imediatamente – estendemos nosso olhar, apuramos nossos ouvidos, dedilhamos nosso telefone. Não é morbidez, como apressadamente podem concluir. E há até jornalistas que concluem isso! A sirene é a notícia. É o nosso objetivo, nossa meta. O bombeiro, a polícia ou a ambulância são a materialização. Ali tem algo acontecendo, tem gente.

A vida do jornalista é cercada por “sirenes”. Em vários sentidos, em diferentes configurações. As “sirenes” que tocam mais alto são as que passam mais perto. É a notícia da sua cidade, do seu bairro, do seu vizinho. É correr atrás do antigo e gostoso hábito de contar as novidades, de saber o que está acontecendo ao seu redor. É a diária construção da história.

Foi contando o que viam que os apóstolos escreveram a Bíblia, que os povos eternizaram suas existências, que as civilizações antigas deixaram seus testemunhos.

A história das cidades modernas é escrita diariamente por seus jornalistas. Pessoas que, até por exigência profissional, têm de extrair de seu dia-a-dia novas e novas histórias a serem contadas. Hoje estamos registrando a história de Vitória, do Espírito Santo, de um pedaço do Brasil. É falando daqui, deste povo e destes lugares, que fazemos melhor o nosso trabalho. É aqui que ouvimos a sirene tocar mais alto. Temos a responsabilidade de registrar com correção, ética, sensibilidade e muito trabalho o que está acontecendo. Os manuais mais antigos já diziam que o fato da esquina fala “mais perto” ao telespectador do que a mais bem apurada notícia internacional. Isso não é novidade (não é notícia), é simples constatação. Mas é uma constatação que delineia um novo caminho da comunicação. O velho abrindo o caminho do novo. Uma nova dimensão para o jornalismo.

Depois do surgimento das grandes redes de televisão nas décadas de 70 e 80, de seu expansionismo na década atual, da ascensão das redes nacionais de rádio, do incremento da velocidade de produção e distribuição dos grandes jornais do país, que chegam cada dia mais cedo aos Estados vizinhos, vemos agora novos fatos no “negócio da comunicação”.

A internet e suas infinitas home-pages habitadas por jornais de todo o mundo, as tevês por assinatura (cabo e satélite), entre outras tecnologias, revelaram alguns fatos que merecem ser analisados. A concorrência pelo consumidor da comunicação é muito maior, ele está cada vez mais exigente e com menos tempo para gastar com o que não lhe diz respeito. Além disso tudo, não existe produção de televisão no mundo suficiente para atender a tanta demanda de programação. As tevês de sinal aberto e as por assinatura precisam preencher seus espaços. Isso explica, ao menos em parte, a ascensão dos velhos enlatados, a interminável repetição de atrações – especialmente nas tevês por assinatura – e os indefectíveis talk-shows de produção barata.

Outro caminho, e esse parece-me o mais sensato, tem sido a incrementação da produção regional. Além do mais, essa alternativa prima pelo respeito à Constituição Federal de 1988, que prevê em seu artigo 221 “a regionalização da produção cultural, artística e JORNALÍSTICA em percentuais definidos por lei”. A regionalização da notícia é hoje aspiração não apenas constitucional, ideológica ou de grupos isolados, mas também do empresariado que tem visão de futuro do próprio negócio. Afinal, o que vai diferenciar produtos lançados nas tevês de todo o país, nos subprodutos da indústria da informática, nos noticiários radiofônicos, na difícil concorrência com os jornais que vêm de fora, e ainda nos livrar do lixo reciclado que voltou a habitar as telinhas? O que vai diferenciar é o que está em nossa esquina. Porque esta esquina só existe aqui. A de fora é diferente.

Pois bem, o mercado regional da comunicação se abre e nisso estão juntos profissionais e empresários. Vai sobressair-se quem fizer melhor, e isso vale para uns como para outros.

Mas como será esse redescobrimento do jornalismo regional na estrutura que temos hoje, montada para a valorização do fato nacional? No caso de televisão, universo onde transito, já percebo seu esboço. Quando aqui do Espírito Santo mandamos uma matéria para veiculação em rede nacional, não é que a nossa notícia tenha se metamorfoseado em nacional. É o regional que está lá, com todas as imagens e sons. É a informação, a emoção ou o simples registro do dia-a-dia da vida do capixaba que está sendo mostrado ao país. Costuma-se usar o termo “nacionalizar” a notícia local para justificar sua veiculação em rede. Mas isso é puro jogo de palavras. “Nacionalizar”, no jargão do jornalismo, significa dar dimensão nacional ao fato, incluir o regional dentro um contexto maior. Muito bem. Mas é o “local” que tem de estar pintado. Se não, não vai interessar. As notícias “nacionais” do nordeste que o digam. O folclore, a fé religiosa, o drama das secas são do mais puro regionalismo nordestino. Nos Estados são cada vez mais numerosos os programas estritamente regionais, embora ainda tão bem feitos. O mercado toma o sentido do futuro e o “local” passa a alimentar o “nacional”.

A principal diferença entre o que se anuncia e o que já existe chama-se qualidade. O jornalismo regional será cada vez mais exigente. Não aquela exigência de hoje, mas a de mercado. O repórter “local” não será mais o repórter que não tinha condições de “aparecer” na rede e “servia” para o jornalismo regional. Com o regional valorizado, o profissional a executá-lo terá de ser ainda mais lapidado e bem preparado. A notícia local não será mais aquela que não tem “apelo” nacional. A notícia local de qualidade, valorizada no mercado, terá de ter o requinte da sensibilidade e a sutileza da inteligência. Terá de ter a coragem que só o conhecimento é capaz de fornecer. Para analisarmos a economia local, as eleições da capital, o combate à poluição, teremos de saber do que estamos falando. Precisaremos conhecer melhor nossa cultura e nosso esporte. Parece óbvio, mas quem é do ramo sabe que não é bem assim que a banda toca atualmente. Repórteres e editores bem preparados exigem universidades e faculdades locais atualizadas e exigentes e empresários de comunicação que valorizem e estimulem o aperfeiçoamento. Atento às mudanças estará o mercado publicitário. Como “norte” da profissão permanecem a precisão, a denúncia bem apurada e, naturalmente, a ética.

Precisaremos estar atentos às tendências. Mostrar as dimensões do fato. Revelar onde está o alicerce do que está dando certo e por que isso acontece. Explicar por que deu errado. Cobrar de quem promete com a autoridade de quem sabe do que está falando. Antecipar o que está por vir. Enxergar as conexões entre causas e efeitos. Enfim, descobrir as sutilezas da notícia.

O jornalismo que se avizinha é maduro, adulto e orgulhoso de ser regional. Quando a próxima sirene tocar, nós, nossas fontes e nosso público podemos ter certeza: ali vai uma notícia. E pode ser a mais importante do Brasil.

 

Fonte: ESCRITOS DE VITÓRIA — Volume 17 - Imprensa - Uma publicação da Secretaria de Cultura e Turismo da Prefeitura Municipal de Vitória-ES, 1996.
Prefeito Municipal - Paulo Hartung
Secretário Municipal de Cultura e Turismo - Jorge Alencar
Sub-secretário Municipal de Cultura e Turismo - Sidnei Louback Rohr
Diretor do Departamento de Cultura - Rogério Borges de Oliveira
Diretora do Departamento de Turismo - Rosemay Bebber Grigatto
Coordenadora do Projeto - Silvia Helena Selvátici
Chefe da Biblioteca Adelpho Poli Monjardim - Lígia Maria Mello Nagato
Bibliotecárias - Elizete Terezinha Caser Rocha e Lourdes Badke Ferreira
Conselho Editorial - Álvaro José Silva, José Valporto Tatagiba, Maria Helena Hees Alves, Renato Pacheco
Revisão - Reinaldo Santos Neves e Miguel Marvilla
Capa - Amarildo
Editoração Eletrônica - Edson Maltez Heringer
Impressão - Gráfica e Encadernadora Sodré
Compilação: Walter de Aguiar Filho, janeiro/2018

Imprensa

Raízes – Por João Luís Caser

Raízes – Por João Luís Caser

O Camata  disse que quem poderia arrumar algo era Henrique Pretti, um deputado amigo de meu pai, do município de Santa Teresa, de onde também era minha família

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

O Diário Revisado – Cláudio Bueno da Rocha

Eu me lembro dO DIÁRIO como o jornal de Edgard dos Anjos. Ele me levou para lá em dezembro de 1969

Ver Artigo
Academia de Jornalismo – Por Rogério Medeiros

Cheguei nO DIÁRIO como fotógrafo dos cadernos do Edgard, que pagava mais do que ganhava o pessoal da redação

Ver Artigo
Um ateu no convento – Por Areovaldo Costa Oliveira

Fui encarregado de fazer a cobertura da Festa da Penha, mas não me informei a respeito do que escrever

Ver Artigo
Fé na gente, bairrismo neles – Por Marien Calixte

Uma sociedade sem hábitos culturais não tem como formar opinião. Uma sociedade sem opinião não está apta a formar sua própria cultura

Ver Artigo
Carlos Tourinho - Jornalismo Regional: Mudanças à vista, 1996

A vida do jornalista é cercada por “sirenes”. Em vários sentidos, em diferentes configurações

Ver Artigo