Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Cine Paz

Cine Paz

Denominação: CINE PAZ

 

Localização: Av. Princesa Isabel, 380, Centro, Vitória, no Edíficio Dionysio Abaurre.

Inauguração: 25 mar. 1975.

Capacidade: 700 lugares.

Período de funcionamento: 1975-199_.

Exibidor: Dionysio Abaurre.

 

Histórico: Com a promessa que seria “o melhor cinema do estado”, em 25 de março de 1975, com suas paredes e cadeiras em vermelho, o Cine Paz foi inaugurado com o filme: Papillon. De propriedade de Dionysio Abaurre, com capacidade para 700 cadeiras, um corredor interno mais amplo do que os outros cinemas, apresentava cuidados do proprietário no que diz respeito à tecnologia e conforto para a época.

 

A sala também foi palco de um festival de cinema organizado por Amylton de Almeida na década de 80.

 

Durante uma semana eram reprisados os melhores filmes do ano anterior, sendo que cada filme ficava em cartaz apenas um dia. O festival foi o maior sucesso e desde o começo foi bem aceito pelo público, que comparecia em massa às exibições. Um dos filmes que marcaram o festival em número de público foi o musical Hair.

 

No período de férias escolares, a grande atração da sala eram os famosos filmes infantis dos Trapalhões.

 

A platéia lotava a sala depois de agüentar pacientemente as longas filas que rodavam os quarteirões da avenida Princesa Isabel. E enquanto esperavam chegar a vez de assistir o filme, pais, mães, tias e avós colocavam o papo em dia e, como quem não quer nada, pegavam carona com a meninada para mais uma sessão de cinema.

 

 

Fonte: Memórias Fotográficas – A História das Salas de Cinema de Vitória. Vitória, 2011
Autor: André Malverdes
Compilação: Walter de Aguiar Filho, janeiro/2012 



GALERIA:

📷
📷


História do ES

Palavras que vieram da África

Palavras que vieram da África

A influência do negro na nossa cultura foi bastante expressiva. Os hábitos e costumes africanos penetraram no nosso cotidiano

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Minha FICHA - Por Eurico Resende

Sempre admiti que a partir de certo momento do primeiro governo revolucionário, não tinha a estabilidade da simpatia do "Sistema"

Ver Artigo
Carta de doação – Limites da capitania

Em Évora, a primeiro de junho de 1534, D. João III apôs sua real assinatura à carta de doação a Vasco Fernandes Coutinho

Ver Artigo
Juízes de direito na Província do Espírito Santo

Reunimos, pois, sob a forma de uma sinopse, aquilo que pode demonstrar à evidência a província do Espírito Santo, baseando assim em documentos e em trabalhos de própria lavra e que aqui descrevemos

Ver Artigo
Carta patente dada ao capitão de Infantaria, Francisco de Albuquerque Teles, e por el-rei D. Pedro, 1696

1696. Carta patente dada ao capitão de Infantaria, Francisco de Albuquerque Teles, e por el-rei D. Pedro, em que se provia[m] seus serviços na ilha do Funchal e na capitania de Cabo Frio, dando dela notícias históricas de muito valor

Ver Artigo
Colher de prata que D.Pedro II lançou na Lagoa Juparanã em 1860

Na ocasião, o monarca almoçou na atual Ilha do Imperador, onde, após o almoço, colocou alguns objetos em uma garrafa de champanhe e a jogou na água

Ver Artigo