Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Contos e Estórias - Por Maria da Glória de Freitas Duarte

Capa do Livro: Vila Velha de Outrora, 1990 - Autora: Maria da Glória de Freitas Duarte

Como muito bem se expressou o Dr. Aerobaldo Lelis, “povo sem tradições, não é povo, não devendo por isso mesmo existir. Si não cultuamos o nosso passado, si não realizamos neste sentindo uma obra de difusão através das gerações que se sucedem, jamais poderemos acompanhar de perto a marcha do progresso”.

Corroborando as palavras desse insigne capixaba, procuremos, na memória dos nossos avós, legar aos nossos netos e culto às nossas tradições.

Da Vila Velha do passado muito se tem o que contar. Dentre os inúmeros contos e estórias conhecidos das gerações passadas e quase sempre de fundo religioso, selecionamos os seguintes:

Em uma matinha que separava a Praia de Itapoã do centro da cidade havia uma árvore à qual deram o nome de “Árvore do Espírito Santo”. Contavam os antigos que um dia em que os “foliões” traziam o Divino, da Ponta da Fruta para esmolar em Vila Velha, cansados da viagem que faziam a pé, resolveram descansar e comer alguma coisa em Itapoã. Enquanto se alimentavam, apoiaram o Divino justamente na tal árvore que mais tarde receberia o Seu nome. Algum tempo depois, a cidade foi assolada por uma grande seca. Os rios quase desapareceram, as matas secaram e era grande a aflição do povo, vendo a miséria rondando seus lares. No meio de toda esta seca, a árvore que servira de descanso para o Divino Espírito Santo se conservou exuberante na sua verdura, e até florida, segundo palavras de pessoas idôneas que foram vê-la.

Contam também que um rico e poderoso fazendeiro, ao receber a visita do Divino, como sempre conduzido pelos Seus “foliões”, expulsou-os de sua fazenda, chamando-os de vadios e outros qualificativos semelhantes, e até desrespeitando também a pombinha que representa a Terceira Pessoa da SS. Trindade.

Nem bem o Divino tinha deixado as terras da fazenda, chega à casa do fazendeiro um escravo, apavorado, avisando que o canavial estava em chamas, bem como o paiol e outras dependências da fazenda.

O homem até então onipotente e autoritário, ajoelha-se e, em lágrimas, pede perdão a Deus pelo que havia feito ao Divino e seus “foliões”.

O Sr. Joaquim dos Santos, vilavelhense, homem bom, simples e piedoso, era incapaz de maltratar um inseto e, até pelo contrário, protegia-os. Se, por acaso viesse a cavalo e visse um besouro ou outro inseto qualquer, ariscando a ser pisado ou maltratado, descia da montaria, apanhava o inseto e colocava-o num galhinho de mato, em lugar seguro.

Quando morreu, seu corpo ficou completamente coberto de bichinhos verdes que, numa forma de agradecimento, prestavam aquela última homenagem ao seu protetor. 

 

Fonte: Vila Velha de Outrora, 1990
Autora: Maria da Glória de Freitas Duarte
Compilação: Walter de Aguiar Filho, dezembro/2013 

Folclore e Lendas Capixabas

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Festejos de Vila Velha - Por Edward Alcântara

Lembro da “Lapinha” de origem pernambucana, aqui introduzida nos fins do século XIX pelo Desembargador Antonio Ferreira Coelho, grande incentivador dos festejos canela verde de então

Ver Artigo
São Benedito do Divino e de Reis – Por Seu Dedê

Atualmente, em Vila Velha, Leonardo Santos (Mestre Naio) e a Mônica Dantas, conseguiram restabelecer os festejos de São Benedito

Ver Artigo
Festas Juninas – Por Seu Dedê

Vila Velha comemorava as festas de Santo Antônio, São João e São Pedro, respectivamente nos dias 13, 24 e 29 de junho

Ver Artigo
A Festa Do Divino – Por Areobaldo Lellis Horta

Foi na povoação de Jacarandá, município de Viana, hoje Jabaeté, que vi pela primeira vez uma bandeira do Divino Espírito Santo

Ver Artigo
Os Santos Populares – Por Aerobaldo Lellis Horta

Santo Antônio, São João e São Pedro foram sempre considerados santos populares

Ver Artigo