Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Chácara do Vintém - Por Elmo Elton

No governo de Florentino Avidos, desapropriados os terrenos da Chácara do Vintém, foram abertas as ruas Deocleciano de Oliveira, Aristides Freire e do Vintém, as três com entrada pela Graciano Neves - Mapa: Google

No governo de Florentino Avidos, desapropriados os terrenos da Chácara do Vintém, foram abertas as ruas Deocleciano de Oliveira, Aristides Freire e do Vintém, as três com entrada pela Graciano Neves.

Deocleciano Nunes de Oliveira (1870-1919), educador de renome, patrono da cadeira n° 11 da Academia Espírito-santense de Letras, foi diretor da Escola Normal, tendo organizado, no governo de Jerônimo Monteiro, o Arquivo Público, cuja inauguração ocorreu a 24 de fevereiro de 1910.

Aristides Brasiliano de Barcellos Freire (1849-1922), educador e teatrólogo, patrono da cadeira n° 10 da Academia Espírito-santense de Letras, foi figura de merecido destaque na vida cultural da cidade, daí a justa homenagem que lhe prestou a municipalidade de Vitória, dando seu nome a uma das artérias centrais desta capital.

O vintém "era moeda nobre, usava-se no bolso do colete e valia muito no mercado de mantimentos, sendo que, em decorrência da desvalorização da moeda nacional, três vinténs passaram a valer quatro, e quatro tiveram o valor de um tostão".

Datam, também, do governo de Florentino Avidos, as ruas Alziro Viana e Dr. Antônio Aguirre; a primeira dividida em duas seções, começa na Chácara do Vintém e se prolonga até a chácara do Moniz, a segunda parte da rua do Rosário e termina na chácara do Moniz. Ambas enladeiradas e tortuosas.

Alziro Viana (+ 1927) teve vida política, exercendo cargos de relevo na administração do Estado.

Antônio Gomes Aguirre (1859-1928), médico, patrono da cadeira n° 34 da Academia Espírito-santense de Letras, era tido como amigo dos pobres, "uma figura tradicional da história, da política e da sociedade capixaba", segundo informam seus biógrafos.

 

Fonte: Logradouros antigos de Vitória, 1999 – EDUFES, Secretaria Municipal de Cultura
Autor: Elmo Elton
Compilação: Walter de Aguiar Filho, outubro/2017

História do ES

Notícia histórica: São Maurício, Padroeiro da Vila do Espírito Santo nos tempos coloniais

Notícia histórica: São Maurício, Padroeiro da Vila do Espírito Santo nos tempos coloniais

Inobstante ao fato dessa onipresente proteção Mariana, o padroeiro de ambas as povoações da Capitania do Espírito Santo, naqueles tempos iniciais, foi o mártir São Maurício

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Cidade dormitório

Aos jovens que completavam o curso primário e aspiravam o primeiro emprego só restava procurá-lo em Vitória

Ver Artigo
A Mata Virgem – Por Auguste François Biard (Parte IV)

Tinham me falado, várias vezes, desde que chegara ao Brasil, de uma terrível cobra, a maior das trigonocéfalas, conhecida pelo nome de surucucu

Ver Artigo
Por que Morro do Moreno?

Desde o início da colonização do Espírito Santo, o Morro do Moreno funcionava como posto de observação assegurando a defesa de Vila Velha e de Vitória

Ver Artigo
A Ilha de Vitória – Por Serafim Derenzi

É uma posição privilegiada para superintender, como capital e porto, os destinos políticos e econômicos do Estado de que é capital

Ver Artigo
A história do Jornal A TRIBUNA

Conheça a história do jornal A TRIBUNA, publicada na resvista da Associação Espírito-Santense de Imprensa (AEI) em 12/2008

Ver Artigo