Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Carta de convocação da Prefeitura

Carta de Convocação da prefeitura

Um belo dia, recebo um envelope timbrado com identificação da Prefeitura Municipal de Vitória. Endereçado à minha pessoa, trazia um oficio, reproduzido na página à esquerda, com os seguintes dizeres:

Prefeitura Municipal de Vitória

Secretaria Municipal de Serviços Controle da População

Lei n° 32.654 de 12/07/1969

Prezado Munícipe,

Conforme registro do nosso cadastro de controle, verificamos que V. Sa. atingiu o limite de idade previsto por Lei.

Nossos estudos estatísticos indicam que sua idade não oferece nenhuma vantagem para a sociedade. Muito pelo contrário, acarreta uma carga complementar às entidades assistenciais de sua comunidade, bem como o desagrado daqueles que o rodeiam.

Por este motivo, V. Sa. deverá apresentar-se no prazo de 30 dias, no CREMATÓRIO MUNICIPAL DO CEMITÉRIO DE SANTO ANTÔNIO, na Cidade de Vitória, diante do forno n° 5 — Ala Norte, para que possamos proceder a vossa INCINERAÇÃO.

Na oportunidade, V Sa. deverá apresentar-se munido dos seguintes documentos e acessórios obrigatórios:

1 — Carteira de identidade (original);

2 — Protocolo do atestado de óbito em andamento;

3 — Comprovante de pagamento da taxa de cremação (autenticada);

4 — Comprovante do pagamento do IR dos últimos 5 (cinco) anos (original);

5 — Um saco plástico (sem propaganda de supermercado) para as cinzas, com seu CI impresso em silk screen na cor de sua preferência;

6 — Dois metros cúbicos de lenha seca e 18 (dezoito) litros de gasolina de alta octanagem.

Para evitar quaisquer contratempos ou perigo de explosão, fica estipulado que até 48 horas antes do evento V. S. — não devera ingerir bebidas alcoólicas ou mesmo comer repolho ou batata-doce, pois provocam reações incontroláveis de alta periculosidade ao ecossistema.

Antecipadamente agradecemos vossa valiosa colaboração e ADEUS.

Atenciosamente

Subchefe Adjunto Substituto do Assessor do Departamento Controle População

Achei genial a brincadeira e passei a mostrar a todos os conhecidos aquele "documento". Alguns dias depois, fui a um casamento, cuja recepção era no Cerimonial Itamarati. Aproveitando a oportunidade de encontrar com vários amigos, levei a carta.

Dentre muitos que a leram, estava Jorge Correia, um dos donos do cerimonial. Rindo muito, pediu para mostrar para sua esposa Penha, naquele momento nos bastidores, fazendo a coordenação geral. Após algum tempo, voltam os dois, às gargalhadas, confessando, obrigado pela mulher, ter sido ele o autor da brincadeira, agora desmascarado para efeitos futuros.

 

Fonte: No tempo do Hidrolitol – 2014
Autor: Sérgio Figueira Sarkis
Compilação: Walter de Aguiar Filho, março/2019

Literatura e Crônicas

Ambulantes de Vitória – Por Elmo Elton

Ambulantes de Vitória – Por Elmo Elton

Chamava-se Maria Saraiva. Vendia seus produtos em ponto fixo, na rua General Osório, onde residia

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Que fim levaram as tanajuras? - Por Francisco Aurélio Ribeiro

Não só o índio que comia, era toda a população, como confirma o relato Auguste de Saint-Hilaire

Ver Artigo
General Osório Número 120 - Por Mário Gurgel

Oferta de uma criatura residente na Rua General Osório 120, para a festa de Natal dos menores da Casa do Menino

Ver Artigo
Moqueca Capixaba - Por Renata Bomfim

As bocas anseiam e marejam como velas errantes ao mar

Ver Artigo
Discurso de Posse como Presidente da AEL - Ester Abreu Vieira de Oliveira

Junto com esta Diretoria, e em estreita aliança com todos os Acadêmicos, pelo difícil e digno dever de conduzir, em 2021, a celebração do I Centenário da AEL

Ver Artigo
Urubu ao molho pardo - Por Elmo Elton

Porque tivesse fama de bom cozinheiro, resolveu fornecer comida, a "preços módicos", a trabalhadores do trapiche de Vitória

Ver Artigo