Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Casamento, Descendência, Outras propriedades – Vasco Coutinho

Vasco Fernandes Coutinho

É de presumir-se que o casamento com D. Maria do Campo(20) se tenha realizado após as aventuras em África e Ásia, quando, rico e renomado, podia, despreocupadamente, se devotar à vida doméstica. Desse consórcio nasceram dois filhos: Jorge de Melo e Martim Afonso de Melo,(21) que não sobreviveram ao pai.(22)

No estudo que Pedro de Azevedo dedicou a Vasco Coutinho, encontramos alusão, também, a propriedades em Santarém. Uma delas, “um prédio de casas”, foi vendida ao hospital local.(23) Segundo o mesmo autor, a transação antecedeu a compra da quinta de Alenquer.

Coutinho devia pertencer, pois, à classe média da sociedade portuguesa da época.(24) Tinha o suficiente para uma existência folgada.

Vasco Coutinho e a capitania – Por falta de documentação, as mais variadas hipóteses são aventadas sobre os motivos que induziram o ex-soldado de Afonso de Albuquerque a aceitar do monarca uma capitania no Brasil.

A experiência do Oriente não lhe deixaria ilusões sobre uma vida melhor fora da Europa. Seria a vaidade de se tornar o potentado de um país de extensão superior à de Portugal?(25) Ou o sangue aventureiro que, inconformado com a quietação da aldeia, reclamava novas façanhas?

 

NOTAS

(20) - Filha de André do Campo, senhor da Erra, e de D. Maria de Azevedo (LAMEGO, Terra Goitacá, V, 370).

(21) - P. DE AZEVEDO, Primeiros Donatários, 202.

(22) - LAMEGO, Terra Goitacá, V, 370.

(23) - P. DE AZEVEDO, Primeiros Donatários, 200.

(24) - “...muitos mil cruzados que trouxe da Índia, e muito patrimônio que tinha em Portugal” (VICENTE DO SALVADOR, Hist. Brasil, 96).

(25) - “Espanta a audácia destes homens, destes pequenos reis de tragédia, que deixam a pátria e a família, que alienam os bens, que se endividam e arruínam na temerária empresa de colonizar uma terra longínqua, habitada por canibais, onde tudo é incerto, a começar pela riqueza. De certo, as honras inerentes ao donatário, a sua quase autonomia realenga, as suas prerrogativas já anacrônicas, deviam exercer sobre o orgulho humano fascinação imperiosa. Só assim se entende que um homem nas condições de Vasco Fernandes Coutinho, que já entrara na idade madura e cujas energias deviam estar semigastas pelos trabalhos da sua anterior vida militar, passada na África e na Índia, se abalançasse a trocar pelos perigos e as canseiras de tam difícil e incerta empresa uma posição honradamente ganha” (MALHEIRO, Regimen Feudal, 242).

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição, Vitória (APEES) - Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Secretaria de Cultura, 2008
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter Aguiar Filho, julho/2018

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Cidade dormitório

Aos jovens que completavam o curso primário e aspiravam o primeiro emprego só restava procurá-lo em Vitória

Ver Artigo
A Mata Virgem – Por Auguste François Biard (Parte IV)

Tinham me falado, várias vezes, desde que chegara ao Brasil, de uma terrível cobra, a maior das trigonocéfalas, conhecida pelo nome de surucucu

Ver Artigo
Por que Morro do Moreno?

Desde o início da colonização do Espírito Santo, o Morro do Moreno funcionava como posto de observação assegurando a defesa de Vila Velha e de Vitória

Ver Artigo
A Ilha de Vitória – Por Serafim Derenzi

É uma posição privilegiada para superintender, como capital e porto, os destinos políticos e econômicos do Estado de que é capital

Ver Artigo
A história do Jornal A TRIBUNA

Conheça a história do jornal A TRIBUNA, publicada na resvista da Associação Espírito-Santense de Imprensa (AEI) em 12/2008

Ver Artigo