Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Conexões - Por Ana Fernanda Ribeiro Rangel

Capa do Livro: Escritos de Vitória, 27 - Pontes, 2010

Um lugar. Um mundo. Milhões de Ligações. Uma ponte. Entre eu e você. Entre eu e aquele. Entre eu e os mundos. Cheia de curvas, contornos, placas, avisos e propagandas.

Lugares tão distintos e pessoas tão opostas. Todos nós com algo em comum. A cidade onde moramos, o lugar onde trabalhamos ou o ônibus que pegamos todas as manhãs. Ou quaisquer outras ligações. Uma ligação. Uma ponte. E um oceano infinito de diferenças separa terras tão distintas como as nossas. Mas um dia, por acaso, uma ponte foi construída entre eu e você.

Uma ponte cheia de curvas, placas indicando para o mesmo lugar sentidos opostos. Bifurcações e retornos. Em alguns trechos, buracos. Incontáveis quilômetros separam os nossos olhares. Eu não consigo te ver realmente. Vejo casas que possivelmente, um dia, você habitou. Pessoas que um dia fizeram parte da sua vida. Vejo nuvens de sonhos passando sobre o seu mundo. E também algumas tempestades isoladas em lugares que as placas chamam de decepção e medo.

Outras pessoas, outras pontes, outros mundos. Mais e mais diferenças. Mais placas e curvas. Ah como é difícil chegar à terra alheia! Com o tempo vamos aprendendo a chegar ao outro lado. Aprendemos a pegar a via certa, quando necessário. A via do olhar, a via do silêncio, a via da fala.

Existem muitas vias e leva um tempo para saber por qual optar, tomando cuidado para não pegar a errada e dar uma grande volta no nada e simplesmente voltar ao início do processo.

Vai passando o tempo e, quando menos se espera, chega-se ao outro lado. Agora, não tão distante, consigo te ver. Seus contornos estão claros e seus olhos são bem expressivos. Se antes eu somente sentia os ventos das suas emoções, agora consigo ver-te e sentir-te bem de perto. O sorriso tem outro brilho. A conversa tem outro rumo. Sentimo-nos a vontade um com o outro. A ponte, antes, longa e cheia de curvas, foi se moldando e se transformou numa simples ponte em linha reta e de pouca extensão. Não se sabe ao certo quando ou como isso aconteceu. Mas agora vamos um ao mundo do outro em alguns segundos.

O oceano foi secando. A terra firme dominava. A ponte tornou-se desnecessária. Agora vamos construindo juntos no espaço que antes nos separava. Não existe mais o seu mundo e o meu mundo. Agora é o nosso mundo. A nossa história.

 

Fonte: Escritos de Vitória, 27 - Pontes, 2010
Autora: Ana Fernanda Ribeiro Rangel - Nascida em 10 de fevereiro de 1993 em Vitória, Espírito Santo. Estudante do Ensino Médio do Instituto Federal do Espírito Santo. O gosto pelo escrever se tornou um vicio. Escrevo pra passa o tempo. Falar de mim. Falar dos outros. Falar de ninguém.
Compilação: Walter de Aguiar Filho, maio/2020

Literatura e Crônicas

Anos de 1567 e 1569 - Por Basílio Daemon

Anos de 1567 e 1569 - Por Basílio Daemon

Ainda outra aldeia em Reritiba, hoje Benevente, na rampa de uma montanha e ao redor dela com outra principiada ainda no lugar chamado Orobó, a dez quilômetros pouco mais ou menos do mar

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

O Tatu-bola – Por Pedro Maia

A gente contava aqui a artimanha usada por um advogado esperto para conseguir a absolvição de seu cliente

Ver Artigo
As medidas do Presidente – Por Pedro Maia

Alfredo ficou satisfeito quando soube que ontem ia ser ponto facultativo nas repartições públicas

Ver Artigo
A promoção – Por Pedro Maia

João era cabo do batalhão e tratava da bóia servida no quartel

Ver Artigo
Ação Policial – Por Pedro Maia

Carmelo e Vitorina eram recém-casados e se extasiaram quando viram Vitória pela primeira vez

Ver Artigo
A opção - Pedro Maia

Dona Maria é uma distinta matrona que do alto de sua sabedoria vê o mundo por um ângulo bastante pessoal

Ver Artigo