Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Duarte de Lemos, homem providencial

Vasco Fernandes Coutinho x Duarte Lemos

Foi nessa conjuntura que lhe caiu nos braços um homem providencial – Duarte de Lemos. Mais tarde, este urdirá intriga, parece que sem fundamento, para desbancá-lo das graças reais, mas é impossível negar o mérito do seu auxílio naquele momento cruciante em que a capitania madrugava.

Fidalgo da casa real,(22) Duarte de Lemos vivera na Bahia, onde, ao que parece, se incompatibilizara com Francisco Pereira Coutinho – donatário daquela colônia – em cuja comitiva viera para o Brasil.(23) Aventureiro ambicioso, no conceito de quantos o estudaram, possuía recursos, sabia mandar e era dotado de espírito prático. Os motivos que o trouxeram ao Espírito Santo são ignorados.

Atraído por alguma proposta vantajosa, ou vislumbrando na situação precária de Vasco Coutinho uma oportunidade de se tornar, pelo menos, seu sócio e igual na capitania, Duarte de Lemos rumou para o Espírito Santo com seus “criados e outras pessoas que por seu respeito vieram com ele”.(24)

 

NOTAS

(22) - Carta de confirmação da doação da Ilha de Santo Antônio. – Arquivo da Torre do Tombo, Chancelaria de D. João III, liv. 6, 512 (apud MALHEIRO, Regimen Feudal, 265).

– “Duarte de Lemos figura entre os autores de versos do Cancioneiro, de Garcia de Resende” (CALMON, Hist. Brasil, I, 192, nota).

(23) - LAMEGO, Terra Goitacá, V, 371.

– RODOLFO GARCIA informa: “Duarte de Lemos, fidalgo da casa real, que na Ásia obrara grandes feitos, acompanhou ao Brasil Vasco Fernandes Coutinho, donatário da Capitania do Espírito Santo” (Explicação, in DH, XXXVII, p. XXVIII).

(24) - Da escritura de doação, transcrita na carta régia de oito de janeiro de 1549, in HCP, III, 266.

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição, Vitória (APEES) - Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Secretaria de Cultura, 2008
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter Aguiar Filho, julho/2018

História do ES

61 Anos de Autonomia de Vila Velha

61 Anos de Autonomia de Vila Velha

Em comemoração aos 61 anos de emancipação política de Vila Velha, a Câmara Municipal inaugurou o busto Saturnino Rangel Mauro, no dia 25 de agosto de 2008, em sessão solene presidida pelo Presidente, vereador José de Oliveira Camillo

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Ano de 1822 – Por Basílio Daemon

Colocou-se em frente a Palácio, onde o escriturário de Fazenda Carlos Augusto Nogueira da Gama leu em voz alta, ao povo e soldados, a proclamação feita por D. Pedro I

Ver Artigo
A trajetória dos partidos políticos capixabas até 1930

A partir de 1822 foi instituído o regime monárquico em nosso País e as capitanias receberam a denominação de províncias

Ver Artigo
Basílio Daemon - Biografia

Por seus filhos capitão Dr. Ticiano Corrégio Daemon e tenente Daemon

Ver Artigo
Viana, O Convento, O retorno ao Rio de Janeiro – Por Saint-Hilaire

Vêem-se o mar em frente ao Morro da Penha, o Monte Moreno e a foz do Ribeirão da Costa, cujas águas, vão entulhar a baía com as areias que carregam

Ver Artigo
Antônio Pacheco de Almeida, alcaide-mor da vila do Espírito Santo, 1707

Antônio Pacheco, para o lugar de alcaide-mor da vila do Espírito Santo, cabeça e comarca da capitania do mesmo nome, de que sou donatário

Ver Artigo