Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Doutrina e prática de Frei Pedro Palácios

Portal velho do Convento da Penha, localizado ao lado da gruta de Pedro Palácios

"Todos os domingos, dias santos e festas maiores da Igreja, saía do retiro da sua Penha, e indo até a residência dos padres jesuítas na vila da Vitória, ali se confessava com o Padre Brás Lourenço, primeiro que achou, e com os mais que se lhe foram seguindo, com atos de verdadeiro penitente, comungava com afetos de consumado justo, ouvia missa com devoção, e daí se retirava para o seu domicílio. Nestes mesmos [dias], pela tarde, e nos mais por muitas vezes, o seu exercício era pregar ao povo pelas ruas, doutrinar aos meninos nos mistérios da fé, e persuadir a todos a que jejuassem se confessassem e fizessem penitência de suas culpas, para alcançarem de Deus o perdão delas, e este era o tema comum e assunto geral de sua doutrina e práticas, assim públicas como particulares. Para elas se vestia de sobrepeliz com uma Cruz nas mãos, e acompanhado dos meninos do lugar e da Vila, assim Velha como da Vitória, corria todas as suas ruas com um tão entranhável como conhecido zelo do bem das almas.

"Outras vezes, [...] saía a pedir esmolas, e tendo aquela que julgava precisa para os dias em que se havia de ocupar em outros exercícios, e não podia tornar à vila ou acudir com elas à necessidade de outros pobres, não aceitava mais nada, ainda que para isso fosse importunado.

"Quando saía do seu monte para a vila, desembarcando no porto dela, o primeiro caminho que seguia era o da Igreja matriz, a adorar o Santíssimo Sacramento, o que fazia com a boca em terra, por grande espaço, e uma dilatada e devota oração, a qual acabava, ia direito à casa do pároco, e posto de joelhos lhe beijava a mão, tomava a bênção, pedia licença para continuar com o seu exercício. de pedir esmola ou fazer a sua doutrina." [Crônica, in Correio da Vitória, n. 72, 1872].

 

Fonte: História Popular do Convento da Penha, 3ª edição 2008
Autor: Guilherme Santos Neves
Compilação: Walter de Aguiar Filho, março/2016

Convento da Penha

Introdução do livro de Norbertino Bahiense – O Convento da Penha

Introdução do livro de Norbertino Bahiense – O Convento da Penha

O que coube à Nossa Senhora da Penha supera a todos os penhascos brasileiros. Nenhum se lhe iguala na posição, na grandiosidade, na beleza, no deslumbramento

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Gruta de Frei Pedro Palácios, Oratório e Frontal do Portão - Por Seu Dedê

Na época da jurisdição do capelão Padre José Ludwin, a missa do domingo, véspera da Festa da Penha, era celebrada às nove horas em frente ao oratório

Ver Artigo
Fonte Milagrosa do Convento da Penha

Localizada no terraço inferior do Convento de Nossa Senhora da Penha

Ver Artigo
O genial Vitor Meireles no Convento da Penha no ano de 1871

Os pincéis mágicos que imortalizaram as grandes telas históricas também estiveram na Penha, manejados pelo genial Vitor Meireles

Ver Artigo
A Penha do meu tempo – Por Areobaldo Lellis Horta

Via-se a senzala, em ruínas, composta de pequeno número de casebres, quase destelhados uns, outros de paredes fendidas e atacadas pela hera

Ver Artigo
O Convento da Penha – Por Maria Stella de Novaes

Peregrino, contempla o augusto monumento  da terra capixaba. Ali, vive a rezar, em hosanas de glória, ou rudez do tormento, o coração de um povo!

Ver Artigo