Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Corredor Centro-Leste e os indutores do desenvolvimento

Corredor Centro-Leste

Depois do Corredor de Transportes Centro-Leste, os outros grandes indutores do desenvolvimento econômico do Espírito Santo são os seguintes, de acordo com o levantamento do Núcleo de Estudos e Pesquisas do Departamento de Economia da Ufes:

• O sistema de incentivos fiscais e financiamentos representado pelo Bandes, o Geres, o Funres e o Fundap. Entre 1990 e 1992, num período de aproximadamente 30 meses, o Banco de Desenvolvimento do Espírito Santo aprovou projetos que representam aplicações de 120 milhões de dólares no Estado. Os maiores são os da Andrade Gutierrez, Silocaf, Cajamar e CGA. O Funres investe 40 milhões de dólares por ano. Considerando a participação média de 25% dos incentivos fiscais, o Funres alavanca investimentos de 160 milhões de dólares por ano, de acordo com cálculo do economista Ricardo Santos, secretário executivo do Geres, órgão que controla o sistema de incentivos fiscais do Espírito Santo.

• Os pólos industriais da Suppin (Superintendência dos Projetos de Polarização Industrial), representados pelo Centro Industrial de Vitória - atualmente com cerca de 90 projetos implantados e 20 em implantação — e os nascentes distritos industriais de Colatina, Vila Velha, Cachoeiro de Itapemirim, Linhares e Cariacica.

• A projetada fábrica de celulose da CVRD, cuja localização pode ser o Norte do Estado, onde a empresa possui extensos eucaliptais.

• A expansão da fruticultura no Norte do Estado.

• A criação de um projeto turístico de gabarito internacional no litoral Sul, beneficiando o trecho Vila Velha, Guarapari, Piúma e Anchieta.

• A ampliação do centro financeiro de Vitória.

A grande base do Corredor

Um dos fatores fundamentais do sucesso do Corredor de Transportes Centro-Leste é a disposição da Companhia Vale do Rio Doce de abrir os 14 mil vagões da Estrada de Ferro Vitória a Minas a outras mercadorias que não sejam apenas o minério de ferro.

Desde que assumiu o controle da EFVM, em 1942, a Vale durante décadas pensou exclusivamente na carga chamada minério de ferro. Tanto para trazer como para levar outras mercadorias, a empresa nunca demonstrou grande empenho. A EFVM é uma ferrovia-modelo apesar de subir a serra com os vagões praticamente vazios.

A exploração do minério de ferro de melhor qualidade em Carajás, no Pará, está apressando o fim da mineração da Itabira, Minas. Dentro de 10 anos, talvez, terá deixado de ser interessante para a empresa continuar tirando minério de Minas, pelo menos no volume atual. E a EFVM?

 

Fonte: A Gazeta -  Documento Estado, 26/10/1992
Compilação: Walter de Aguiar Filho, março/2015



GALERIA:

📷
📷


Pesquisa

Facebook

Leia Mais

A História do Porto de Vitória

A cidade cresceu e passou a ter uma paisagem inédita: os grandes navios que “passeiam” na avenida.

Ver Artigo
A criação da Vale - Parte III (História da Vale)

A CVRD seria constituída como uma sociedade anônima, de economia mista, com capital inicial de 200 mil contos de réis. Sua diretoria seria composta por cinco membros: um presidente e dois diretores de nacionalidade brasileira e mais dois diretores norte-americanos

Ver Artigo
A criação da Vale - Parte I (História da Vale)

Em 1º de junho de 1942, o Brasil estava imerso em uma crise institucional que tinha como ponto central a decisão sobre a entrada do país na Segunda Guerra Mundial

Ver Artigo
A criação da Vale - Parte II (História da Vale)

Firmados em 3 de março de 1942 e tendo como signatários os governos do Brasil, da Inglaterra e dos Estados Unidos, os Acordos de Washington definiram as bases para a organização, no Brasil, de uma companhia de exportação de minério de ferro

Ver Artigo
Corredor de Transportes, impulso para crescer

Corredor de Transportes, Uma ferrovia, sete portos e uma esperança

Ver Artigo