Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

De 1960 a 1967 – Estudos e projetos de água para o ES

Tomada de água (tulipa) de Duas Bocas

Atuação do Departamento de Água e Esgoto (DAE)

Em 1962, o diretor do DAE, Jonas Hortélio da Silva Filho, publicou um relatório definindo as obras necessárias para a solução definitiva do abastecimento de água de Vitória, Cariacica e Vila Velha. Já sinalizava que o manancial a ser aproveitado deveria ser os rios Jucu e o Duas Bocas. A vazão esperada com a captação do Rio Jucu era de 1,23 metros cúbicos por segundo. O DNOS forneceu o valor de 10,8 metros cúbicos por segundo como vazão mínima do Jucu. Quanto ao manancial de Duas Bocas, estimava-se captar 400 litros por segundo, de acordo com os estudos hidrológicos. A vazão esperada desses dois mananciais, somando 142.600 metros cúbicos por dia (1,63 metros cúbicos por segundo), superava a demanda necessária da população estimada em 129 mil metros cúbicos por dia (1,49 por segundo), considerando um consumo per capta de 330 litros diários, e um coeficiente de 1,25 para o dia de maior consumo.

Quanto ao Rio Santa Maria, Jonas Hortélio previu o futuro aproveitamento em função do crescimento populacional ou consumo industrial de monta, por meio de obras de captação próximas à localidade de Capitania, longe da influência da maré. A água seria recalcada por uma adutora de 1.000 mm de diâmetro e comprimento aproximado de 19 km até a ETA de Cobi.

Como se observa hoje, a previsão do engenheiro Jonas Hortélio de utilizar o Duas Bocas e, na sequência, os rios Jucu e o Santa Maria, estava correta. Com o Jucu, aconteceu a captação em 1977 e, com o Santa Maria, em 1983. A única diferença é que o Santa Maria da Vitória alimentou a Estação de Tratamento em Carapina (na Serra) e não a ETA de Cobi (em Vila Velha).

Quanto às obras imediatas, o engenheiro previu: captação no Jucu no início da Vala Neves, onde não mais se fazia sentir a influência da cunha salina; canal adutor destinado a levar água ao poço de sucção na Casa de Bombas; Casa de Bombas com quatro conjuntos de motobombas centrífugas e uma de reserva, tendo cada uma 600 HP, e recalcando 300 litros por segundo cada, com altura manométrica de 100 mca (metro de coluna de água); adutora até a ETA de Cobi com dois trechos, sendo o primeiro com recalque até um reservatório intermediário e, o segundo, por gravidade daquele ponto intermediário até a referida ETA; ampliação da ETA de Cobi com mais dois decantadores e mais oito filtros; construção de reservatórios em Vila Velha, Paul, Cobilândia, Jardim América, Santo Antônio e Praia Comprida; ampliação do reservatório inferior de Santa Clara assentado na cota de 45 metros; reforma das redes de distribuição da Zona Norte, Centro, Vila Velha, Ataíde, Glória, Paul e Jardim América; construção de nova barragem em concreto ciclópico no manancial de Duas Bocas a jusante da barragem existente; construção de uma nova adutora de 800 mm em ferro fundido, ligando a nova barragem de Duas Bocas à ETA de Cobi.

Sobre Duas Bocas, informação importante foi feita pelo engenheiro Elmo Luiz Campo Dall’ Orto, primeiro ex-conselheiro do DAE e ex-diretor do DNOS:

“Em 1960, ocorreu uma grande e excepcional enchente no mês de março, ocasião em que o nível da barragem de Duas Bocas estava subindo rápido e assustadoramente. Numa atitude corajosa, o engenheiro Jonas Hortélio, então diretor do DAE, autorizou a execução da abertura emergencial de um grande orifício (buraco) na parte lateral da tulipa e mais abaixo do vertedouro para que a água extravasasse em uma cota abaixo do vertedouro (sangradouro), pois a descarga de fundo não conseguia esgotar a vazão afluente e a subida do nível da água na barragem ameaçava o rompimento da mesma. A abertura foi feita com explosivos (dinamites) colocados na parede da tulipa voltada para o reservatório. Para fazer esse trabalho, estavam presentes Jonas Hortélio, Elmo Luiz Campo Dall’ Orto, e um técnico do Exército, especialista em dinamite. Nesse enorme rombo feito na parede, a água passou a verter.”

O engenheiro Helder Faria Varejão, ex-empregado e ex-diretor técnico da Cesan, relatou:

”Em 1969, por ocasião de uma grande enchente, estava ocorrendo o rompimento da barragem próximo ao centro da mesma. Naquela ocasião contou com a ajuda do DER, por meio do Sr. José Carlos Pereira Neto, que auxiliou nas intervenções de emergências com a utilização de máquinas para fechar a abertura que ameaçava romper a barragem. Foram lançados além de terras, bagaços de cana, bananeiras, vegetação, enfim, tudo que era possível. Posteriormente, o engenheiro Benedito Andrade aumentou a abertura do buraco para dar maior vazão nas enchentes. Também rebaixou e retificou a base do buraco em forma de um vertedor.”

Nas fotos é possível ver essa modificação no buraco.

A cota do vertedor original do projeto, no nível máximo, era de 190,50 metros. Após a abertura do orifício extravasor, passou a verter a água na cota de 184,43 metros na sua borda inferior, portanto, com um rebaixamento de 6,07 metros. A cota mínima de chegada à ETA era de 180,44 metros. Na cota de 184,43 (orifício), o volume armazenado que é condicionado pelo orifício extravasor tinha 1.929.500 metros cúbicos. Na cota de 190,50 metros (nível original da tulipa), o volume armazenado era de 5.285.272 metros cúbicos. Da cota do vertedor original de 190,50 até a cota de 172,30 metros do fundo da tulipa, o desnível foi de 18,20 metros. Na tulipa, existem mais aberturas feitas no concreto de dimensões menores e que, provavelmente, foram feitas com ferramentas manuais.

Barragem de Duas Bocas – Cotas dos níveis da tulipa e da chegada à ETA:

 

(Ver fotos do Projeto da Barragem de Duas Bocas abaixo do texto)*


Realizações do DAE e convênio com o DNOS

Mesmo com as obras emergenciais da nova captação no Rio Marinho e na Estação de Tratamento de Cobi, a linha adutora de 20 polegadas para o suprimento de água entre o continente e a ilha de Vitória continuava a mesma de 1936. Essa situação perdurou até 1963, quando se planejou construir uma rede adutora de 24 polegadas (600 mm), partindo da Estação de Tratamento de Cobi até a Praia Comprida.

Em 1964, a linha de recalque no trecho horizontal de 800 mm em aço, com apenas oito anos entre a elevatória no Rio Marinho e a Estação de Tratamento, começava a ser substituída, já que tinha sido instalada em terreno alagadiço e com características ácidas. A troca foi por duas redes de ferro fundido no diâmetro de 600 mm cada, assentadas num dique de argila compactada. Utilizou-se parte do material da adutora da Praia Comprida.

O convênio do DAE com o DNOS (final de 1963) para solucionar os problemas teve redução no ritmo de trabalho das adutoras de 600 mm da Praia Comprida e de 400 mm, de Vila Velha, por causa do plano de economia e contenção de despesas do Governo Federal e, também, por problemas financeiros do DAE.

Outras obras estavam em andamento pelo DAE:

- Recuperação da Estação Elevatória do Rio Marinho, com assentamento de dois conjuntos motobombas de 300 HP cada.

- Restauração da Estação de Tratamento do Alto de Cobi, com recuperação dos quatro filtros existentes.

- Construção da oficina eletromecânica para execução de todos os serviços.

- Aquisição de oficina completa de mecânica e de recuperação de motores elétricos. Os serviços que anteriormente eram feitos por terceiros, passaram a ser realizados com mão de obra própria.

- Assentamento da subadutora de 14 polegadas de ferro fundido para Jardim América e Paul, com extensão de 760 metros.

- Construção da subadutora da Praia da Costa de 8 polegadas, com 2.500 metros de extensão.

- Construção da rede de Santa Clara-São Francisco, de 8 polegadas em ferro fundido e extensão de 650 metros.

1964 – Relatório da Sondotécnica Engenharia de Solos para o DNOS

Em 1964, a Sondotécnica elaborou para o DNOS um relatório preliminar sobre captação provisória da água do Rio Jucu. Esse documento contém a concepção do conjunto de obras a serem projetadas sobre o Rio Jucu e a Vala Neves, com a finalidade de melhorar as condições de abastecimento de água de Vitória. O relatório continha basicamente o seguinte:

“O abastecimento d’água proveniente dos mananciais de Duas Bocas e pelo canal Marinho esteve a ponto de entrar em colapso. O canal Marinho é alimentado pelo Rio Jucu, através da Vala Neves aos quais se misturam as águas do Rio Formate. Cerca de 70% do abastecimento é feito através desse manancial, cujas águas são bombeadas para a estação de tratamento. Problemas de escassez de águas do Jucu, infiltração da água salgada através dos difusores laterais ao canal e excesso da poluição do Rio Formate, agravado pela maior concentração de indústrias na época de estiagem, levaram o DNOS a tomar providências imediatas tendentes a corrigir, pelo menos provisoriamente, esta situação calamitosa.”

As ideias gerais que nortearam as obras projetadas foram:

Na Vala Neves

Aumento da capacidade de adução da Vala em época de estiagem mediante a construção de uma barragem de laminação a jusante da sua entrada, elevando o N. A. do Jucu até a cota adequada.

No Rio Formate

Construção de uma pequena barragem-vertedor no curso do Rio Formate, com 3 a 4 metros de altura, deixando uma abertura no corpo da barragem para passagem do Rio Formate. Dessa maneira, isolavando esses dois mananciais, evitava-se o problema de poluição das águas devido, em grande parte, ao Rio Formate.

No Canal Marinho

Construção de uma obra adequada a jusante da Casa de Bombas, elevando o N. A. atual do canal em torno de 0,50 metros acima do piso atual da Casa de Bombas e conservando esse nível de forma constante. Isso implica no levantamento do piso das bombas e dos geradores em 0,50 metros acima do nível. Em consequência, o fluxo de infiltração se dá de dentro para fora do canal, evitando, assim, o problema da salinização de água provocada pela maré.

Cabe registrar que Robson Sarmento ingressou no DAE, em 1966, e permaneceu na Cesan até 1971. Mais tarde, em 1999, tornou-se presidente da empresa.

 

Fonte:  Das Fontes e Chafarizes às Águas Limpas – Evolução do Saneamento no Espírito Santo – Cesan, 2012
Autor: Celso Luiz Caus
Compilação: Walter de Aguiar Filho, janeiro/2019



GALERIA:

📷
📷


História do ES

Ano de 1870 – Por Basílio Daemon

Ano de 1870 – Por Basílio Daemon

Em 1870 o governo geral, por aviso de 23 de abril deste ano, mandado construir um farol na barra desta capital a bem de servir aos navegantes

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Palavras que vieram da África

A influência do negro na nossa cultura foi bastante expressiva. Os hábitos e costumes africanos penetraram no nosso cotidiano

Ver Artigo
Epidemias e Ameaças - Por Serafim Derenzi

Os franceses, que ameaçaram a costa em 1551, voltaram em 1558 ao Porto de Vitória, onde dormiram 

Ver Artigo
A febre amarela no Espírito Santo em 1850

A Providência Divina vela certamente sobre a população desta Província que, sem o seu auxílio, estaria hoje extinta por falta de recursos da medicina

Ver Artigo
Varíola, cólera, fome em meados do Século XIX no ES

Já em fevereiro de 1855, um ofício do barão de Itapemirim falava em mais de mil vítimas 

Ver Artigo
Porto de Cachoeiro foi marco de crescimento

“Mas o transporte fluvial era tão importante, que a sede da colônia veio para o porto das embarcações, o Porto de Cachoeiro, que hoje é Santa Leopoldina”

Ver Artigo