Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Construção do Porto de Vitória

A necessidade de atender à movimentação de exportação exigida pelo café fez com que o governo do Estado desse início à construção do porto - Foto: Tadeu Bianconi / Reprodução

Apesar da construção do porto ter sido iniciada em 1906, suas obras só foram definitivamente concluídas em 1940, com a inauguração do Cais Comercial, em Vitória, após três décadas de retomadas e paralisações devido à falta de recursos financeiros (qualquer semelhença com a expansão do aeroporto de Vitória é mera coincidência) e ao início da primeira Guerra mundial, quando as empresas construtoras tiveram que retornar aos seus países de origem.

Com o Cais Comercial, o Espírito Santo passou a contar com o seu primeiro porto "oficialmente organizado", oferecendo maior segurança às embarcações e inserindo o Estado no comércio internacional.

 Apesar de todo o potencial econômico do novo cais, o Porto de Vitória já apresentava números positivos desde o final da década de 30, apresentando a terceira maior exportação de café do Brasil, atrás apenas dos portos de Santos e Rio de Janeiro.

SEGUNDA GUERRA INTERROMPE O CRESCIMENTO

Esse crescimento foi abalado com a entrada dos parceiros comerciais do ES na Segunda Guerra Mundial, entre 1939 e 1945, o que fez o preço do produto despencar no mercado internacional.

O porto  atravessou sua primeira crise, com queda de 54% na exportação do café, passando de 1,2 milhões de sacas no triênio 1935-1942, abalando também a economia do Espírito Santo, totalmente dependente da monocultura cafeeira.

"Mas, foi também o segundo conflito mundial que proporcionou condições favoráveis à primeira expansão do Porto de Vitória, devido à procura internacioal pelo minério de ferro brasileiro, para reconstrução dos países destruídos pela guerra", relata o professor aposentado Leonardo Abaurre, 72 anos.

Abaurre foi professor de História do Brasil por 42 anos e recorda a chegada dos primeiros vagões com minério ao Cais Comercial.

SURGIMENTO DA CVRD  

"A exploração e exportação do minério passou a ser feita pela Companhia Vale do Rio Doce. O mineral, explorado no Quadrilátero Ferrífero. do Estado de Minas Gerais, passou a ser escoado pelo Cais Comercial de Vitória.

Entretanto, o porto não oferecia estrutura para embarque desse produto, já que até então, o foco era o transporte de sacas de café e mercadorias gerais, além da necessidade que os Estados Unidos, Rússia, Europa, Canadá e Japão passaram a ter do minério como base dos seus processos de industrialização", relata.

EXPANSÃO

Com a exigência de quantidades cada vez maiores do minério de ferro, a CVRD propôs a construção de um cais especializado para embarcar o produto no município de Vila Velha. O projeto aproveitou o potencial natural do Atalaia, também conhecido como "Péla Macaco", onde foram construídos silos verticais para armazenagem do minério, que eram abastecidos por vagões que chegavam pelo alto do Atalaia.

"Hoje, o sistema de carregamento do Atalaia não está sendo mais utilizado. A linha férrea que levava o minério até o alto dos silos não tem condições de uso. É uma pena. Mas, como vestígios da história do Espírito Santo, ainda estão lá, contando um pouco da nossa saga", desabafa o professor Abaurre.

 Ao todo, o Atalaia - batizado de Cais Eumenes Guimarães -  possui 110 metros de comprimento e recebeu obras de adequação até 1963, com dragagem e balizamento para tráfego noturno, passando a atracar navios com capacidade para 30 mil toneladas.

Sua estrutura foi concluída no final da década de 40, mas não comportou a demanda do minério comercializado pela Vale, que no início dos anos 50 bateu recordes de exportação de minério grosso, com média anual de 1,2 milhões de toneladas, e em menos de 15 anos a Vale já exportava 10 milhões de toneladas do produto.

TUBARÃO

Como alternativa, a Vale investiu na construção do Terminal de Tubarão, localizado no final da Praia de Camburi, em Vitória, planejado para substituir o Cais do Atalaia e atender a uma demanda especializada, exportando minério grosso e fino.

Tubarão vem operando desde 1966 e recebe navios de até 300 mil toneladas, movimentando, atualmente, 65 milhões de toneladas de minério de ferro e pellets por ano, com capacidade para movimentar 80 milhões de toneladas.

Após o fim das atividades do sistema de carregamento do Atalaia, em 1971, a Vale vem utilizando toda a estrutura do cais para o embarque de ferro-gusa. Em 2005, a empresa embarcou 2,18 milhões de toneladas do produto.

 

 

Fonte: Jornal A Gazeta, 100 anos do Porto de Vitória, 31/03/2006
Compilação: Walter de Aguiar Filho, fevereiro/2015 

Portos do ES

A Pedra da Vigia

A Pedra da Vigia

Como largo rio adormecido a baía deixa-se dominar de ponta a ponta. Esmeraldas engastadas em prata líquida, as illhas surgem aos olhos maravilhados. O Moreno, a montanha sagrada da Penha, o taciturno Penedo

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Pequena suíte para Vitória-Porto em cinco movimentos

Quando Vasco Fernandes Coutinho desembarcou em vila velha no dia 23 de maio de 1535

Ver Artigo
A história moderna do Porto de Vitória

Os primeiros estudos sobre o porto de Vitória foram feitos pelo engenheiro norte-americano Milnor Roberts, em 1879

Ver Artigo
Construção do Porto de Vitória

Apesar da construção do porto ter sido iniciada em 1906, suas obras só foram definitivamente concluídas em 1940, com a inauguração do Cais Comercial

Ver Artigo
A História do Porto de Vitória

A cidade cresceu e passou a ter uma paisagem inédita: os grandes navios que “passeiam” na avenida.

Ver Artigo
A criação da Vale - Parte III (História da Vale)

A CVRD seria constituída como uma sociedade anônima, de economia mista, com capital inicial de 200 mil contos de réis. Sua diretoria seria composta por cinco membros: um presidente e dois diretores de nacionalidade brasileira e mais dois diretores norte-americanos

Ver Artigo