Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Domingo de Remo - Por Július César Carvalho Silva

Domingo de regata de remo em Vitória é domingo diferente

Domingo de regata de remo em Vitória é domingo diferente. Nos domingos de competição, a tranquilidade do centro da cidade, tão comum nos finais de semana, dá lugar a uma verdadeira festa. Uma pequena multidão invade parte da Avenida Beira-Mar de bandeira em punho, fogos e muito barulho. Tudo para acompanhar as disputas dos barcos na raia da baía.

Essa paixão do morador da capital pelo remo o diferencia dos outros capixabas. O que leva tanta gente a trocar a praia aos domingos de regata e invadir a Beira-Mar para acompanhar os páreos? Essa pergunta me fiz várias vezes quando saí da minha querida Cachoeiro de Itapemirim e vim morar em Vitória, em 1982. Hoje, entendo os motivos que fazem do vitoriense um apaixonado pelo remo.

Uma das razões pode ser a própria história do esporte. O remo deu muitas conquistas ao Estado. São títulos sul-americanos e participações em olimpíadas. Além disso, nos brindou com atletas dos quilates de Wilson Freitas, Harry Mosé, João Arruela Maio e Antenor Correa. E, hoje, a tradição capixaba de bons remadores se confirma como nos casos de Guto, Sérgio Paixão, Sérgio Quem-Quem e Rogério Preto, que garantem motivação e qualidade às disputas.

O outro motivo, e disso ninguém pode duvidar, é o local onde as regatas são disputadas. O remo capixaba foi brindado pelos deuses do esporte com uma das mais belas raias naturais do mundo. A baía de Vitória é um espetáculo à parte. É um cartão de visita que reúne, num conjunto de beleza ímpar, o mar, ilhas e o majestoso Penedo. Isso sem contar o porto e os navios.

Não se pode esquecer também da rivalidade de décadas. Falar de remo sem falar de Álvares e Saldanha pode ser considerado um sacrilégio. Os dois clubes foram fundados em 1902 e sempre tiveram o remo como seu carro-chefe. E de lá para cá, assumiram a condição de arqui-inimigos travando na baía de Vitória memoráveis duelos. E essa briga pela hegemonia de títulos é salutar para o esporte e mantém acesa a chama da paixão dos capixabas.

O bom ambiente que cerca as regatas também é um convite para ir à Beira-Mar nos domingos de regata. Famílias inteiras vão torcer pelos seus clubes, o que não é comum em se tratando de outros esportes. O clima familiar faz a diferença. Pais e filhos são uma constante em dias de competição e isso ajuda a perpetuar o interesse pelo esporte.

Por tudo isso, além da beleza plástica que o remo oferece, numa sincronia de movimentos e no deslizar dos barcos, passei a entender melhor a paixão do capixaba por esse esporte. Hoje também sou figura constante nas regatas. E logo assim que a minha pequena Júlia crescer um pouco mais, será mais uma a aumentar a legião de torcedores que invadem a Beira-Mar nos domingos de remo. Mesmo que o clube que ela adotar para seu coração seja diferente do meu.

 

ESCRITOS DE VITÓRIA — Uma publicação da Secretaria de Cultura e Turismo da Prefeitura Municipal de Vitória-ES.

Prefeito Municipal - Paulo Hartung

Secretário Municipal de Cultura e Turismo - Jorge Alencar

Diretor do Departamento de Cultura - Rogerio Borges De Oliveira

Coordenadora do Projeto - Silvia Helena Selvátici

Conselho Editorial - Álvaro Jose Silva, José Valporto Tatagiba, Maria Helena Hees Alves, Renato Pacheco

Bibliotecárias - Lígia Maria Mello Nagato, Elizete Terezinha Caser Rocha, Lourdes Badke Ferreira

Revisão - Reinaldo Santos Neves, Miguel Marvilla

Capa - Remadores do barco Oito do Álvares Cabral, comemorando a vitória Baía de Vitória - 1992 Foto: Chico Guedes

Editoração - Eletrônica Edson Malfez Heringer

Impressão - Gráfica Ita

Fonte: Escritos de Vitória, nº 13 – Esportes- Prefeitura Municipal de Vitória e Secretaria Municipal de Cultura e Turismo, 1996

Autor: Július César Carvalho Silva.

Nascido em Cachoeiro de Itapemirim (ES). Jornalista.

Compilação: Walter de Aguiar Filho, fevereiro/2020

O Esporte na História do ES

Moisés, um campeão - Por Jorge Rodrigues Buery

Moisés, um campeão - Por Jorge Rodrigues Buery

Na final do Campeonato Brasileiro de 1995, ele era um dos botafoguenses campeões

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

E viva a Desportiva! – Por Pedro Maia

A sede da Desportiva Ferroviária se situava no alto do morro, na entrada de Jardim América e o campo era um terreno no pé do mesmo morro

Ver Artigo
Remo: O Braço Forte do Esporte Capixaba - Por João Arruela Maio

Vitória em 1952, na disputa do Campeonato Continental, na raia de Valdivia, em Santiago, no Chile

Ver Artigo
Moisés, um campeão - Por Jorge Rodrigues Buery

Na final do Campeonato Brasileiro de 1995, ele era um dos botafoguenses campeões

Ver Artigo
A pesca do Marlim Azul

No Iate Clube do Espírito Santo é festa do marlim azul. O sol brilha mais forte: é o encontro de pescadores que ganharam fama mundial...

Ver Artigo
Tardes Amarelas no Futebol - Por Xerxes Gusmão Neto

Eu e o meu tio Adonias, que morava em São Torquato, subimos num ônibus da Viação Celeste, que portava um letreiro esquisito: São Torquato-Cruzamento

Ver Artigo