Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Cine Santa Cecília

Cine Santa Cecília

Denominação: CINE SANTA CECÍLIA

 

Localização: Avenida República, 175, Parque Moscoso, Centro, Vitória.

Inauguração: 21 set. 1955.

Capacidade: 1.453 lugares.

Período de funcionamento: 1955-199_.

Exibidor: Empresa Santo & Cia.

 

Histórico: Na década de 50, uma das salas considerada um palácio cinematográfico da cidade de Vitória foi o Cine Santa Cecília, no período considerado de ouro das salas de cinema no Espírito Santo. Foi inaugurado em 21 de setembro de 1955 com o filme: Sete Noivas Para Sete Irmãos (1954). O Cine Santa Cecília era o maior do estado, com capacidade de 1.453 lugares e situava-se na Avenida República, junto ao Parque Moscoso, onde antes funcionava o Cine Politeama. José Tatagiba lembra que era considerado um espaço moderno e exigia dos freqüentadores o uso de traje social para freqüentar o local, “com os homens usando terno e as moças devidamente trajadas”.

 

Jaime Navarro de Carvalho conta que o traje formal era uma exigência do proprietário Francisco Cerqueira Lima. “Como ele ia ao Rio de Janeiro e notava que nos cinemas da Cinelândia as pessoas só podiam entrar de paletó e gravata, ele queria que aqui fosse do mesmo jeito”. Depois de fazer um levantamento, ele resolveu abolir o traje formal e a renda aumentou em quase 75%. Na época seu Francisco comentava brincando que “nunca pensei que tivesse tanta gente em Vitória que andasse sem gravata”.

 

Durante a inauguração do Santa Cecília, foi vinculado um concurso local pela rádio e pelos jornais impresso para divulgar a nova sala. Quem acertasse o nome do cinema, que já havia sido escolhido, ganharia entrada grátis durante um ano. Oito pessoas acertaram o nome da sala que era uma homenagem a mãe do proprietário. Com lustres na entrada, chão de mármore, equipamentos modernos de projeção e som, frequentar este cinema era uma questão de status.

 

Como posso entrar em contato com o Projeto CINEMAES?

Por e-mail:malverdes@gmail.com

Por telefone: (27) 9907-5955 (dias úteis das 10 às 20 horas)

 

O autor

 

André Malverdes nasceu na cidade do Rio de Janeiro, no bairro da Tijuca, em 1972.

Veio para o Espírito Santo aos 7 anos onde vive até hoje. Formou-se em História, em 2000, especialização em História Social do Brasil, em 2002, Arquivologia, em 2004 e três anos depois concluiu o Mestrado em História Social das Relações Políticas na Universidade Federal do Espírito Santo. Durante sua graduação pesquisou a expedição Pietro Tabacchi (1872/1874) e o Arquivo Público do Estado do Espírito Santo. Durante a pós-graduação realizou a pesquisa sobre a história das salas de cinema do qual resultou esse livro, quatro exposições e diversas palestras na América Latina em eventos científicos. Atualmente é Professor Assistente do Departamento de Arquivologia da Universidade Federal do Espírito Santo, Membro

da Câmara Técnica do Patrimônio Arquitetônicos, Bens Imóveis e Acervos do Conselho Estadual de Cultura do Estado do Espírito Santo, Associado Efetivo do Instituto Histórico e Geográfico do Espírito Santo e Coordenador do Projeto de Pesquisa Cinememória - A História das Salas de Cinema no Espírito Santo.

 

Compilação: Walter de Aguiar Filho, janeiro/2012



GALERIA:

📷
📷


Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Ano de 1550 – Por Basílio Daemon

A Alfândega, pelas investigações que fizemos, e como adiante se verá, no século XVII parece-nos ter sido estabelecida no local em que existe a casa de propriedade do Sr. Firmino de Almeida Silva 

Ver Artigo
Ano de 1539, 1540, 1547 e 1549 – Por Basílio Daemon

A escritura de doação foi firmada ainda em 1540, no entanto apenas em 1549 o monarca assinaria a carta de confirmação dela a pedido de Duarte de Lemos   

Ver Artigo
Doação da Ilha de Vitória a Duarte de Lemos

Mais uma vez a história do Espírito Santo traz “novos” fatos que favorecem o fim da cobrança da taxa de marinha na Ilha de Vitória

Ver Artigo
A antiga localização de Santa Catarina das Mós

No mapa do Império Brasileiro, de 1868 e elaborado por Cândido Mendes, a localidade de Santa Catarina das Mós situava-se ao sul da foz do rio Itabapoana

Ver Artigo
Ano de 1536 e 1537 – Por Basílio Daemon

Faz Vasco Fernandes Coutinho doação da ilha de Santo Antônio a Duarte de Lemos, que em sua vinda o acompanhara da Bahia 

Ver Artigo