Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Contos e Estórias - Por Maria da Glória de Freitas Duarte

Capa do Livro: Vila Velha de Outrora, 1990 - Autora: Maria da Glória de Freitas Duarte

Como muito bem se expressou o Dr. Aerobaldo Lelis, “povo sem tradições, não é povo, não devendo por isso mesmo existir. Si não cultuamos o nosso passado, si não realizamos neste sentindo uma obra de difusão através das gerações que se sucedem, jamais poderemos acompanhar de perto a marcha do progresso”.

Corroborando as palavras desse insigne capixaba, procuremos, na memória dos nossos avós, legar aos nossos netos e culto às nossas tradições.

Da Vila Velha do passado muito se tem o que contar. Dentre os inúmeros contos e estórias conhecidos das gerações passadas e quase sempre de fundo religioso, selecionamos os seguintes:

Em uma matinha que separava a Praia de Itapoã do centro da cidade havia uma árvore à qual deram o nome de “Árvore do Espírito Santo”. Contavam os antigos que um dia em que os “foliões” traziam o Divino, da Ponta da Fruta para esmolar em Vila Velha, cansados da viagem que faziam a pé, resolveram descansar e comer alguma coisa em Itapoã. Enquanto se alimentavam, apoiaram o Divino justamente na tal árvore que mais tarde receberia o Seu nome. Algum tempo depois, a cidade foi assolada por uma grande seca. Os rios quase desapareceram, as matas secaram e era grande a aflição do povo, vendo a miséria rondando seus lares. No meio de toda esta seca, a árvore que servira de descanso para o Divino Espírito Santo se conservou exuberante na sua verdura, e até florida, segundo palavras de pessoas idôneas que foram vê-la.

Contam também que um rico e poderoso fazendeiro, ao receber a visita do Divino, como sempre conduzido pelos Seus “foliões”, expulsou-os de sua fazenda, chamando-os de vadios e outros qualificativos semelhantes, e até desrespeitando também a pombinha que representa a Terceira Pessoa da SS. Trindade.

Nem bem o Divino tinha deixado as terras da fazenda, chega à casa do fazendeiro um escravo, apavorado, avisando que o canavial estava em chamas, bem como o paiol e outras dependências da fazenda.

O homem até então onipotente e autoritário, ajoelha-se e, em lágrimas, pede perdão a Deus pelo que havia feito ao Divino e seus “foliões”.

O Sr. Joaquim dos Santos, vilavelhense, homem bom, simples e piedoso, era incapaz de maltratar um inseto e, até pelo contrário, protegia-os. Se, por acaso viesse a cavalo e visse um besouro ou outro inseto qualquer, ariscando a ser pisado ou maltratado, descia da montaria, apanhava o inseto e colocava-o num galhinho de mato, em lugar seguro.

Quando morreu, seu corpo ficou completamente coberto de bichinhos verdes que, numa forma de agradecimento, prestavam aquela última homenagem ao seu protetor. 

 

Fonte: Vila Velha de Outrora, 1990
Autora: Maria da Glória de Freitas Duarte
Compilação: Walter de Aguiar Filho, dezembro/2013 

Folclore e Lendas Capixabas

Carta ao meu cumpade Almando Azevedo (Aribiri, Vila Velha)

Carta ao meu cumpade Almando Azevedo (Aribiri, Vila Velha)

Meu cumpade que sódade / que vontade de chora, quando me alembra das noiques / que ensaiemo no Celestiá, foi só pra toma amizadi / com o cumpade do Arraia

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Outras heranças culturais africanas

Muitos aspectos da herança cultural e da memória africana sobreviveram e chegaram aos tempos atuais, mesmo sob o domínio e o medo impostos pelos colonizadores

Ver Artigo
Complexo cultural da panela de barro

A cerâmica arqueológica encontrada no Estado do Espírito Santo está classificada em três tradições, cada uma representativa de uma cultura indígena distinta: A Uma, Tupiguarani e a Aratu

Ver Artigo
A arte de fazer panela de barro

As panelas de barro de Goiabeiras são feitas utilizando uma série de elementos naturais e artificiais (matéria-prima), e procedimentos técnicos específicos

Ver Artigo
Bandas de congo

A ilustração de Auguste-François BIARD, em Viagem à Província do Espírito Santo, 1858

Ver Artigo
Por que Peroás e Caramurus? - Por Areobaldo Lellis Horta

À garrida "oficialidade" ao passar a igreja da Misericórdia, onde está hoje o edifício da Assembléia, a guarda, postada à porta do Palácio, bradou "às armas" e o pequeno pelotão ali existente, formou, sob o comando de um sargento

Ver Artigo