Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Cine Eden

Cine Eden

Denominação: CINE EDEN

Localização: Praça Costa Pereira, Centro, Vitória.

Inauguração: 13 jan. 1907.

Capacidade: 150 lugares.

Período de funcionamento: 1907-192_.

Exibidor: Companhia Camões & Mayo.

 

Histórico: O primeiro cinematógrafo, no formato que conhecemos, que se tem registro em Vitória foi o Éden Cinema, da companhia Camões e Mayo, inaugurado em 13 de janeiro de 1907. O Éden Parque possuía algumas atrações para seus clientes: eles podiam beber, jogar, e ouvir um piano, pequenas orquestras tocando óperas ou valsas e algumas vezes cinematógrafos. Era também ponto de encontro para discutir política, negócios ou apenas para conversar. O local era freqüentado principalmente por homens. Podemos dizer que a sétima arte no Espírito Santo, de forma regular, teve início com a inauguração dessa sala. Mobilizou no primeiro momento um público, cujo acesso era estimulado pelo baixo preço da entrada, os filmes exibidos eram mudos e do tipo documentário.

 

Fonte: Memórias Fotográficas – A História das Salas de Cinema de Vitória. Vitória, 2011
Autor: André Malverdes
Compilação: Walter de Aguiar Filho, dezembro/2011

 

Nota sobre o desenvolvimento da pesquisa coordenada pelo Professor André Malverdes
 

Descrição: O acervo documental referente a "História da Exibição Cinematográfica no Espírito Santo" é uma iniciativa desenvolvida no âmbito de pesquisa pessoal que iniciou no curso de Especialização Lato Sensu, do Departamento de História da UFES no ano de 2000, desdobrada na pesquisa de dissertação no Mestrado em História Social da Relações Políticas do Programa de Pós Graduação em História da UFES e que resultou no livro No Escurinho dos Cinemas: A história das salas de exibição da Grande Vitória. A coleção resultante dessa pesquisa possui um acervo fotográfico composto de XXX documentos, produzidos entre 1907 e 2008, retratando as salas de exibições, seus entornos, inaugurações e interiores. O acervo conta ainda com notícias da imprensa local, cartazes, documentos textuais e entrevistas com ex-proprietários, funcionários e freqüentadores das salas. Os resultados esperados da pesquisa compreendem analisar a história da exibição cinematográfica no ES entre 1979 e 1985, descrever as informações encontradas e realizar a organização dos documentos digitalmente formando um banco de dados sobre o assunto e realizar levantamento dos acervos disponíveis em arquivos públicos e privados referentes a história do cinema no ES.
 

 

Como posso entrar em contato com o Projeto CINEMAES?

Por e-mail:malverdes@gmail.com

Por telefone: (27) 9907-5955 (dias úteis das 10 às 20 horas)



GALERIA:

📷
📷


História do ES

Secular questão de limites entre o Espírito Santo e Minas Gerais - Parte VI - FINAL

Secular questão de limites entre o Espírito Santo e Minas Gerais - Parte VI - FINAL

Os cumprimentos finais aos insignes representantes do povo capixaba, — certo de que vão encontrar uma solução condigna para decidir, de uma vez, pacificamente, esse litígio quase centenário, entre Minas Gerais e Espírito Santo

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Quarto Minguante – Marcondes de Souza e Bernardino Monteiro

O período de 1912 ao começo de 1920 corresponde ao princípio e ao fim da crise internacional, oriunda da primeira guerra, que rebentou em julho de 1914 e teve armistício em novembro de 1918

Ver Artigo
Jerônimo Monteiro – Urbanismo em Perspectiva

O volume de terra, material escasso na ilha de Vitória; para aterrar o banhado, não preocupou o governo de Jerônimo Monteiro 

Ver Artigo
As guerras imperiais e seus reflexos no Espírito Santo – Por João Eurípedes Franklin Leal

O Ururau era em brigue de transporte, armado com seis bocas de fogo, que próximo a barra da baía de Vitória combateu por hora e meia um barco argentino o “Vencedor de Ituzaingu”

Ver Artigo
O recrutamento do Ururau - 1827

Gravíssimo incidente abalou o Espírito Santo quando da passagem, pelo porto de Vitória, do brigue de guerra Ururau, em 1827

Ver Artigo
Finda o Governo do Primeiro Donatário - Por Mário Freire

Confiou o governo a Belchior de Azevedo, como Capitão, com os poderes e a jurisdição que o donatário exercera: firmou esse ato na "vila de N. S. da Vitória"

Ver Artigo