Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

E Vitória mudou ...

Viaduto da Caramuru - Vitória era assim...

Quando Vitória era uma cidadezinha pequenina, tudo nela era diferente, muito diferente mesmo.

E parecia que aqui a vida era mais simples, sem essas complicações de nossos dias, sem essa agitação constante, enfim sem essas caras sempre amarradas, sempre preocupadas, com as quais a gente esbarra na rua.

Caras de pobres criaturas, que dão a impressão que só estão vivendo porque não têm coragem de fazer uma loucura, porque não tem outro jeito. Enfim, sente-se que essas pobres criaturas não gostam da vida, não a estimam e estão louquinhas para que um caminhão carregado de café lhes dê cabo do canastro.

A Vitória de outros tempos era diferente, bem diferente mesmo. As pessoas andavam pelas ruas sem esse ar preocupado, e sempre satisfeitas, sempre risonhas, sempre alegres.

Todas se queriam como se fossem da mesma família, embora às vezes tivessem lá as suas encrencas políticas e por causa delas trocassem, de quando em quando, uns tirozinhos.

Mas, coitado do forasteiro que aqui chegasse e se metesse a falar mal de alguém da terra, de alguém da cidade. Era logo enfrentado e, no duro. Porque o da terra podia não gostar do outro, mas não queria que ninguém falasse dele. Era mesmo que negócio de família.

Os tempos novos foram chegando, foram vindo, foram vindo e, com eles, veio a civilização, vieram os costumes novos.

O povinho calmo, vagaroso, andando na rua com paciência, mudou, ficou apressado, ficou com medo que o tempo se acabasse. E daí as complicações subseqüentes.

 Com essas complicações chegou o nervosismo, chegaram as ambições, as rivalidades. De longe em longe é que os amigos se encontram, e quando o fazem é para se dizerem rapidamente:

- Ei, você está sumido, não aparece mais.

- Não posso, rapaz, a vida está dura, duríssima e eu não tenho tempo nem de me coçar.

- Bem até logo, depois conversaremos mais.

- Até logo, responde o outro.

E acham os dois amigos que conversaram muito, com essas frases inexpressivas, monossilábicas, essas frases sem nexo.

Realmente, os dois amigos têm razão. O tempo, as preocupações, as dificuldades da vida, e a insegurança que anda no ar, não permitem uma conversinha mais demorada, mais amiga, mais íntima.

É essa conversa rápida, de afogadilho, que só serve para aumentar as preocupações, pois as frases ditas não foram mais que veladas preocupações, mal disfarçados aborrecimentos.

A Vitória antiga, pequenininha, das cadeiras nas calçadas para a conversa noturna dos vizinhos, dos parentes e dos amigos, se acabou. Hoje é a Vitória moderna, a Vitória da pressa, do corre, que a morte vem aí.

 

Fonte: Torta Capixaba, 1962
Autor: Nelson Abel de Almeida
Compilação: Walter de Aguiar Filho, dezembro de 2013

Literatura e Crônicas

D. Josefa - Por Beatriz Abaurre

D. Josefa - Por Beatriz Abaurre

D. Josefa imperava em toda a sua imponência no casarão misterioso que permanecia quieto e silencioso sem chamar a atenção e não ser da garotada curiosa e das fofoqueiras que, através das persianas das casas fronteiriças, vigiavam sorrateiras o entra-e-sai de “pessoas ilustres” e cheias de dignidade

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

O Zorro e a Odalisca – Por Jovany Sales Rey

Tem milagre que só dá para contar falseando o nome dos santos, principalmente quando eles ainda estão vivos e vigorosos o bastante para quebrarem suas bengalas na minha cabeça. No entanto, mesmo que tivessem morrido, não me arriscaria a identificá-los

Ver Artigo
Os “Grandes Coisas” - Por Hélio de Oliveira Santos

Esta estória passou-se há uns 30 anos atrás. Estava meu irmão Alberto, o Atila Bezerra  que já foi Ministro da Fazenda, e se não me falha a memória também o nosso Asdrubal Soares

Ver Artigo
Bloco Unidos do Quintal

Quem já brincou o carnaval de rua de Vila Velha, com certeza tem na memória os registros do Bloco Unidos do Quintal, da década de 70

Ver Artigo
Ano Novo - Por Eugênio Sette

Papai Noel só me trouxe avisos bancários anunciando próximos vencimentos e o meu Dever está maior do que o meu Haver

Ver Artigo
Os ignorados – Por Mário Martins

A psicologia do capixaba não é muito conhecida no País. Ele próprio raramente é citado no anedotário nacional. É quase um desconhecido. Ou melhor, é ignorado

Ver Artigo