Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Ciclos de Anchieta

Obra arquitetônica, o Santuário Nacional de Anchieta é uma construção jesuítica do Brasil Colônia. Foi erguido entre meados do século 16 e início do século 17

Esse mar de cor cambiante, às vezes verde, às vezes azul - ou dourado, quando a tarde vai caindo -, foi visto pela primeira vez pelos indígenas tupis e guaranis no começo da história desta Terra Brasilis. Era Tupã, o Sol, que guardava essas enseadas, onde vivia-se em paz e nada faltava. Com a chegada dos jesuítas, um novo Deus, o dos cristãos, foi apresentado aos donos da terra. E um desses jesuítas transformou-se ele próprio, aos olhos ingênuos dos índios, numa espécoe de Deus - pois sua dedicação era total, sua alegria contagiante, e seu estilo de vida, tranquilo. Caminhava sozinho, escrevendo poemas imensos à Virgem, nas praias, para vê-los apagados pelas ondas em seguida. Esse quase santo - beatificado pelo Papa João Paulo II em 22 de junho de 1980 - era José de Anchieta, que deu à vila seu nome, sua história de vida seu amor totalmente retribuído pelos índios.

Depois, quem viu esse mar foram os italianos, imigrantes que chegaram em meados do século XIX e foram direto par o interior da região, para as fazendas de café, onde se tornaram prósperos e foram responsáveis pelo crescimento da produção. Mais tarde, vieram os sírios e libaneses, e o comércio deu um salto, a cidade ficou rica, a sociedade se esmerou em copiar os costumes europeus.

Houve mais um surto de crescimento durante o governo de JK - anos 50 - e no início dos anos 60 a cidade despertou para o turismo, com uma febre de obras viárias e de urbanização, quando era prefeito Moacir Assad, descendente de libaneses.

Atualmente, a cidade vive ainda a expectativa de grande crescimento econômico com a implantação de um pólo siderúrgico na região. Entre os investimentos já anunciados para a cidade: uma siderúrgica chinesa; um braço da ferrovia litorânea, que vai ligar Vitória a Cachoeiro de Itapemirim; um novo terminal marítimo; expansão da Samarco Mineração; Usina de Tratamento de Gás e construção de novas usinas da Vale do Rio Doce.

A maior receita do município vem das empresas situadas na região. A Samarco Mineração é responsável pelo maior repasse, sendo 30 milhões de reais por ano de forma direta provenientes de ICMS – Imposto sobre circulação de Mercadorias e Serviços, e outros 18 milhões de forma indireta através de empresas por ela terceirizadas, recursos provenientes do ISSQN – Imposto sobre Serviço de Qualquer Natureza.

Além desses ciclos de crescimento, o agroturismo se fortalece a cada dia. Nas comunidades do interior surgem pousadas e restaurantes de comidas típicas da região. As praias da cidade são cada vez mais freqüentadas. Recentemente a praia dos Castelhanos, uma das mais freqüentadas por turistas e moradores, foi certificada para concorrer ao sele Bandeira Azul de excelência em qualidade.

Uma parte da economia de Anchieta está baseada na agricultura familiar. Entre as principais culturas destacam-se a banana, a mandioca, o milho, o arroz, o café e o feijão. A banana aparece juntamente com o café, nas regiões montanhosas do município e nas encostas dos planaltos. O feijão o arroz e o milho são cultivados nas áreas de baixada, sendo o arroz do tipo irrigado.

A pecuária também é forte no município sendo que 68% da produção são de leite e 32% de corte. O segundo maior rebanho do município é o suíno seguido por outros menores como o eqüinos, caprinos, ovinos. A pesca também ajuda a movimentar a economia da cidade.

 

Fonte: Revista Século e Site da PMA, 2007



GALERIA:

📷
📷


História do ES

A Segunda Guerra

A Segunda Guerra

A Fábrica de Balas Garoto foi preservada dos ataques e saques, graças à intervenção do Comando do 3º Batalhão de Caçadores

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Palavras que vieram da África

A influência do negro na nossa cultura foi bastante expressiva. Os hábitos e costumes africanos penetraram no nosso cotidiano

Ver Artigo
Epidemias e Ameaças - Por Serafim Derenzi

Os franceses, que ameaçaram a costa em 1551, voltaram em 1558 ao Porto de Vitória, onde dormiram 

Ver Artigo
A febre amarela no Espírito Santo em 1850

A Providência Divina vela certamente sobre a população desta Província que, sem o seu auxílio, estaria hoje extinta por falta de recursos da medicina

Ver Artigo
Varíola, cólera, fome em meados do Século XIX no ES

Já em fevereiro de 1855, um ofício do barão de Itapemirim falava em mais de mil vítimas 

Ver Artigo
Porto de Cachoeiro foi marco de crescimento

“Mas o transporte fluvial era tão importante, que a sede da colônia veio para o porto das embarcações, o Porto de Cachoeiro, que hoje é Santa Leopoldina”

Ver Artigo