Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Dia-a-dia no Bonde - Por José Anchieta de Setúbal

Bonde Ponte de Ataíde

Mulher não viajava nos estribos do bonde. Se o veículo estivesse lotado e não houvesse lugar para ela sentar, quase sempre alguém se levantava, comportamento muito próprio da época. Caso isso não acontecesse, viajava em pé, entre os bancos.

A passagem do bonde custava, por pessoa, quatrocentos réis. A metade do percurso até Aribiri, em ambos os sentidos, custava duzentos réis. No reboque, considerada condução de segunda classe, pagava-se metade desses valores. Os estudantes gozavam, nas passagens, de um desconto de cinqüenta por cento controlados pela Companhia Central Brasileira de Força Elétrica com fornecimento de carteiras de passes destinadas a durar exatamente o período escolar de um mês. Para que esses passes fossem renovados, mensalmente o educandário dava o visto nas carteiras prestes a expirar, comprovando que os seus portadores realmente eram estudantes em atividade escolar.

Tripulantes e passageiros, pelos encontros constantes no vai-vém das viagens, acabavam se familiarizando uns com os outros. Da nossa parte gravamos os nomes e as imagens de alguns desses profissionais. Como condutores: João de Jaburuna, Maurício, Floriano – apelidado de Beija-Flor – e João Cabeção. Como motorneiro lembramos Alarico, residente em Aribiri e conhecido por ser um nordestino muito falante e também pelas suas meias-paradas dos bondes, favorecendo o embarque e desembarque de passageiros fora do ponto. O seu Hermínio, um fiscal sempre atencioso para com a clientela, retinha o veículo sob a sua responsabilidade se alguém mais distante necessitasse pegá-lo.

Se uns são lembrados pelos seus favores, outros marcaram ponto em sentido contrário. Nesse rol incluímos a figura pouco simpática, pelo menos para nós quando estudante, de um fiscal cujo nome não nos ocorre. Sabemos que tinha uma das vistas vazada e por isso, pejorativamente, era conhecido como Galo Cego. Entretanto, ninguém ousava chamá-lo pelo apelido, muito mais por respeito que por medo.

 

Fonte: Ecos de Vila Velha, ano 2001
Autor: José Anchieta de Setúbal
Compilação: Walter de Aguiar Filho, dezembro/2010 

Bonde

Bonde em Vila Velha e Vitória

Bonde em Vila Velha e Vitória

Eram dois bondes – um saía de Paul, o outro de Vila Velha. O cruzamento entre eles se dava na estação de Aribiri

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

O bonde que me coube

O "Caderno Dois" está me pedindo um depoimento sumário sobre a "época dos bondes" e, assustado, me vejo peça da memória da cidade...

Ver Artigo
Bonde em Vila Velha

12 de abril de 1912. Pequena multidão estava formada diante da estação (de Aribiri) em cuja plataforma dois bondes estacionavam

Ver Artigo