Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Chácara do Vintém - Por Elmo Elton

No governo de Florentino Avidos, desapropriados os terrenos da Chácara do Vintém, foram abertas as ruas Deocleciano de Oliveira, Aristides Freire e do Vintém, as três com entrada pela Graciano Neves - Mapa: Google

No governo de Florentino Avidos, desapropriados os terrenos da Chácara do Vintém, foram abertas as ruas Deocleciano de Oliveira, Aristides Freire e do Vintém, as três com entrada pela Graciano Neves.

Deocleciano Nunes de Oliveira (1870-1919), educador de renome, patrono da cadeira n° 11 da Academia Espírito-santense de Letras, foi diretor da Escola Normal, tendo organizado, no governo de Jerônimo Monteiro, o Arquivo Público, cuja inauguração ocorreu a 24 de fevereiro de 1910.

Aristides Brasiliano de Barcellos Freire (1849-1922), educador e teatrólogo, patrono da cadeira n° 10 da Academia Espírito-santense de Letras, foi figura de merecido destaque na vida cultural da cidade, daí a justa homenagem que lhe prestou a municipalidade de Vitória, dando seu nome a uma das artérias centrais desta capital.

O vintém "era moeda nobre, usava-se no bolso do colete e valia muito no mercado de mantimentos, sendo que, em decorrência da desvalorização da moeda nacional, três vinténs passaram a valer quatro, e quatro tiveram o valor de um tostão".

Datam, também, do governo de Florentino Avidos, as ruas Alziro Viana e Dr. Antônio Aguirre; a primeira dividida em duas seções, começa na Chácara do Vintém e se prolonga até a chácara do Moniz, a segunda parte da rua do Rosário e termina na chácara do Moniz. Ambas enladeiradas e tortuosas.

Alziro Viana (+ 1927) teve vida política, exercendo cargos de relevo na administração do Estado.

Antônio Gomes Aguirre (1859-1928), médico, patrono da cadeira n° 34 da Academia Espírito-santense de Letras, era tido como amigo dos pobres, "uma figura tradicional da história, da política e da sociedade capixaba", segundo informam seus biógrafos.

 

Fonte: Logradouros antigos de Vitória, 1999 – EDUFES, Secretaria Municipal de Cultura
Autor: Elmo Elton
Compilação: Walter de Aguiar Filho, outubro/2017

História do ES

O fazedor de pontes: Breve notícia histórica

O fazedor de pontes: Breve notícia histórica

Devemos a ele, especificamente, a construção das três pontes que contribuíram de maneira mais acentuada para o escoamento de três pontos-chave para o desenvolvimento do Espírito Santo: a ligação da capital ao continente; a ligação entre as margens da cidade de Santa Leopoldina, a mais progressista cidade capixaba da época; a ligação entre as margens do Rio Doce, na época a última fronteira da civilização no rumo do norte do território

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

A Fundação de Vitória

Aquela provisão lança por terra a tradição de que foi o triunfo alcançado pelos ilhéus a 08/09/1551 que deu nome a Vitória

Ver Artigo
Por que Morro do Moreno?

Desde o início da colonização do Espírito Santo, o Morro do Moreno funcionava como posto de observação assegurando a defesa de Vila Velha e de Vitória

Ver Artigo
Jesuítas no Espírito Santo

Em 1549 partiram da Bahia – escalaram no porto da “povoação do Espírito Santo” Leonardo Nunes e Diogo Jácome

Ver Artigo
Origem do nome das cidades do ES

Muitas vezes, por um simples motivo, surge a origem do nome de uma cidade, como por exemplo, o hábito dos moradores de tomar um cafezinho que, de tão ralo, mais parecia água doce. Daí veio o nome da cidade de Água Doce. E o nome da cidade de Águia Branca, de onde surgiu essa idéia? 

Ver Artigo
Araribóia X Villegagnon

Araribóia, comandante de duzentos temiminós que o Espírito Santo mandou à luta contra os franceses de Villegagnon

Ver Artigo