Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Deny Gomes

Capa do Livro Escritores e Escritoras do Espírito Santo, 2008

Deny Pacheco Gomes nasceu em São Luís - MA, em 1938. Desde a infância viveu no Espírito Santo, em Vitória, cidade que considera como sua terra natal. Licenciada em Letras Neolatinas, pela PUC/RJ (1959), foi professora titular de Teoria da Literatura, na UFES, por mais de vinte anos.

Acredita que sua vocação para Literatura foi intensamente motivada pelo exemplo de seu pai, Josaphat dos Santos Gomes, professor, advogado e poeta inédito. Já o senso prático para as coisas da vida, deu-lhe a mãe, Jacy Pacheco Gomes, mulher forte e corajosa que, como a mãe de Adélia Prado, "achava o estudo a coisa mais fina do mundo".

Em 1978, fez, no MAM do Rio de Janeiro, um laboratório de Criação Literária coordenado por Geir Campos e Antonio Torres, entre outros escritores, e, no ano seguinte, coordenou, juntamente com a Professora Maria da Graça Aziz Cretton, um curso semelhante na Faculdade de Letras da UFRJ.

Voltando a Vitória, implantou na UFES, em 1981, a Oficina Literária, atividade de extensão que, várias vezes, funcionou em espaços fora da universidade. O estímulo e a parceria com escritores iniciantes (ou até mais experientes), na oficina Lietrária, ampliam a dimensão de seu trabalho como educadora e profissional da Literatura.

Recebeu o Prêmio Luís de Camões, conferido "por sua inteligência e aplicação aos estudos", na disciplina Literatura Portuguesa, ministrada pelo Professor Guilherme Santos Neves, em 1958, na antiga Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da UFES; a Medalha de Honra, outorgada pela UFES, em 1987, pelos relevantes serviços prestados à instituição; a Ordem do Mérito Maria Ortiz e o Título de Cidadão Espírito Santense, concedidos pela Assembléia Legislativa do Espírito Santo, em 1996 e 1998, respectivamente. Foi Secretária Municipal de Cultura e Esporte da Prefeitura de Vitória, no período 1989/1990.

Publicou:

Poesia: Aimberê.(Co-autoria). Rio de Janeiro: s/ed., 1979. Traços do ofício: textos de Oficina Literária. (Co-autoria). Vitória: Fundação Ceciliano Abel de Almeida, 1983. No meio do caminho tem um poeta. (Co-autoria). Vitória: UFES, 1987. O desejo aprosionado. Vitória: Fundação Ceciliano Abel de Almeida, 1994; Daqui mesmo: 34 poetas. Vitória: Rede gazeta de Comunicações. Suplemento especial do jornal A Gazeta, 1995. Revelação do olhar feminino. Vitória: Secretaria Municiapl de Cultura, 1998. I Varal de Poesia da Estação 1ª de Manguinhos. (Co-autoria). Manguinhos (ES): Vagão Espaço Arte, 1999. Crítica Literária: Presençade Camões na Literatura de Cordel. Revistade Cultura da UFES. Vitória: Fundação Ceciliano Abel de Almeida, 1980. Oficina Literária: tempo e espaço para a criação. Anais do I Congresso Internacional de Letras da UFRJ. Rio de janeiro: UFRJ/ Faculdade de Letras, 1989. Sueli sob o signo da ambiguidade. Cadernos de Cultura, nº 2. Vitória SPDC/ UFES, 1993. Com a palavra, a mulher. Revsita Você. Vitória: SPDC/UFES, (3): 26, 1994. O mofo no pão, e o queijo e os vermes: uma série de estranhas coincidências. Revista Você. Vitória: SPDC/ UFES, (4): 31, 1995. O mofo no pão, O queijo e os vermes, O nome da rosa: dúvidas e evidências em um complicado processo: Revista Você. Vitória: SPDC/UFES, (4): 32,1995. Os medonhos insucessos do Vilarejo e outras histórias. Revista Você. Vitória: SPDC/UFES, (4): 33, 1995. Amylton de Almeida entre o romance e o cinema. Signos em Interação. Vitória: UFES, 1996. A múltiplas presença: vida e obra de Amylton de Almeida. (Org.). Vitória: Prefeitura Municipal, 1996. De folhas versadas: vida e obra de Roberto Almada. Vitória: Secretaria Municipal de Cultura, 1998. Júbilo e agonia: vida e obra de Amylton de Almeida. Vitória: Secretaria Municipal de Cultura,1999. De feira, poeta e musa. Escritos de Vitória. Vitória: Secretaria Municipal de Cultura, nº 15, 1997. Dentre outras.
 

 

Livro: Dicionário Escritores e Escritoras do Espírito Santo, de Francisco Aurélio Ribeiro e Thelma Maria Azevedo.

Personalidades Capixabas

Ceciliano Abel de Almeida na entrevista lírica de um sonho

Ceciliano Abel de Almeida na entrevista lírica de um sonho

Visitei-o outro dia, no comando dessa operação grandiosa, e o conheci, de longe, com o mesmo chapéu que usou a vida toda lá na Terra 

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Doutor Lucilo, o Rei da Praia do Suá

Entre os anos cinqüenta e sessenta, duvido que existisse alguém em Vitória que vivesse a vida mais intensamente do que ele

Ver Artigo
O Centro de Vitória e sua revitalização - Por Gabriel Bittencourt

Muito do patrimônio histórico-arquitetônico, de que vale a pena preservar para a memória capixaba, localiza-se no Centro de Vitória

Ver Artigo
Surge ao longe a estrela prometida – Jerônimo Monteiro

No Campinho, brejo e mangue, o quartel de Polícia mostrava-se imponente

Ver Artigo
Carlos Fernando Monteiro Lindenberg (Nêni) e os Monteiro

Nêni recebeu da avó Riqueta, em 1919, uma função: “fazer o levantamento da escrita” da Fazenda Monte Líbano

Ver Artigo
Jerônimo Monteiro - Capítulo III

Nasceu Jerônimo a 4 de junho de 1870, na casa-grande inaugurada em 1869, no batizado de Helena

Ver Artigo