Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Comércio e corpo consular na República do ES

Hotel Europa, que nos últimos anos do Império promoveu banquetes políticos - Foto ilustrativa, ano 1932

Centenas de estabelecimentos comerciais distribuíam-se por todas as localidades. Aqui e ali, pequenos e modestos hotéis,(57) botequins e bilhares.

As lojas de Vitória anunciavam perfumaria; objetos para luto e presentes; chapéus para senhoras, homens e meninos; roupas feitas; enxovais para casamentos e batizados; máquinas de costura; vinhos importados diretamente de Portugal; calçados nacionais e estrangeiros; móveis austríacos etc.

Várias firmas importadoras e exportadoras, estabelecidas na Capital, assim como agentes de companhias de navegação, mesmo de transatlânticos, especialmente italianas e alemãs.

Alemanha, França, Holanda e Portugal mantinham representantes consulares em Vitória.(58)

 

NOTAS

(57) - Lembra Mário Freire, em nota fornecida ao autor, o “velhíssimo Hotel d’Europe, ainda aberto em Vitória, no qual conservadores e liberais promoveram, nos últimos anos do Império, alguns banquetes políticos”.

(58) - SILVEIRA, Almanaque de 1889, 23.

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição, Vitória (APEES) - Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Secretaria de Cultura, 2008
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter Aguiar Filho, novembro/2017

História do ES

Arquitetura Colonial do Século XVIII – Por Serafim Derenzi

Arquitetura Colonial do Século XVIII – Por Serafim Derenzi

É bastante considerar os poucos logradouros da cidade, que guardaram os eixos diretores daquela época: Rua Duque de Caxias, Maria Ortiz, Prof. Azambuja, José Marcelino...

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

Igreja e representação parlamentar na República

Os assuntos eclesiásticos continuavam na dependência do bispado do Rio de Janeiro

Ver Artigo
Indústrias e profissões na República do ES

Resumia-se a um artesanato despretensioso a indústria capixaba do ano de 1889 

Ver Artigo
O café e a sua nobreza na República do ES

Vale a pena demorarmos alguns instantes num rápido bosquejo da evolução da cultura cafeeira no Espírito Santo

Ver Artigo
Bibliotecas públicas e jornais na República

A Biblioteca Pública Provincial, em 1889, era servida por um amanuense-bibliotecário e um porteiro

Ver Artigo
Vida associativa na República

A Maçonaria era representada, na província, desde 1872, pela Loja União e Progresso, que mantinha variada biblioteca

Ver Artigo
Divisão administrativa, população e Justiça na República

No ano em que se fez a República, o Espírito Santo estava dividido em catorze municípios, e contava quatro cidades e dez vilas

Ver Artigo
Orçamento e ensino na República

A Companhia de Aprendizes Marinheiros proporcionava ensino profissional à mocidade

Ver Artigo
Administração e serviços públicos na República

Os faróis de Santa Luzia e da Ilha do Francês; as fortalezas de S. João e S. Francisco Xavier, as Companhias de Infantaria e de Polícia e o Batalhão da Guarda Nacional

Ver Artigo