Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Dom Pedro II e o Rio da Costa

Rio da Costa antes de sua retificação ainda serpenteando o Morro do Moreno, anos 40

O escritor Levy Rocha em seu livro relata que Dom Pedro II pretendeu mudar o trajeto do Rio da Costa. Veja as observações de Dom Pedro II, lá no alto da Penha, sobre o Rio da Costa:

"Ao chegar à esplanada do convento" - escreveu o repórter do jornal do Comércio - "S. M. fez algumas observações sobre o rio da Costa, que, em seu movimento de águas, envia montões de areia sobre a barra, a ponto de prejudicá-la em seu fundo, e sobre o que mandou de próximo o nosso digno e ativo presidente fazer observações e exames pelo Major-de-engenheiros Monteiro Drummond."

O Imperador anotou essas observações:

"Rio da Costa, que entulha de areia o porto, entre a Penha e o Moreno - é preciso dar-lhe saída para o lado de fora do Moreno, e há pouco que rasgar: o plano de Drummond é do Capitão do Porto Gama Rosa, que importa em 9 contos e tanto, exige um açude que não será talvez preciso, podendo-se deitar pedra da Penha e do Moreno dentro do rio."

Já em 1832 o Major-de-engenheiros Luís D'Allincourt natural de Lisboa e falecido no Espírito Santo, onde prestou relevantes serviços, escrevera em relatório ao Ministro do Império, fazendo notar que a barra de Vitória, sendo boa por natureza e forrada geralmente de pedra, se vá por desleixo tornando má, por causa daquele rio. Concluía:"Tapando-se solidamente este medíocre trajeto, e rasgando-se o terreno baixo junto à fralda do Moreno pelo Sul, obter-se-á um novo leito para o rio."

O Correio Mercantil de 5 de junho daquele ano da visita imperial (1860), informou que o Coronel Jardim, do exame a que procedera no rio da Costa, reconhecera que de modo algum ele concorria para a obstrução do porto, e aconselhava o seu saneamento. Mas em julho do mesmo ano, o deputado Pereira Pinto, levando o assunto à Câmara Federal, contestava essa opinião. Punha-se ao lado do engenheiro Antônio Pedro Monteiro Drummond e evocava uma observação feita pelo oficial de marinha, Delfim de Carvalho "que tendo entrado em 1857 no porto de Vitória e voltando a ele em 1859 achou no seu fundo a diferença de uma braça para mais".

A escritora Anna Bernardes da Silveira Rocha, em 1990, no prefácio do livro Vila Velha de Outrora (de Maria da Glória de Freitas Duarte), escreveu:

"O Rio da Costa, serpeando próximo às casas, em busca do mar, entre o morro do Convento da Penha e o Moreno, até a Barrinha, alimentava o povo de peixes, siris, caranguejos, canivetes, camarões, berdigões e outros frutos do rio, muito rico em sustentar o manguezal totalmente desaparecido, enquanto o caudal de água doce se viu reduzido, hoje, ao valão da 3ª Ponte. Mudou-se a paisagem, mudou o nome, mudou-se o costume, mudou-se o rio que já não é.

 

Fonte: Viagem de Pedro II ao Espírito Santo, Vitória, 2008
Autor: Levy Rocha
Compilação: Walter de Aguiar Filho, junho/2012

História do ES

Antigos nomes de ruas de Vitória

Antigos nomes de ruas de Vitória

LARGO PADRE INÁCIO - Atual área fronteira ao Palácio Anchieta, no topo da escadaria, onde terminava a Ladeira

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Espírito Santo, um Estado rico

Cícero Moraes, em seu livro Geografia do Espírito Santo, afirma que os climas capixabas podem ser definidos em função das altitudes

Ver Artigo
Revistas capixabas: design gráfico capixaba no acervo da BPES

Em 2010, iniciou-se pesquisa do Núcleo de Identidade Gráfica Capixaba, Nigráfica, quando se realizou estudo gráfico de revistas elaboradas e impressas na Grande Vitória e dedicadas ao público capixaba entre 1910 e 2010

Ver Artigo
Panorama da cultura capixaba

O historiador Renato Pacheco explica que o Estado passou 350 anos fechado a qualquer tipo de progresso

Ver Artigo
A escravidão negra e sua abolição – Por João Eurípedes Franklin Leal

Um dos pontos culminantes das revoltas escravas no Espírito Santo foi a Insurreição do Queimado

Ver Artigo
As guerras imperiais e seus reflexos no Espírito Santo – Por João Eurípedes Franklin Leal

O Ururau era em brigue de transporte, armado com seis bocas de fogo, que próximo a barra da baía de Vitória combateu por hora e meia um barco argentino o “Vencedor de Ituzaingu”

Ver Artigo