Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Dos Emboabas ao Monte Líbano - Capítulo I

Fazenda Monte Líbano em Cachoeiro de Itapemirim

Este livro começa no tempo dos emboabas. Recordemo-nos de que, em 1693, um bandeirante taubateano, Antônio Rodrigues Arzão, chegou à Vila da Vitória, com três oitavas de ouro, que apresentou ao Capitão-Mor, João de Velasco e Molina, e aos Oficiais da Câmara. Era o primeiro ouro descoberto, retirado das minas do Brasil e originário da Casa do Casca, afluente do Rio Doce. Ouro, na verdade espírito-santense, visto como, pela Carta-Régia de doação da Capitania a Vasco Fernandes Coutinho, essa região pertencia ao Espírito Santo. Não se havia, ainda, firmado o infeliz e arbitrário Acordo de Limites, que transformou a Capitania em estreita faixa litorânea.

Desse metal, foram cunhadas duas medalhas: uma ficou em poder do próprio Arzão; outra, com Velasco e Molina.

Reconheceram os espírito-santenses a grandeza da aventura realizada pelo intimorato bandeirante que, através de trilhas primitivas e lendárias vias fluviais, teve a sinceridade singular de trazer o valioso achado ao seu verdadeiro dono: o Espírito Santo. E seus membros, castigados na caminhada perigosa, a vencer matas e travessias incógnitas, sua tez crestada pelo Sol e seu vestuário andrajoso, foram devidamente reconhecidos, pensados e recompensados. A Câmara da Vila forneceu-lhe roupas, remédios, hospedagem e todas as demais assistências.

Realizava-se, portanto, um capítulo da “bárbara epopeia humana das conquistas”, que o poeta decantaria:

E Rodrigues Arzão, que andou em longes serras

E vales cataguás, ignotos e medonhos,

À caça do gentio, entre insídias e guerras

E busca de um tesouro, em delirantes sonhos!...

A bandeira lá vai. Segue-lhe a esteira o Encanto,

Que há de as terras florir, à luz de um sonho louro...

— E Rodrigues Arzão chega ao Espírito Santo

Para mostrar ao mundo — uma faísca de ouro!

Almeida Cousin — ITAMONTE

Mas o ouro de Arzão motivou um dos mais famosos movimentos históricos do Brasil, decantado na prosa e no verso, e conduziu as autoridades a iniciativas enérgicas relativas à construção de fortalezas, para a guarda do Espírito Santo contra invasões estrangeiras, atraídas pelas notícias das minas auríferas. Veio a proibição de estradas para o Oeste. Ficou, assim, a Capitania impedida de conquistar seu próprio território.

Divulgada a confirmação da descoberta do ouro tão ambicionado, intensificou-se o movimento das bandeiras, resultante, principalmente, da Carta de 1° de março de 1697, na qual o Governador do Rio de Janeiro, Castro Caldas, participava a El-Rei que os paulistas haviam encontrado dezoito a vinte ribeiros de ouro da melhor qualidade, nos sertões de Taubaté. Eram os famosos pactolos. Deslocou-se o povo, numa verdadeira arrancada para o Eldorado Brasileiro, a deslumbrante Aurilândia.

O caminho — Rio de Janeiro a Parati, Taubaté, Pindamonhangaba, Guaratinguetá à garganta do Embaú, na Mantiqueira (atual município de Cruzeiro), era o itinerário seguido pelos que visavam à zona encantada, envolta nas esperanças da riqueza fácil. Dali, subiam os futuros mineradores ao Rio das Mortes, a Ouro Preto, ao Rio das Velhas e a Ribeirão do Carmo. Em face, porém, da extensão a percorrer, o Capitão-General Governador do Rio de Janeiro, que viajara a São Paulo, comunicava a El-Rei, em Ofício de 20 de maio de 1698, o flagelo da fome, que atingia os mineradores. Necessário tornava-se um caminho direto dali para as Gerais, com a redução da viagem a quinze dias. Até então, era de quarenta e cinco a noventa!...(1)

Da Bahia, igualmente, transportavam-se os interessados ao País do Ouro, em maior parte, por via fluvial (Rios São Francisco e das Velhas), ou pelos caminhos terrestres. Em 1700, por exemplo, o Governador Geral, Dom João de Lencastre, despachara dois contingentes que, da cidade do Salvador, foram para o Sul, “pela parte Norte do Rio São Francisco, das serranias donde têm nascença os Rios Pardos, Doce, das Velhas e Verde”.(2) Os contingentes eram comandados pelo paulista João Gois de Araújoe outro com cem homens, por Pedro Gomes da França. Deviam, os referidos Capitães, investigar tanto a existência de minerais, quanto descobrir um caminho mais curto, entre Minas e a cidade da Bahia.

Mas a febre do ouro intensificou-se de tal modo que, a 23 de setembro de 1702, em Carta a Dom Pedro II, o mesmo governador relatava a situação calamitosa das Minas, lugar cheio de estrangeiros de várias nações, ao passo que as Capitanias do Sul estavam quase desertas, porque seus habitantes iam buscar ouro. Militares e marinheiros desertavam... Muitos vinham para o Espírito Santo; internavam-se na zona do Castelo.

Brancos, mulatos, carijós, mamelucos, curibecas, pretos, fidalgos, plebeus, escravos, servos, ricos, pobres e indigentes, vindos de São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Bahia, Pernambuco, Portugal, Ilhas, índia Portuguesa e África, formavam a miscelânea calculada em cinquenta mil pessoas, em 1705.(3) E tal volume tomou a onda emigratória para o Brasil que, alarmada, a Corte considerou que o Reino se despovoasse!... Portugal estava entregue ao trabalho das mulheres, pois é sabido que os portugueses deixavam as famílias no Reino. Veio, então, o remédio da proibição do trânsito, para as possessões espanholas, e exigência de passaporte, para as pessoas que se destinassem ao Brasil.

Não nos cabe, de certo, nesta ligeira introdução, um estudo completo e minucioso do trabalho complexo e fabuloso das catas, que tantas vidas sacrificou e tanto ódio acirrou. Podia-se comparar a Aurilândia não ao Inferno Verde, saturado de lendas, dominado pelas feras, pelos répteis, insetos portadores de morte, índios indômitos e antropófagos. Era outro, porém, mais triste, porque cenário de ódio, da cobiça, inveja, sede de domínio, ignorância, materialização da vida!... que o tornavam Rubro, porque tingido pelo sangue humano derramado no Rio das Mortes! Até o resultado das lutas — verdadeiras guerras — entre paulistas e emboabas. Cumpre-nos registrar apenas que a notícia do ouro do Brasil concorreu para que do Reino viessem os ascendentes do maior administrador do Espírito Santo, aquele que, induzido pela mesma vontade intangível dos seus maiores e inteligência privilegiada, herança feliz dos seus genitores, teria de votar-se à elevação do seu berço natal, no conceito da pátria brasileira.

Remontam, de fato, os velhos troncos da Família Sousa Monteiro aos reinois, que vieram para a Zona do Casca, já pacificada, entretanto, porque no tempo da Capitania, criada pelo Alvará de 2 de dezembro de 1720, em consequência da Carta Régia de 21 de fevereiro do mesmo ano, separou o Distrito das Minas da Capitania de São Paulo. Assim, o bisavô de Jerônimo, Antônio de Souza Monteiro, nasceu, a 3 de fevereiro de 1733, em Santa Eulália de Margaride, Arquidiocese de Braga, e casou-se em 1775 com Joana Gomes Pereira de Macedo, natural de Santa Eufêmia de Calheiros (Braga), batizada a 30 de julho de 1759. Foram os pais de Alferes Antônio de Sousa Monteiro, nascido em 1776 e batizado a 30 de setembro do mesmo ano, em Bento Rodrigues, comarca de Mariana, portanto brasileiro e mineiro, descendente dos que vieram de Portugal. Casou-se, em terceiras núpcias, com Graciana Justa da Piedade, falecida a 16 de fevereiro de 1887, em Cachoeiro do Itapemirim. Foram os pais de Francisco de Sousa Monteiro, nascido a 24 de abril de 1823, em Minas Gerais, fundador e senhor do Monte Líbano, em Cachoeiro do Itapemirim.

Pelo lado materno, encontramos Bernardino Ferreira Rios, português, casado com Bárbara Domitila Pereira de Almeida, nascida a 4 de dezembro de 1809, em Paulo Moreira, hoje “Alvinópolis”. Foram os pais de Henriqueta Rios de Sousa, nascida a 20 de maio de 1839. Casou-se com o Capitão Francisco de Sousa Monteiro, acima referido. Bernardino Rios estabelecera-se, como comerciante, em Paulo Moreira. Do consórcio de Francisco e Henriqueta, nasceram os seguintes filhos:

• Antônio (Antonico), a 4 de agosto de 1856. Faleceu a 19 de junho de 1913.

• Bárbara (Sinhá Bárbara), a 25 de novembro de 1858. Faleceu a 19 de junho de 1875.

• Maria Bárbara (Maricota), a 25 de agosto de 1860. Casou-se com o Dr. Manuel Leite de Novaes Melo, médico da Colônia do Rio Novo, depois Deputado Provincial e Federal. Era natural de Alagoas e filho dos Barões de Piaçabuçu. Dona Maricota faleceu, a 29 de julho de 1947.

• Maria Graciana (lóta), a 30 de março de 1862. Faleceu a 20 de abril de 1881.

• Bernardino (Didinho), a 6 de outubro de 1864. Foi Presidente do Estado do Espírito Santo, Deputado Estadual e Senador. Faleceu a 1° de março de 1930. Casou-se com Dona Iná Goulart Monteiro, falecida a 24 de novembro de 1965.

• Fernando, futuro Bispo do Espírito Santo, a 22 de setembro de 1866. Faleceu a 23 de março de 1916.

• Helena (Dodona), a 8 de agosto de 1868. Falecida. • J E R Ô N I M O (Nhonhô), futuro Presidente do Espírito Santo, a 4 de junho de 1870. Casou-se com Cecília Bastos. Jerônimo faleceu a 22 de outubro de 1933.

• José, a 4 de julho de 1876. Casou-se com Adélia Goulart Monteiro, a irmã de Iná. Faleceu a 10 de outubro de 1937.

• Bárbara (Barbinha), a 15 de março de 1878. Casou-se com o Dr. Carlos Adolfo Lindenberg, engenheiro. Faleceu a 24 de novembro de 1967.

• Henriqueta (Quequeta), a 7 de julho de 1879. Casou-se com o Dr. Florentino Avidos, engenheiro. Foi Presidente do Estado do Espírito Santo, no quadriênio de 1924 a 28. Henriqueta faleceu a 9 de março de 1919, em Belo Horizonte.

O Capitão Sousa Monteiro ia sempre ao Rio de Janeiro, tratar de negócios e da educação dos filhos. Em 1884, levou as filhas Helena e Barbinha e o filho José, para o Matoso. Veremos que levara Jerônimo para Itu.

Certa vez, viajando a cavalo para a Barra do Itapemirim, onde se tomava condução marítima para o Rio de Janeiro, dele se aproximou, na estrada, um jovem cavaleiro. Era Cícero Bastos, empregado de uma casa comercial em Cachoeiro e que, no futuro, seria sogro de Jerônimo.

* * *

Os Monteiros eram bem-humorados; distraíam-se com troças, brincadeiras simples, mormente no Carnaval e nas Aleluias, quando, na Fazenda Monte Líbano, era indispensável a queima do Judas. Reuniam-se os irmãos e alguns primos. O Judas tinha, de praxe, um “testamento” gozado. Quase sempre, José era o autor.

Pelo Carnaval, aparecia na Fazenda um cortejo de máscaras, a cavalo, conduzido pelo Tio Antônio Rios e Bernardino. Vinham primos e amigos; encontravam tudo preparado, porque Antônio e Henriqueta compravam, com antecedência, serpentinas e sacos de confetes. Brincava-se com a “batalha”, nos corredores e salas enormes. Nenhuma bebida. Ceia: chá, canjica, bolo de milho, roscas doces, café, leite, etc. Isso, até quando a política levou os Monteiros para o Rio de Janeiro, São Paulo e Vitória.

Certa vez, chegou num grupo carnavalesco uma jovem delicada, com um sinalzinho preto na face (moda de então), chapeuzinho florido, leque de plumas, anquinhas. Um amor!... Dançou com Antônio. E ninguém podia descobrir-lhe a identidade, enquanto uma dama rechonchuda permanecia sentada, apreciando a brincadeira.

Na hora da ceia (10 horas), quando todos deviam tirar as máscaras, segundo as ordens de Dª Henriqueta, veio a surpresa: eram Bernardino, a senhorita, e o Dr. Júlio Leite, a matrona!... Que alegria! Palmas!...  

 

(1) S. Suannes - O s  emboabas, 4.

(2) S. Suannes - Idem, 9.

(3) S. Suannes - Idem, 12.

 

Notas:

A presente obra da emérita historiadora Maria Stella de Novaes teve sua primeira edição publicada pelo Arquivo Público do Estado do Espírito Santo -APEES, em 1979, quando então se celebrava o centenário de nascimento de Jerônimo Monteiro, um dos mais reconhecidos homens públicos da história do Espírito Santo.

Esta nova edição, bastante melhorada, também sob os cuidados do APEES, contém a reprodução de uma seleção interessantíssima de fotografias da época — acervo de inestimável valor estético-histórico, encomendado pelo próprio Jerônimo Monteiro e produzido durante o seu governo — que por si só, já justificaria a reimpressão, além do extraordinário conteúdo histórico que relata.

 

Autora: Maria Stella de Novaes
Fonte: Jerônimo Monteiro - Sua vida e sua obra (2a Edição - Vitória, 2017 -  Arquivo Público do Estado do Espírito Santo, Coleção Canaã Vol. 24)
Compilação: Walter de Aguiar Filho, junho/2019

Genealogia Capixaba

Família Melo Coutinho

Família Melo Coutinho

É de remota ascendência. Vamos partir, no entanto, de Martim Afonso de Melo, que foi avô de Vasco Fernandes Coutinho, primeiro donatário da Capitania do Espírito Santo. Casou com Leonor Barreto e dela teve três filhos, sendo que um deles foi precisamente Jorge de Melo, o Lages, progenitor de Fernandes.

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Dos Emboabas ao Monte Líbano - Capítulo I

Os Monteiros distraíam-se com troças, brincadeiras simples, mormente no Carnaval e nas Aleluias, quando, na Fazenda Monte Líbano

Ver Artigo
Nobreza Capixaba

Os nobres capixabas comprovados são apenas três (barões de Aimorés, Monjardim e o terceiro de Itapemirim), havendo dúvidas quanto ao barão de Guandu e ao barão de Timbuí 

Ver Artigo
Família Aguiar

AGUIAR, OS NATIVOS DA VILA Sempre escutei de meu avô Miguel Manoel de Aguiar Junior que nossos ascendentes vieram para o Espírito Santo com os Donatários das Capitanias Hereditárias.

Ver Artigo
Árvore Genealógica Família Aguiar

Num olhar quase infinito, vemos claramente que todas as famílias vão se misturando entre si até chegarmos a origem da vida. Portanto, se não somos todos irmãos, só se Deus criou o mundo com mais de um casal além de Adão e Eva

Ver Artigo
Duarte de Lemos – (c. 1485-1558)

Duarte de Lemos, como estátua orante, na localidade da Trofa.Tal exemplar de estatuaria tumular lusitano é considerada “uma das obras mais belas e viris da nossa galeria de retratos plásticos”

Ver Artigo