Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Colatina

Estação Ferroviária

A história dos municípios capixabas de Linhares e Colatina se confunde. Durante muitos anos o povoado de Colatina pertenceu ao antigo Município de Linhares e, durante esse tempo, comemorava, junto com a cidade, o dia 22 de agosto.

A fundação do município de Colatina data de 1833. As primeiras povoações foram no Arraial da Barra do Santa Maria, hoje bairro Colatina Velha, onde surgiu a área urbana, Mutum de Boapaba e ainda Barracão de Baunilha. Os imigrantes eram italianos em sua maioria.

Em 1857, com a chegada de Nicolau Rodrigues dos Santos França Leite, foi criada a colônia de Francilvânia, na margem esquerda do Rio Doce. Mas, devido aos constantes ataques dos índios botocudos, muitas colônias só se desenvolveram a partir do último decênio do século dezenove.

Em 9 de dezembro de 1899, Colatina virou sede do distrito. Naquela época a região pertencia ao município de Linhares.

Por volta de 1906, com a estrada de ferro Vitória-Minas, Colatina passou a ter renda maior que Linhares e, em 1921, passou a ser a sede do município, com a maioria dos vereadores do antigo Linhares. Foi nessa época que se estabeleceu a tradição de comemorar o dia do município de Colatina também em 22 de agosto.

Em 26 de maio de 1916 o coronel Alexandre Calmon e o médico Pinheiro Júnior compuseram uma chapa e foram derrotados por Bernardino Monteiro, na disputa pela presidência do Estado. Chefiaram então um movimento revolucionário, em que proclamavam Colatina a nova capital do Espírito Santo, instalando o governo em Colatina.

Pinheiro Júnior transferiu o cargo a seu vice, "Xandoca", e regressou ao estado do Rio de Janeiro, onde clinicava. Somente em 29 de junho é que a rebelião foi debelada pelas forças governistas. O fato ficou conhecido como a "Revolta do Xandoca", assim, o município voltou a pertencer a Linhares.

Na década de 50, Colatina começou a colher resultados significativos ao se tornar o maior produtor mundial de café. O processo de industrialização teve início nos anos 70 e colocou a cidade no rol das maiores economias do Estado, com um potencial enorme de expansão.

O nome da cidade foi escolhido pelo engenheiro Gabriel Emílio da Costa em homenagem à Dona Colatina, esposa do ex-governador do Estado, Muniz Freire.

Fonte: A Gazeta e Pesquisa na internet.

Links Relacionados:


>> Curiosidades de Colatina  
>>
 
Linhares  
>> Rio Doce 
>> 
Heranças dos índios
>>
 
Índios selvagens e civilizados
>>
 
Influência indígena no ES 
>> 
Estrada de Ferro Vitória a Minas 



GALERIA:

📷
📷


Cidades do ES

Iconha - Crônica de Rubem Braga (1951)

Iconha - Crônica de Rubem Braga (1951)

Mas Iconha me encanta pelo seu milagre pastoril. A pracinha é dominada por um morro alto, muito verde, cortado diante de nós por um talude de terra vermelha. E lá em cima pastam dez a doze bois brancos. Eles dominam assim o centro da cidade

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Iconha: Capital dos caminhoneiros no Brasil - Por Luciana Maximo

A cidade que tem 13 mil habitantes é considerada o município com o maior número de caminhões e carretas por habitantes do Brasil

Ver Artigo
Divisão administrativa do município de Vitória, 1937

São os seguintes limites do município de Vitória

Ver Artigo
Barra do Jucu

Barra do Jucu é um pequeno balneário de Vila Velha, ainda tranqüilo, localizado a 15 quilômetros do centro da cidade, que atrai muita gente por seu alto astral

Ver Artigo
Então Vitória era assim (1908-1912) – Era Jerônimo

Um bonde a tração animal trafegava pela cidade baixa, de Vila Rubim ao Forte São João, passando pelo Largo da Conceição, Ruas do Rosário, Cristóvão Colombo e Barão de Monjardim

Ver Artigo
Itaúnas - Por Adelpho Monjardim

Situada na embocadura de importante rio, na orla marítima, possuidora de magnífico e extenso litoral, cedo desenvolveu-se, tornando-se próspera povoação, com intenso comércio com a Bahia

Ver Artigo