Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Curiosidades de Colatina

Fonte da Foto: Site Cultura Colatina

Primórdios: A fundação de Colatina data de 1833. As primeiras povoações foram no Arraial da Barra do Santa Maria, hoje bairro Colatina Velha, onde surgiu a área urbana, Mutum de Boapaba e ainda Barracão de Baunilha. Os imigrantes eram italianos em sua maioria.

História: Em 1857, com a chegada de Nicolau Rodrigues dos Santos França Leite, foi criada a colônia de Francilvânia, ma margem esquerda do Rio Doce. Mas, devido aos constantes ataques dos índios botocudos, muitas colônias só se desenvolveram a partir do último decênio do século dezenove.

Indígenas: Em 9 de dezembro de 1899, Colatina virou sede do distrito. Naquela época a região pertencia a Linhares. Os índios do grupo Botocudo, nação Gê ou Tapuia, primeiros donos da terra, resistiam a qualquer tentativa de colonização branca naquela área. Vários combates foram travados na região, até que, devido à superioridade das armas de que dispunham os homens brancos, a população indígena local foi praticamente dizimada.

Mata Atlântica: Naquela época toda área da região era coberta pela Mata Atlântica. Aos poucos, a vegetação nativa foi dando lugar a povoamentos, pastoreio e agricultura. No decorrer de um século, uma grande área foi devastada. No Século XX, a extração de madeira também castigou bastante a vegetação nativa da região.

Destaque: Com a instalação, em 1906, da Estrada de Ferro Vitória a Minas, o município assumiu importante posição econômica, superando Linhares, cuja posição geográfica não mais correspondia às exigências do Governo.

Imigrantes: Como a maioria das cidades brasileiras, os aspectos sócio-econômicos e culturais de Colatina se formaram a partir da imigração de europeus. No final do século dezenove e início do século vinte, italianos e alemães chegaram à cidade para morar e trabalhar. Com a introdução da agricultura e pecuária, a cidade se tornou sustentável. O crescimento gerado proporcionou sua emancipação em 1921.

Campanha: Em 26 de maio de 1916, o coronel Alexandre Calmon e o médico Pinheiro Júnior compuseram uma chapa e foram derrotados por Bernardo Monteiro, na disputa pela presidência do Estado. Chefiaram então um movimento revolucionário, em que proclamavam Colatina a nova capital do Espírito Santo, instalando o governo em Colatina.

Desenvolvimento: Em 1928 iniciou-se o desenvolvimento urbano, com as cosntruções do Hospital Sílvio Avidos, a Ponte Florentiino Avidos e a estrada de ferro. Na década de 50, Colatina começa a colher resultados significativos ao se tornar o maior produtor mundial de café. O processo de industrialização teve início nos anos 70 e colocou a cidade no rol das maiores economias do Estado.

Trem: Desde 1975 os trilhos da estrada de ferro não fazem parte da paisagem do centro da cidade, mas sim uma avenida repleta de árvores. A ponte Florentino Avidos continua ocupando lugar de destaque nos cenários local e estadual.

 

Fonte: A Gazeta (22/08/2007)



GALERIA:

📷
📷


Curiosidades

Baixo de Pargos

Baixo de Pargos

O rico pesqueiro dos baixios espírito-santenses tornou-se muito conhecido desde antanho. Ele é assinalado nos velhos documentos em pergaminho, como ocorreu no mapa do “Atlas de Miller”

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Pedra da Onça - Por Seu Dedê

Localizada à margem esquerda do canal da Costa, braço sul. De frente ao Shopping Praia da Costa 

Ver Artigo
Barra do Jucu – Por Seu Dedê

No ano de 1886, administrada pelo doutor Antônio Athayde, foram feitos os reparos, sendo a obra dividida em três lances unidos por um aterro

Ver Artigo
As Modas – Por Areobaldo Lellis Horta

Casando-se, a moça modificava logo sua toalete, passando a usar, em vez de blusinhas soltas ou vestidos inteiros

Ver Artigo
Clubes e Danças – Por Areobaldo Lellis Horta

De todos foi o "Boêmios" o de maior duração, desaparecendo após a fundação do Clube Vitória

Ver Artigo
O Circo em Vila Velha no tempo do Seu Dedê

Os circos eram montados no largo destinado à Praça Duque de Caxias 

Ver Artigo