Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Centro de línguas para a comunidade - Por Jô Drumont

UFES: 65 anos – Escritos de Vitória, 33 - Foto contracapa: Acervo UFES

Focalizaremos aqui uma experiência de sucesso no ensino de línguas estrangeiras, dentro do Departamento de Língua e Letras da Ufes. Trata-se de um projeto de aperfeiçoamento dos futuros professores de inglês, que permite, ao mesmo tempo, o acesso do ensino de idiomas à comunidade, por preço irrisório. Faremos um recorte, focalizando apenas os anos iniciais de funcionamento desse Centro. Antes porém, veremos sucintamente o contexto político do ensino de idiomas no Brasil.

Desde o período imperial, o prestígio das línguas estrangeiras caiu gradualmente nas escolas, até a reforma Capanema, em 1940, quando todos os alunos, a partir de onze anos, estudavam obrigatoriamente latim, francês, inglês e espanhol, na escola secundária. Em 1961, a nova Lei de Diretrizes e Bases (LDB) eliminou o latim. As línguas francesa e espanhola tornaram-se opcionais ou foram eliminadas, segundo a decisão de cada Conselho Regional de Educação. O inglês passou a ser a única língua ensinada oficialmente nas escolas públicas e particulares. Em 1971, a situação se agravou. Uma nova reforma eliminou os idiomas no ensino oficial. Porém poderiam ser oferecidos como disciplina facultativa. Desde então, até 1990, muitos jovens não tiveram acesso à aprendizagem de línguas estrangeiras. Em 1996, uma nova LDB instituiu a obrigatoriedade do ensino de um idioma. Uma segunda língua poderia ser oferecida aos alunos, como disciplina opcional, segundo as condições de cada estabelecimento. O inglês se fixou como primeira língua estrangeira. Os outros idiomas ficaram a cargo de escolas particulares de línguas, às quais grande parte da população não tinha acesso, devido à precariedade financeira.

Daí a importância do CLC, entidade sem fins lucrativos, que oferecia cursos de diversos idiomas a preços reduzidos, além de bolsas de estudos aos menos favorecidos. O CLC tinha que ter autonomia financeira, ou seja, tinha que ser economicamente viável. Inicialmente, durante três anos, tratava-se de um curso de extensão informal oferecido pelos professores do DLL. O curso de inglês era prioritário, pois o Centro visava ao aperfeiçoamento dos futuros professores desse idioma. No entanto, considerando a demanda da comunidade, o projeto englobou outras línguas estrangeiras. O controle orçamentário ficou a cargo dos coordenadores do projeto, passando posteriormente para a sub-reitoria de extensão. A demanda cresceu assustadoramente. Os alunos eram alojados em diversos departamentos nos quais havia, eventualmente, salas disponíveis. O "boom" discente exigia mais espaço e uma estrutura administrativa exclusiva.

Destarte, a Universidade autorizou a construção de uma sede, erguida e mobiliada graças à verba oriunda das inscrições dos alunos. O projeto compreendia 27 salas de aula, cantina, sala de professor, sala de vídeo, 4 toaletes, secretaria, biblioteca e 4 salas para a administração. A partir de então, o CLC decidiu reduzir o número de alunos para que fossem todos abrigados na nova sede.

 

NÚMERO DE ALUNOS DO CLC

Ano       1° Semestre       2° Semestre

1993      ------                   0060

1994     0188                   1054

1995     2299                   3383

1966     5122                   5328

1977     7493                   ------

(Dados fornecidos na época, pela Coordenação Administrativa.)

O sucesso do projeto foi tal, que engendrou conflitos institucionais e políticos. As escolas de línguas acusaram a Universidade da migração de alunos, atraídos pelo baixo custo. O sindicato patronal dessas escolas entrou na justiça e solicitou ao Ministério Público, em 1977, a interrupção das atividades do CLC baseando-se no fato de que, estando ligado a uma Universidade pública, a cobrança da semestralidade do CLC, apesar de irrisória, era ilegal. A justiça constatou que, considerando os objetivos pedagógicos, sociais, políticos e culturais da Universidade, o CLC tinha o direito de oferecer esse tipo de serviço à comunidade. A Ufes e o Ministério Público assinaram um acordo para regulamentar a administração da entidade. A parte financeira ficaria a cargo da Fundação Ceciliano Abel de Almeida. Além disso, seria necessário definir o público-alvo e as regras do funcionamento administrativo para não prejudicar as escolas de línguas. Determinou-se então que o público-alvo majoritário pertenceria doravante às camadas sociais menos favorecidas, com renda familiar inferior à estipulada pelas partes, ou seja, às camadas sociais que não teriam condições de frequentar escolas particulares. Decidiu-se também que 90% dos professores de inglês deveriam ser alunos estagiários do DLL. Os outros 10%, já diplomados, seriam responsáveis pelos níveis avançados. Os cursos de idiomas para os quais a Universidade não oferecia licenciatura não se enquadrariam nesse item. O funcionamento deveria ser fiscalizado por um Conselho Administrativo e Acadêmico, encarregado do controle financeiro, do balanço anual e das decisões institucionais do CLC.

Como vimos, a experiência iniciou-se em 1993, com apenas 60 alunos. Quatro anos após, já contava com cerca de 7.500 inscritos. Isso demonstra o sucesso e a relevância desse projeto que contribuiu e que continua contribuindo para a formação profissional dos estudantes do Departamento de Línguas e Letras, assim como para a formação cultural da comunidade em geral.

 

Fonte: UFES: 65 anos – Escritos de Vitória, 33 – Secretaria de Cultura da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), 2019
Conselho Editorial: Adilson Vilaça, Ester Abreu Vieira de Oliveira, Francisco Aurélio Ribeiro, Elizete Terezinha Caser Rocha, Getúlio Marcos Pereira Neves
Organização e Revisão: Francisco Aurélio Ribeiro
Capa e Editoração: Douglas Ramalho
Impressão: Gráfica e Editora Formar
Foto Capa: David Protti
Foto contracapa: Acervo UFES
Imagens: Arquivos pessoais
Autor: Jô Drumond
Membro da AEL, da A FESL e do IHGES
Compilação: Walter de Aguiar Filho, março/2020

Personalidades Capixabas

Paulo Amorim

Paulo Amorim

"Saí para a pesca, como fazia habitualmente todos os sábados e também uma vez durante a semana. Era dia 29 de fevereiro de 1992, sábado de carnaval..."

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Joaquim Antônio Pereira Baraona

Português, nascido em Ourique, no dia 23 de setembro de 1930, seguindo a velha e antiga tradição, aqui aportou vindo d'além mar, em busca de fincar na terra brasileira os marcos idealistas

Ver Artigo
Eduardo Curry Carneiro

Os momentos mais alegres de sua vida, EDUARDO CURRY CARNEIRO viveu-os quando ainda residia na fazenda em Nova Venécia, em companhia dos pais e irmãos

Ver Artigo
Carlos Augusto de Azevedo

O seu maior objetivo pessoal é vencer sempre, para orgulho próprio e da família

Ver Artigo
Fued Nemer

Exerceu a advocacia durante muitos anos nas Comarcas de Castelo, Cachoeiro do Itapemirim, Muniz Freire, Alegre e outras

Ver Artigo
Arnaldo Soares Pagani

ARNALDO SOARES PAGANI, por exemplo, nasceu em Colatina, município cujo desbravamento influiu decisivamente para a penetração da civilização rumo ao norte do Estado

Ver Artigo