Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Comércio Exterior - Por Arthur Gerhardt (Parte III)

Vale - Trilhos da EFVM

3 – Ligações Ferroviárias e Rodoviárias

 

Quando falamos do desenvolvimento do sistema portuário, acreditamos que deu para perceber que ele cresceu atendendo ao aumento da produção e ao aparecimento de sistemas de transporte eficientes. Portanto, vale a pena perdemos um pouco de tempo para falarmos de nossa malha de transporte.

Começaremos pela ferroviária. No final do século passado, a produção de café estava a exigir transporte para chegar ao porto. O sistema de transporte fluvial, com utilização de canoas, era limitado por sua capacidade e pela dificuldade que apresentavam os rios do Estado. Serve como exemplo a estrada de ferro que ligava Cachoeiro do Itapemirim à Barra do Itapemirim. O transporte em canoas era feito do interior pelo rio Itapemirim até onde ele podia ser navegado, ou seja, até os cachoeiros do rio. Daí, iam de trem até o porto, aliás muito precário, de Barra do Itapemirim. Não é preciso dizer que a construção de rodovias matou a estrada. Aliás morte muito lenta, pois somente no Governo Rubens Rangel, quando o Brasil vivia um período autoritário, foi possível desativar a estrada que já era há muitos anos mantida em funcionamento, com astronômico déficit, por pressão política.

Dentro do mesmo espírito, foi construída a estrada de ferro que ligava São Mateus até Nova Venécia, e que igualmente desaparecida com o advento das rodovias e que também teve morte lenta por influência política.

A Leopoldina Railway foi criada com objetivo semelhante. Foi construída uma ferrovia que, subindo a serra, pudesse escoar a produção de café das áreas de colonização italiana e alemã. Foi primeiro feita a ligação Vitória-Matilde e, mais tarde, construído o trecho que ligou Matilde a Cachoeiro de Itapemirim. Daí até Campos com ligações com o Rio de Janeiro. Esta estrada, que existe até hoje, é um dos entraves que temos ao nosso desenvolvimento. É antieconômica, de baixa confiabilidade devido ao estado de sua infra e superestrutura. Nós, capixabas, desejaríamos que quem viesse a ganhar a próxima concorrência de privatização deste trecho, construísse um ramal litorâneo que possibilite transporte ferroviário econômico de Vitória na direção Sul do país.

Mas, a vedete de nossas estradas de ferro é, sem dúvida, a Estrada de Ferro Vitória a Minas de propriedade e operada pela CVRD. É das estradas mais eficientes do mundo e exerce um papel relevante no progresso do Espírito Santo. Hoje, com a sua ligação com a Rede Ferroviária Federal em Belo Horizonte, criou condições de oferecer seus serviços até o centro do país aumentando sua importância como alavanca do desenvolvimento capixaba. Um pouco mais a frente vamos falar de nossas preocupações para com ela.

Quanto ao transporte rodoviário, vivemos uma verdadeira epopéia, com lances ora dramáticos, ora tragicômicos. Até 1964 o sistema rodoviário do Espírito Santo era insuficiente, para não dizer inexistente. O grande impulso para a construção rodoviária foi dada pela lei que criou o Fundo Rodoviário Nacional e pelo primeiro Plano Nacional de Viação, que nos frustrou, e por uma razão muito simples. Nós não existíamos para o Governo Federal. Com todo o esforço feito pelo governo estadual, esforço de que sou testemunha, não tínhamos recursos suficientes para construirmos a malha rodoviária de que necessitávamos. Digo que sou testemunha porque comecei minha vida de engenheiro aqui no Estado como empregado do Departamento Estadual de Estradas de Rodagem, e no Governo Carlos Lindenberg, dirigi este órgão. O fato é que nenhum estado tinha recursos suficientes. Quem tinha era a União. E a União estava presa a compromissos políticos com estados de maior peso eleitoral. O nosso Estado, com bancada reduzida e nem sempre unida em torno de objetivos comuns, não tinha peso para pleitear mais verbas. Só obtivemos maiores recursos quando o peso da influência política foi menor, durante o início do regime autoritário de 64. Nessa ocasião, tivemos concluída a BR 101 (Rio-Vitória-Salvador), a BR 262 ligando Vitória a Belo Horizonte e daí até Brasília. Hoje temos um razoável sistema rodoviário, a que se acresceu a rodovia Vitória-Colatina-Barra de São Francisco.

 

Fonte: Revista do Instituto Histórico e Geográfico do Espírito Santo. N 47, ano 1996
Compilação: Walter de Aguiar Filho, fevereiro/2014 

Portos do ES

Os primeiros anos da CVRD (História da Vale)

Os primeiros anos da CVRD (História da Vale)

Preocupada em atingir a meta de exportação de 1,5 milhão de toneladas de minério de ferro a CVRD concentrou seus esforços na melhoria das condições de funcionamento do complexo mina-ferrovia-porto

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

A criação da Vale - Parte III (História da Vale)

A CVRD seria constituída como uma sociedade anônima, de economia mista, com capital inicial de 200 mil contos de réis. Sua diretoria seria composta por cinco membros: um presidente e dois diretores de nacionalidade brasileira e mais dois diretores norte-americanos

Ver Artigo
A criação da Vale - Parte I (História da Vale)

Em 1º de junho de 1942, o Brasil estava imerso em uma crise institucional que tinha como ponto central a decisão sobre a entrada do país na Segunda Guerra Mundial

Ver Artigo
A criação da Vale - Parte II (História da Vale)

Firmados em 3 de março de 1942 e tendo como signatários os governos do Brasil, da Inglaterra e dos Estados Unidos, os Acordos de Washington definiram as bases para a organização, no Brasil, de uma companhia de exportação de minério de ferro

Ver Artigo
Corredor de Transportes, impulso para crescer

Corredor de Transportes, Uma ferrovia, sete portos e uma esperança

Ver Artigo
Novo barão explorou areias monazíticas até em Vitória

As jazidas com maior atividade ficavam em Carapebus, na Serra, mas também há registros de retirada de areia em Vitória

Ver Artigo