Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Costumes da nossa gente

As moças usavam o leque para se comunicar com os rapazes

Quando se queria conversar com alguém de modo que outras pessoas não entendessem, usava-se uma linguagem confusa. Havia várias delas. As mais comuns eram assim:

“Vopô cepê gópos tapá depê mipim? Ou então:
Vofaim cefaim gosfaim tafaim defaim mimfaim?”

E assim conversava-se o que se queria que outros não percebessem.

Vila Velha tinha seus vários costumes bem interessantes que hoje são recordados com ternura por aqueles que os usavam. Qual a pessoa antiga de Vila Velha que não se recorda com saudade dos casamentos em que o cortejo nupcial com noivos, pais, padrinhos e convidados, desfilavam pelas ruas, a pé, até a igreja, onde o padre os esperava? Os noivos mais abastados, o que era raro, armavam um altar em casa e o casamento se realizava sem a beleza e a graça do desfile.

Era hábito nas famílias de menores recursos curar as doenças sem recorrerem ao médico. Usavam os remédios caseiros como: chá de erva cidreira, para curar dor de barriga; chá de quebra pedra, para os rins, chá de flor se sabugueiro, para “sair” sarampo, etc...

Os mortos eram levados para o cemitério em redes.

Na quinta-feira Santa os garotos costumavam fazer uma caveira de mamão verde, furando-lhe os olhos, rasgando-lhe a boca e colocando uma vela acesa dentro. Enrolavam-se num lençol e saíam à noite gritando: “Bão... bão...bão... pega ele. Bão... bão...bão... lá vai a morte com seu capote...”

Outro costume bem usado pelos jovens quando queriam se comunicar com suas “giriobas” como chamavam as namoradas, era o uso do “Dicionário das Flores”. Os pais antigos não deixavam suas filhas “fazerem tijolo”, isto é, namorarem. Então os “mancebos” recorriam às cartas, cujos modelos encontravam-se em livros próprios, a às flores, cada qual com seu significado:

Perpétua – constância eterna.
Amor-Perfeito – quero-te muito.
Flor de Sabugueiro – último recurso.
Alecrim – tristeza.
Resedá – teus encantos me encantam.
Rosa – castidade.
Girassol – obediência.
Violeta – humildade.
Sempre-viva amarela – hei de amar-te até morrer.
Sempre-viva roxa – bem querer, etc...

E para toda necessidade de comunicação encontravam uma flor que substituísse as palavras. Se hoje, o amor entre os jovens, com tanta liberdade e facilidade, ainda é a coisa mais bela do mundo, pensemos naqueles tempos com tantas dificuldades e apreensões, como isto não tornava o amor ainda mais sublime!...

As moças, além das flores, enviavam suas mensagens através do leque:

O leque encostado nos olhos – vou dormir.
Caindo no colo – namoro acabado.
Mordendo o leque – ciúmes.
Abrindo e fechando – convite para passeio.
Batendo na mão – espere carta.
Abanando de encontro ao coração – você é meu.

As cantigas de ninar usadas pelas pretas velhas embalando carinhosamente seu “sinhozinho”, e pelas mamães que as transmitiam às filhas, através das gerações, também constituem um bem inestimável para a nossa sensibilidade:

“Acordei de madrugada.
Fui varrer a Conceição,
Encontrei Nossa Senhora
Com um raminho na mão.

Pedi um raminho,
Ela me disse que não,
Tornei a pedir,
Ela me deu seu cordão.”

Costumes, usanças e divertimentos singelos, ingênuos, afetivos, que ficaram no passado superados pelo modernismo prático e materialista.

 

Livro: Vila Velha de Outrora, Vitória, 1990
Autora: Maria da Glória de Freitas Duarte
Compilação: Walter de Aguiar Filho, dezembro/2013

Matérias Especiais

Coronel Bimbim

Coronel Bimbim

Com força arrasadora, o coronelismo imperou na política capixaba durante grande parte do século passado, deixando marcas profundas em nossa história. Alguns coronéis, no exercício do mandonismo local, gostavam de fazer justiça com as próprias mãos – eram implacáveis e impiedosos em suas ações punitivas

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

A santa da Praia é Rita - Sandra Aguiar

A comunidade contou logo com uma paróquia, a Santa Rita, cuja primeira sede data de 1935

Ver Artigo
A Cidade em outros tempos

Bondes, lanchas, manguezais e catraeiros nos remetem há uma época que creio não retornará. Vou citar alguns fatos e nomes de alguns personagens

Ver Artigo
Mercados e Feiras

Entreposto de vida nas cidades. Os mercados e feiras fazem a ligação, do campo para a cidade, do pão nosso de cada dia. É onde a cidade vai buscar o seu alimento...

Ver Artigo
Vitória da Bossa

O mundo inteiro sabe que o nascimento da Bossa Nova se deu na Zona Sul do Rio, mas poucos se dão conta de que Vitória exerceu papel de coadjuvante na criação do movimento

Ver Artigo
A lenda do judeu pescador

O judeu, natural do Algarve, era católico, e atribuía a sua boa sorte à devoção de São Tiago e Santa Marta, cujas imagens mantinha num oratório

Ver Artigo