Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Centro de línguas para a comunidade - Por Jô Drumont

UFES: 65 anos – Escritos de Vitória, 33 - Foto contracapa: Acervo UFES

Focalizaremos aqui uma experiência de sucesso no ensino de línguas estrangeiras, dentro do Departamento de Língua e Letras da Ufes. Trata-se de um projeto de aperfeiçoamento dos futuros professores de inglês, que permite, ao mesmo tempo, o acesso do ensino de idiomas à comunidade, por preço irrisório. Faremos um recorte, focalizando apenas os anos iniciais de funcionamento desse Centro. Antes porém, veremos sucintamente o contexto político do ensino de idiomas no Brasil.

Desde o período imperial, o prestígio das línguas estrangeiras caiu gradualmente nas escolas, até a reforma Capanema, em 1940, quando todos os alunos, a partir de onze anos, estudavam obrigatoriamente latim, francês, inglês e espanhol, na escola secundária. Em 1961, a nova Lei de Diretrizes e Bases (LDB) eliminou o latim. As línguas francesa e espanhola tornaram-se opcionais ou foram eliminadas, segundo a decisão de cada Conselho Regional de Educação. O inglês passou a ser a única língua ensinada oficialmente nas escolas públicas e particulares. Em 1971, a situação se agravou. Uma nova reforma eliminou os idiomas no ensino oficial. Porém poderiam ser oferecidos como disciplina facultativa. Desde então, até 1990, muitos jovens não tiveram acesso à aprendizagem de línguas estrangeiras. Em 1996, uma nova LDB instituiu a obrigatoriedade do ensino de um idioma. Uma segunda língua poderia ser oferecida aos alunos, como disciplina opcional, segundo as condições de cada estabelecimento. O inglês se fixou como primeira língua estrangeira. Os outros idiomas ficaram a cargo de escolas particulares de línguas, às quais grande parte da população não tinha acesso, devido à precariedade financeira.

Daí a importância do CLC, entidade sem fins lucrativos, que oferecia cursos de diversos idiomas a preços reduzidos, além de bolsas de estudos aos menos favorecidos. O CLC tinha que ter autonomia financeira, ou seja, tinha que ser economicamente viável. Inicialmente, durante três anos, tratava-se de um curso de extensão informal oferecido pelos professores do DLL. O curso de inglês era prioritário, pois o Centro visava ao aperfeiçoamento dos futuros professores desse idioma. No entanto, considerando a demanda da comunidade, o projeto englobou outras línguas estrangeiras. O controle orçamentário ficou a cargo dos coordenadores do projeto, passando posteriormente para a sub-reitoria de extensão. A demanda cresceu assustadoramente. Os alunos eram alojados em diversos departamentos nos quais havia, eventualmente, salas disponíveis. O "boom" discente exigia mais espaço e uma estrutura administrativa exclusiva.

Destarte, a Universidade autorizou a construção de uma sede, erguida e mobiliada graças à verba oriunda das inscrições dos alunos. O projeto compreendia 27 salas de aula, cantina, sala de professor, sala de vídeo, 4 toaletes, secretaria, biblioteca e 4 salas para a administração. A partir de então, o CLC decidiu reduzir o número de alunos para que fossem todos abrigados na nova sede.

 

NÚMERO DE ALUNOS DO CLC

Ano       1° Semestre       2° Semestre

1993      ------                   0060

1994     0188                   1054

1995     2299                   3383

1966     5122                   5328

1977     7493                   ------

(Dados fornecidos na época, pela Coordenação Administrativa.)

O sucesso do projeto foi tal, que engendrou conflitos institucionais e políticos. As escolas de línguas acusaram a Universidade da migração de alunos, atraídos pelo baixo custo. O sindicato patronal dessas escolas entrou na justiça e solicitou ao Ministério Público, em 1977, a interrupção das atividades do CLC baseando-se no fato de que, estando ligado a uma Universidade pública, a cobrança da semestralidade do CLC, apesar de irrisória, era ilegal. A justiça constatou que, considerando os objetivos pedagógicos, sociais, políticos e culturais da Universidade, o CLC tinha o direito de oferecer esse tipo de serviço à comunidade. A Ufes e o Ministério Público assinaram um acordo para regulamentar a administração da entidade. A parte financeira ficaria a cargo da Fundação Ceciliano Abel de Almeida. Além disso, seria necessário definir o público-alvo e as regras do funcionamento administrativo para não prejudicar as escolas de línguas. Determinou-se então que o público-alvo majoritário pertenceria doravante às camadas sociais menos favorecidas, com renda familiar inferior à estipulada pelas partes, ou seja, às camadas sociais que não teriam condições de frequentar escolas particulares. Decidiu-se também que 90% dos professores de inglês deveriam ser alunos estagiários do DLL. Os outros 10%, já diplomados, seriam responsáveis pelos níveis avançados. Os cursos de idiomas para os quais a Universidade não oferecia licenciatura não se enquadrariam nesse item. O funcionamento deveria ser fiscalizado por um Conselho Administrativo e Acadêmico, encarregado do controle financeiro, do balanço anual e das decisões institucionais do CLC.

Como vimos, a experiência iniciou-se em 1993, com apenas 60 alunos. Quatro anos após, já contava com cerca de 7.500 inscritos. Isso demonstra o sucesso e a relevância desse projeto que contribuiu e que continua contribuindo para a formação profissional dos estudantes do Departamento de Línguas e Letras, assim como para a formação cultural da comunidade em geral.

 

Fonte: UFES: 65 anos – Escritos de Vitória, 33 – Secretaria de Cultura da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), 2019
Conselho Editorial: Adilson Vilaça, Ester Abreu Vieira de Oliveira, Francisco Aurélio Ribeiro, Elizete Terezinha Caser Rocha, Getúlio Marcos Pereira Neves
Organização e Revisão: Francisco Aurélio Ribeiro
Capa e Editoração: Douglas Ramalho
Impressão: Gráfica e Editora Formar
Foto Capa: David Protti
Foto contracapa: Acervo UFES
Imagens: Arquivos pessoais
Autor: Jô Drumond
Membro da AEL, da A FESL e do IHGES
Compilação: Walter de Aguiar Filho, março/2020

Personalidades Capixabas

Centenário do Dr. Antonio Athayde - Parte II

Centenário do Dr. Antonio Athayde - Parte II

Foi nosso Avô um dos fundadores desta Casa, já se disse aqui. Partilharam-lhe da idéia o Dr. Archimimo Matos e o Desembargador Carlos Xavier Paes Barreto

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Desembargador Ferreira Coelho - O falecimento, desse ilustre magistrado

As letras jurídicas  acabam de perder um dos seus cultores mais dedicados e brilhantes, com o falecimento ontem do desembargador

Ver Artigo
Morris Brown

O engenheiro civil aposentado Joseph William Morris Brown, 73 anos, um dos precursores do vôo livre no ES, morreu dia 20/02/2007, depois de fazer seu último vôo de asa-delta

Ver Artigo
Entrando no Instituto Histórico e Geográfico do Espírito Santo – Augusto Botelho

Quis o destino que as mãos, sempre boas e generosas de Carlos Xavier, que me receberam ao pisar estas hospitaleiras plagas

Ver Artigo
Prefácio do livro de Seu Dedê - Por Maria Alayde Alcântara Salim

Podemos reconstruir na nossa imaginação uma cidade que já não existe

Ver Artigo
Família Barbosa Leão – Por João Luiz Castello Lopes Ribeiro

A Família Barbosa Leão, agricultores, militares e de aclesiásticos do norte de Portugal

Ver Artigo