Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Colatina

Estação Ferroviária

A história dos municípios capixabas de Linhares e Colatina se confunde. Durante muitos anos o povoado de Colatina pertenceu ao antigo Município de Linhares e, durante esse tempo, comemorava, junto com a cidade, o dia 22 de agosto.

A fundação do município de Colatina data de 1833. As primeiras povoações foram no Arraial da Barra do Santa Maria, hoje bairro Colatina Velha, onde surgiu a área urbana, Mutum de Boapaba e ainda Barracão de Baunilha. Os imigrantes eram italianos em sua maioria.

Em 1857, com a chegada de Nicolau Rodrigues dos Santos França Leite, foi criada a colônia de Francilvânia, na margem esquerda do Rio Doce. Mas, devido aos constantes ataques dos índios botocudos, muitas colônias só se desenvolveram a partir do último decênio do século dezenove.

Em 9 de dezembro de 1899, Colatina virou sede do distrito. Naquela época a região pertencia ao município de Linhares.

Por volta de 1906, com a estrada de ferro Vitória-Minas, Colatina passou a ter renda maior que Linhares e, em 1921, passou a ser a sede do município, com a maioria dos vereadores do antigo Linhares. Foi nessa época que se estabeleceu a tradição de comemorar o dia do município de Colatina também em 22 de agosto.

Em 26 de maio de 1916 o coronel Alexandre Calmon e o médico Pinheiro Júnior compuseram uma chapa e foram derrotados por Bernardino Monteiro, na disputa pela presidência do Estado. Chefiaram então um movimento revolucionário, em que proclamavam Colatina a nova capital do Espírito Santo, instalando o governo em Colatina.

Pinheiro Júnior transferiu o cargo a seu vice, "Xandoca", e regressou ao estado do Rio de Janeiro, onde clinicava. Somente em 29 de junho é que a rebelião foi debelada pelas forças governistas. O fato ficou conhecido como a "Revolta do Xandoca", assim, o município voltou a pertencer a Linhares.

Na década de 50, Colatina começou a colher resultados significativos ao se tornar o maior produtor mundial de café. O processo de industrialização teve início nos anos 70 e colocou a cidade no rol das maiores economias do Estado, com um potencial enorme de expansão.

O nome da cidade foi escolhido pelo engenheiro Gabriel Emílio da Costa em homenagem à Dona Colatina, esposa do ex-governador do Estado, Muniz Freire.

Fonte: A Gazeta e Pesquisa na internet.

Links Relacionados:


>> Curiosidades de Colatina  
>>
 
Linhares  
>> Rio Doce 
>> 
Heranças dos índios
>>
 
Índios selvagens e civilizados
>>
 
Influência indígena no ES 
>> 
Estrada de Ferro Vitória a Minas 



GALERIA:

📷
📷


Cidades do ES

Itapemirim - Por Edward Willberforce

Itapemirim - Por Edward Willberforce

Vila de certo tamanho, situada uma milha ou duas rio acima. É notável sobretudo devido ao seu estágio de civilização

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Divisão administrativa do município de Vitória, 1937

São os seguintes limites do município de Vitória

Ver Artigo
Barra do Jucu

Barra do Jucu é um pequeno balneário de Vila Velha, ainda tranqüilo, localizado a 15 quilômetros do centro da cidade, que atrai muita gente por seu alto astral

Ver Artigo
Então Vitória era assim (1908-1912) – Era Jerônimo

Um bonde a tração animal trafegava pela cidade baixa, de Vila Rubim ao Forte São João, passando pelo Largo da Conceição, Ruas do Rosário, Cristóvão Colombo e Barão de Monjardim

Ver Artigo
Itaúnas - Por Adelpho Monjardim

Situada na embocadura de importante rio, na orla marítima, possuidora de magnífico e extenso litoral, cedo desenvolveu-se, tornando-se próspera povoação, com intenso comércio com a Bahia

Ver Artigo
Roteiros de Guarapari

Três Praias: São consideradas as mais bonitas do balneário. A entrada é através de área particular e atualmente está fechada. As únicas formas de acesso a elas são através da Praia dos Adventistas ou de embarcações. 

Ver Artigo