Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

De como o Padre Anchieta continuou a conversão dos índios

Anchieta e o índio Diogo

O Irmão José tirado do cativeiro tornou a continuar na conversão dos gentios e na doutrinação dos já convertidos. Era muito amado pelos Índios pela sua brandura com que procurava o bem de suas almas. Era muita a sua caridade para com eles ou curando-os em suas enfermidades ainda que fossem muito nojentas e asquerosas. Uma vez tomou um Índio pagão para o curar de uma lepra, e fazendo-o cristão o curou da lepra da alma e do corpo. Não se negava para lhes acudir, nem de dia nem de noite, nem recusava caminhos por ásperos e compridos que fossem, nem chuvas, nem calmarias, nem fome nem outros perigos que a cada passo se ofereciam.

Seu caminho era a pé e descalço por praias, montes e vales. Esse jeito não mudou nem quando feito Provincial, visitava as aldeias dos Índios.

A cada passo achava encontros de almas, que parece não esperavam mais que por ele, ou para o batismo ou para a confissão, e daí a pouco se iam para Deus. Muitas vezes ia com um Padre por uma praia e, quase movido por outrem, se desviava do caminho para o mato e dava com um índio doente em algumas choupana e sabida sua necessidade vinha com muita alegria chamar o Padre para o batizar. Nisso, muitas vezes se viu clara a Providência de Deus para com todos e em especial para seus escolhidos, acudindo- lhes em tais tempos com remédios, tão pouco esperados.

Um vez, cansado, quer o Padre, quer ele, das muitas confissões que tinham feito - sendo ele intérprete - se foram à praia que estava perto, a tomar um pouco de alento e descanso. Acharam nela um índio de cento e trinta anos, falou-lhe o Irmão das coisas de Deus das quais nenhum conhecimento tinha, recebeu muita consolação e mandou chamar seus filhos e netos - e tinha muitos - que ouvissem também aquelas coisas e ajudassem a apreendê-las. Não dormia de noite o bom velho com o gosto e cuidado que tinha ouvindo, e mostrava grande sentimento de seus antepassados carecerem de tanto bem. Finalmente depois de bem instruído por alguns dias foi batizado na igreja, da qual não se queria ir para a casa, se não ir logo daí para o Céu. Mas pouco tempo lhe dilatou N. Senhor estes desejos levando-o para si como desejava.

Tratando uma vez na salvação dos negros, disse que folgaria de morrer atolado num lameiro para acudir à sua salvação.

Nisto mesmo continuou e com mais fervor e zelo, depois que foi ordenado, que foi no ano de 1565, quando já de por si podia dar remédio. Oh! quantas vezes o vimos sentados sobre um tição [tôco] pegado com a rede do índio doente - às vezes de doenças que podiam causar horror - consolando-o e esforçando-se com não menos afeto e brandura, do que uma mãe pode ter em tal tempo com um filho que muito ama! E verdadeiramente parece que assim como seu gosto em vida foi tratar com os Índios e empregar-se todo em seu remédio, assim Deus lhe quis dar por última consolação que morresse entre eles, com o adiante se dirá.

Como temos dito, não somente procurava a salvação dos Índios, mas como bom filho e bom discípulo do Pe. Nóbrega, por todos os modos defendia sua liberdade. E em pregações e prática repreendia e estranhava os maus tratamentos que os Portugueses lhes faziam. Querendo uns homens em São Vicente fazer uma entrada aos Carijós, fizeram prestes [prepararam ] dois navios. Acudiu o Pe. José e publicamente os repreendeu aquela ida pelas muitas injustiças que contra os pobres Índios se haviam de cometer; mas eles foram por diante com a sua determinação. O capitão de um dos navios sonhou uma noite sobre um mar que caía de um rochedo abaixo, e que Pe. José lhe pegara pelo cabeção e o livrara, repreendendo-o do caminho que levava. Acordando pela manhã, mandou virar a proa e tornou-se para sua casa. O outro quis continuar sua viagem, mas ele e toda a gente se perdeu.

 

Fonte: Anchieta: um santo desconhecido? – 2014
Organização: Padre Illário Govoni
Compilação: Walter de Aguiar Filho, fevereiro/2020
Onde comprar o livro: Santuário de Anchieta, Anchieta/ES ou Marques Editora, Belém-PA

Religiosos do ES

Educação Jesuítica no Espírito Santo

Educação Jesuítica no Espírito Santo

Essas manifestações mostram que a escassez de artífices e oficiais obrigava os jesuítas a se tornarem também mestres de ofícios, ensejando a que formassem numerosos discípulos nas artes de tecelagem, da carpintaria, da ferraria ou da sapataria

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

De como Anchieta foi ao sertão em busca de uns homens alevantados (revoltados)

Andou este índio muito tempo debaixo da água, e não o achando se veio para cima a tomar fôlego e a descansar

Ver Artigo
De como Anchieta foi feito Provincial

Padre Geral Everardo Mercuriano nomeou-o Provincial 

Ver Artigo
De como o Padre Anchieta continuou a conversão dos índios

Era muito amado pelos Índios pela sua brandura com que procurava o bem de suas almas

Ver Artigo
Do fruto que Nosso Senhor tirou do seu cativeiro

A primeira foi de um menino que, por não ser legítimo, uma velha sua avó o enterrou vivo

Ver Artigo
De como Anchieta leu (ensinou) latim

Obreiros que trabalhariam nesta grande vinha do Senhor, da conversão dos naturais da terra

Ver Artigo