Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Carta a Martha Rocha - Crônica

Mulher Linda

Tivesse eu intimidade e escreveria à viúva D. Martha Rocha Piano a seguinte carta: - “Minha senhora: - Leio nos jornais da terra, que a senhora foi convidada pelos diretores do Guarapari- Center para vir a Vitória. Não faça isso, minha senhora. Não aceite o convite. Não venha. Sei que seria bem recebida. Iríamos todos busca-la no aeroporto. Levaríamos flores. Viria à cidade num automóvel oficial. Mas não venha. Rogo-lhe. Não é por nada. Temos já bons hotéis para hospedá-la. Lindos passeios para oferecer-lhe. Praias mais bonitas que as de La Plata, terra de seu falecido marido. Sei que teria boa acolhida aqui. Mas não venha. Evite a nossa cidade. Dê uma desculpa qualquer aos rapazes do Center. Agradeça-lhes o convite mas não venha. Sei que teria festas bonitas. Haveria coquetéis em  sua honra. Dançaria. Daria autógrafos. Beberia o nosso Guaraná Prado. Degustaria o nosso café Capitânia. Levaria de volta latinhas de bombons e de alcobaça para os meninos. Mas não venha, minha linda patrícia. E vou lhe dizer por que. A sua beleza que fascinou o carioca, enterneceu a sua Bahia, resplandeceu São Paulo, brilhou em Minas, estaria esmaecida aqui. Seroa ofuscada. Não despertaria aquele entusiasmo nem aquele fascínio que a senhora está acostumada a ver aqui, senhora. Vitória é a cidade de mulheres lindas. E no dizer insuspeitíssimo de Margarida Lopes de Almeida é “ a Capital brasileira da Beleza feminina”. E essa beleza da terra é um perigo para a beleza de fora. O belo feminino, D. Martha, é como o belo da pintura. Reclama sempre uma moldura adequada para melhor aparecer. As moças que a cercariam em Vitória nas ruas, nas festas, não permitiriam o merecido realce de sua beleza. Seria uma moldura demasiado fascinante. E capaz de prejudicar o painel. A senhora não se sentiria bem em meio a tanta capixaba bonita. A comparação seria inevitável e o confronto talvez melancólico. É meu desejo, pode acreditar, que a senhora continue a ser a embaixatriz da beleza feminina, seja como diz o Cruzeiro, a “Namorada do Brasil”. Por isso é que lhe peço: - Não venha a Vitória!”

 

Nota do Site: O Cruzeiro foi a principal revista ilustrada brasileira do século XX. Fundada por Carlos Malheiro Dias, começou a ser publicada em 10 de novembro de 1928 pelos Diários Associados de Assis Chateaubriand.

 

Autor: Eurípides Queiroz do Valle
Fonte: Torta Capixaba, Editora Âncora, Vitória - ES, 1962
Compilação e Pesquisa: Walter de Aguiar Filho, setembro/2011

Variedades

A Economia no Espírito Santo Imperial – Por João Eurípedes Franklin Leal

A Economia no Espírito Santo Imperial – Por João Eurípedes Franklin Leal

O café, que conservava sempre seu preço elevado, era produzido em todos os municípios da província 

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Presidente Castello Branco na Assembleia Legislativa do ES (1964)

Adalberto Simão Nader, discursa: "o honroso título de “Cidadão Espírito-Santense” que vos foi concedido, por iniciativa do nobre deputado Setembrino Pelissari, nos oferece a oportunidade 

Ver Artigo
Em busca de uma resposta - Partido Comunista e as outras esquerdas

O partido acreditava em seu Comitê Central; este, em Luís Carlos Prestes; o Cavaleiro da Esperança confiava em Jango. No final das contas, todos ficaram a reboque de João Goulart

Ver Artigo
Emendas constitucionais no sistema jurídico brasileiro - Por Eurico Rezende

Art. 107. É vedado ao juiz, sob pena de perda do cargo judiciário

Ver Artigo
Partido Comunista Brasileiro e as outras esquerdas

A única solução era salvar o verdadeiro partido comunista. Assim surgiu a cisão que criou o PCdoB. Em fevereiro de 1962

Ver Artigo
O ICM na Constituição Federal de 1967 – Por Eurico Rezende

Do produto da arrecadação do imposto 80% constituirão receita dos Estados e 20% dos Municípios

Ver Artigo