Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Comércio da Província – 1826 e 1827

Tábua dos gêneros importados no ano de 1827

Distribuídas pelas diferentes vilas e povoações, e pela própria Capital,existiam na província cinqüenta e cinco lojas de fazendas secas e oitenta e oito demolhados e tavernas, para usarmos a classificação da Memória presidencial.(65)

O comércio importador se nos mostra através do quadro a seguir.

TÁBUA DOS GÊNEROS IMPORTADOS NO ANO DE 1827 (66)

Imagem principal da matéria, também localizada abaixo do texto.

 

A exportação baseava-se principalmente na farinha de mandioca – quase todaproduzida em S. Mateus. Eis o MAPA DOS GÊNEROS EXPORTADOS NOS ANOS DE 1826 E 1827, que acompanha o trabalho do presidente Acióli de Vasconcelos:

Ver imagem do quadro no final da matéria

 

Não havia restrições para a importação de mercadorias, pagas todas a dinheiro. O mesmo não ocorria na exportação, pois a lei proibia o comércio das madeiras de construção naval e pau-brasil.

A aguardente era monopólio do contratador, que arrematava a autorização para o seu comércio em hasta pública.(67)

As praças com que a província transacionava regularmente eram Recife, cidade do Salvador e Rio de Janeiro, principalmente com esta última.

Não existiam na terra: feiras, mercados, bancos, casas de seguros, nem companhias de comércio.

 

NOTAS

(65) - Vitória possuía trinta e cinco lojas de fazendas secas e quarenta e cinco de molhados etavernas; Itapemirim contava duas das primeiras e três das segundas; Benevente, três das primeirase três das segundas; Guarapari, quatro das primeiras e cinco das segundas; Meaípe, apenas umacasa de molhados; Muquiçaba, idem; Vila Velha tinha três casas de molhados e tavernas; Jucu, duas de molhados e tavernas; Ponta da Fruta, uma de molhados; Nova Almeida, uma loja de fazendas secas e duas de molhados e tavernas; Aldeia Velha, duas de molhados e tavernas; Campo do Riacho, uma de molhados; Linhares, uma de molhados; S. Mateus oito de fazendas secas e catorze de molhados e tavernas; Barra, duas das primeiras e três das segundas; Santana, apenas uma de molhados (Memória).

(66) - INÁCIO ACCIOLI, Memória.

(67) - Sobre a matéria escreveu o presidente: “O gênero aguardente é franco: éarrematada em câmara em um só homem (o contratador) com as seguintes condições:nenhum fabricante pode vender suas aguardentes se não o contratador; este pode vendera todos pelo preço que quiser. Os que querem vender (rameiros) compram-lhe a licença eaguardente. Com estas condições sendo este gênero da primeira necessidade vexa o contratador osfabricantes, os rameiros e o povo até fazendo subir péssima aguardente a preço exorbitante,o que não aconteceria havendo liberdade de comércio porque cada um a teria boa para tersaída, sendo porém certo que talvez então não chegasse a tanto como se verá nas RendasPúblicas adiante. Este gênero não sobra para a exportação” (Memória).

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição, Vitória (APEES) - Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Secretaria de Cultura, 2008
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter Aguiar Filho, maio/2018



GALERIA:

📷
📷


História do ES

Um Estado virtual

Um Estado virtual

Udelino Alves de Matos, retirante do sul da Bahia, chegou ao povoado de Cotaxé, em Ecoporanga, aproximadamente em 1940. Como milhares de outros lavradores, transformou-se em posseiro de terra...

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Minha FICHA - Por Eurico Resende

Sempre admiti que a partir de certo momento do primeiro governo revolucionário, não tinha a estabilidade da simpatia do "Sistema"

Ver Artigo
Carta de doação – Limites da capitania

Em Évora, a primeiro de junho de 1534, D. João III apôs sua real assinatura à carta de doação a Vasco Fernandes Coutinho

Ver Artigo
Juízes de direito na Província do Espírito Santo

Reunimos, pois, sob a forma de uma sinopse, aquilo que pode demonstrar à evidência a província do Espírito Santo, baseando assim em documentos e em trabalhos de própria lavra e que aqui descrevemos

Ver Artigo
Carta patente dada ao capitão de Infantaria, Francisco de Albuquerque Teles, e por el-rei D. Pedro, 1696

1696. Carta patente dada ao capitão de Infantaria, Francisco de Albuquerque Teles, e por el-rei D. Pedro, em que se provia[m] seus serviços na ilha do Funchal e na capitania de Cabo Frio, dando dela notícias históricas de muito valor

Ver Artigo
Colher de prata que D.Pedro II lançou na Lagoa Juparanã em 1860

Na ocasião, o monarca almoçou na atual Ilha do Imperador, onde, após o almoço, colocou alguns objetos em uma garrafa de champanhe e a jogou na água

Ver Artigo