Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Dois planos urbanísticos de Vitória - Por Geet Banck (Parte I)

Tirinha retirada do livro

1. Introdução

 

Na última década, tem-se manifestado, nos estudos sobre cidades, uma tendência muito clara de interpretar o espaço urbano como um construto sociocultural. Basta citar alguns títulos: The cultural meaning of urban space (ROTENBERG; MCDONOGH, 1993), Urban symbolism (NAS, 1993), Imagining cities (WESTWOOD; WILLIAM, 1997), Imagining the modern city (DONALD, 1999), Understanding the city (EADE; MELE, 2002), Representing the city (KING, 1996). Recentemente, o famoso arquiteto e historiador Joseph Rykwert também enfatizou o caráter representacional da paisagem urbana:

“[...] no entanto a textura de uma cidade está sempre ao alcance tanto do morador como do visitante. Apreciada, vista, tocada, cheirada, penetrada, seja consciente ou inconscientemente, essa textura é uma representação tangível daquele algo intangível que é a sociedade que ali vive — e suas aspirações [...] Representação [...] sugere reflexão, intenção, até mesmo desígnio nesse contexto: um projeto. Já que uma cidade é sempre textura e imagem determinadas (por mais insatisfatórias que possamos considerá-las), não pode jamais ser inteiramente passiva e, devido à constante interação entre a sociedade e a textura urbana, não podemos fazer remendos nas cidades sem fazer alguns ajustes também na sociedade — ou vice-versa (RYKWERT, 2002, p. 6-7).”

Diante de todo esse esforço para imaginar e representar as cidades em geral, o que devemos imaginar sobre Vitória? E, mais especificamente, o que dizer sobre os projetos de que fala Rykwert? Claro que ele toma o conceito num sentido muito amplo. Quero aqui focalizar, porém, projetos estritamente técnicos — um de 1896, o Novo Arrabalde, e outro de 1986, relativo à urbanização de um aterro à beira do mar, adjacente ao bairro que surgiu como resultado do plano de 1896. Pretendo discutir-lhes a natureza representacional, ou seja, que ideias, visões ou objetivos políticos ou ideológicos estavam por trás desses projetos? Como veremos, a proximidade do mar é um dado pertinente nos dois projetos. Assim, focalizarei a análise nesse aspecto, tomando como ponto de partida a importância do imaginário do mar em geral e da praia em particular na cultura ocidental, como mostrado, por exemplo, nos estudos de Corbin (1988), no geral, e nos de Shields (1990) e Watson (2002) quanto, respectivamente, às cidades de Brighton e San Sebastián. A meu ver, essa vertente teórica está estreitamente interligada com uma outra metáfora importantíssima para a análise, a da saúde. Esta não somente é uma preocupação constante nas sociedades modernas, mas também um dos fatores básicos no planejamento urbano(1). Metodologicamente, as análises são diferentes. A primeira baseia-se no texto do plano, a segunda em entrevistas com envolvidos e em observações pessoais. Ambos os casos mostram a importância das metáforas para a análise.

É necessário, sem dúvida, considerar o contexto da identidade local do Espírito Santo e de Vitória, embora, em outra ocasião, o palimpsesto das perspectivas ideológicas locais já tenha sido descrito com maior detalhe (BANCK, 1998, p. 234-239). Aqui, talvez seja suficiente dizer que, em fins do século XIX, a identidade capixaba achava-se culturalmente permeada por teorias "científicas" de diferenças raciais e determinismo geográfico. Na esfera política, a proclamação da República tornou dominante o republicanismo que, mais do que meramente um modelo político, continha fortes componentes anticoloniais e antimonárquicos. Em oposição ao Império que, remanescente do colonialismo português, perpetuava o atraso do país, a República seria o veículo do progresso e da civilização. Se muitas dessas noções desapareceram, outras deram lugar a comparações entre o subdesenvolvimento do Brasil e o chamado Primeiro Mundo, sintetizadas em tira de Milson Henriques, que também se baseia na oposição geográfica entre a ilha e o continente (ou dever-se-ia dizer a ilha versus o resto do mundo?), uma das principais marcas da identidade de Vitória.

 

Notas

(1) Para a América Latina ver Almondoz (2002, p. 24-ss.); para o Rio de Janeiro, ver Pereira, (2002, p. 89-ss.).

 

 

Fonte: Dilemas e Símbolos Estudos sobre a Cultura Política do Espírito Santo, Segunda Edição aplicada – 2011
Autor: Geert. A. Banck
Compilação: Walter de Aguiar Filho, março/2019

História do ES

Porto de Vitória comemora 100 anos (2006)

Porto de Vitória comemora 100 anos (2006)

Nós do site Morro do Moreno gostaríamos de relembrar personagens da história canela-verde que foram de vital importância para as atividades portuárias da Grande Vitória, como João Moreno e Clementino de Barcellos

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Palavras que vieram da África

A influência do negro na nossa cultura foi bastante expressiva. Os hábitos e costumes africanos penetraram no nosso cotidiano

Ver Artigo
Epidemias e Ameaças - Por Serafim Derenzi

Os franceses, que ameaçaram a costa em 1551, voltaram em 1558 ao Porto de Vitória, onde dormiram 

Ver Artigo
A febre amarela no Espírito Santo em 1850

A Providência Divina vela certamente sobre a população desta Província que, sem o seu auxílio, estaria hoje extinta por falta de recursos da medicina

Ver Artigo
Varíola, cólera, fome em meados do Século XIX no ES

Já em fevereiro de 1855, um ofício do barão de Itapemirim falava em mais de mil vítimas 

Ver Artigo
Porto de Cachoeiro foi marco de crescimento

“Mas o transporte fluvial era tão importante, que a sede da colônia veio para o porto das embarcações, o Porto de Cachoeiro, que hoje é Santa Leopoldina”

Ver Artigo