Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Corredor Centro-Leste e os indutores do desenvolvimento

Corredor Centro-Leste

Depois do Corredor de Transportes Centro-Leste, os outros grandes indutores do desenvolvimento econômico do Espírito Santo são os seguintes, de acordo com o levantamento do Núcleo de Estudos e Pesquisas do Departamento de Economia da Ufes:

• O sistema de incentivos fiscais e financiamentos representado pelo Bandes, o Geres, o Funres e o Fundap. Entre 1990 e 1992, num período de aproximadamente 30 meses, o Banco de Desenvolvimento do Espírito Santo aprovou projetos que representam aplicações de 120 milhões de dólares no Estado. Os maiores são os da Andrade Gutierrez, Silocaf, Cajamar e CGA. O Funres investe 40 milhões de dólares por ano. Considerando a participação média de 25% dos incentivos fiscais, o Funres alavanca investimentos de 160 milhões de dólares por ano, de acordo com cálculo do economista Ricardo Santos, secretário executivo do Geres, órgão que controla o sistema de incentivos fiscais do Espírito Santo.

• Os pólos industriais da Suppin (Superintendência dos Projetos de Polarização Industrial), representados pelo Centro Industrial de Vitória - atualmente com cerca de 90 projetos implantados e 20 em implantação — e os nascentes distritos industriais de Colatina, Vila Velha, Cachoeiro de Itapemirim, Linhares e Cariacica.

• A projetada fábrica de celulose da CVRD, cuja localização pode ser o Norte do Estado, onde a empresa possui extensos eucaliptais.

• A expansão da fruticultura no Norte do Estado.

• A criação de um projeto turístico de gabarito internacional no litoral Sul, beneficiando o trecho Vila Velha, Guarapari, Piúma e Anchieta.

• A ampliação do centro financeiro de Vitória.

A grande base do Corredor

Um dos fatores fundamentais do sucesso do Corredor de Transportes Centro-Leste é a disposição da Companhia Vale do Rio Doce de abrir os 14 mil vagões da Estrada de Ferro Vitória a Minas a outras mercadorias que não sejam apenas o minério de ferro.

Desde que assumiu o controle da EFVM, em 1942, a Vale durante décadas pensou exclusivamente na carga chamada minério de ferro. Tanto para trazer como para levar outras mercadorias, a empresa nunca demonstrou grande empenho. A EFVM é uma ferrovia-modelo apesar de subir a serra com os vagões praticamente vazios.

A exploração do minério de ferro de melhor qualidade em Carajás, no Pará, está apressando o fim da mineração da Itabira, Minas. Dentro de 10 anos, talvez, terá deixado de ser interessante para a empresa continuar tirando minério de Minas, pelo menos no volume atual. E a EFVM?

 

Fonte: A Gazeta -  Documento Estado, 26/10/1992
Compilação: Walter de Aguiar Filho, março/2015



GALERIA:

📷
📷


Portos do ES

Eliezer Batista - VALE (Tradução para o inglês)

Eliezer Batista - VALE (Tradução para o inglês)

Empreendedor, visionário, pragmático, teórico, lugares comuns de sua trajetória de sucesso. Porém, uma coisa é certa. Eliezer Batista é um homem à frente de seu tempo

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Prático: atividade tem momentos de perigo

Os práticos escalados para atuar são acionados pelo Centro de Coordenação de Operações e chegam até os navios conduzidos pelas lanchas de apoio

Ver Artigo
Cais do Avião

Projetado pelo arquiteto Ricardo Antunes foi construído em 1939, no bairro Santo Antônio, o hidroporto que ficou popularmente conhecido em Vitória como "Cais do Avião"

Ver Artigo
Pequena suíte para Vitória-Porto em cinco movimentos

Quando Vasco Fernandes Coutinho desembarcou em vila velha no dia 23 de maio de 1535

Ver Artigo
A história moderna do Porto de Vitória

Os primeiros estudos sobre o porto de Vitória foram feitos pelo engenheiro norte-americano Milnor Roberts, em 1879

Ver Artigo
Construção do Porto de Vitória

Apesar da construção do porto ter sido iniciada em 1906, suas obras só foram definitivamente concluídas em 1940, com a inauguração do Cais Comercial

Ver Artigo