Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Editorial do Site: Alerta no Planeta

Outro dia, tarde da noite, liguei a tv para assistir alguma coisa e dormir. Zapeando, peguei o programa que mostra comerciais engraçados em todo o mundo. Como adoro assistir esse programa, fiquei por ali. Então, foi mostrado um comercial do Greenpeace sobre invasão na Terra.

O comercial é muito bom! Um grupo de ET's estão reunidos em uma galáxia muito distante, planejando qual é o próximo planeta que eles irão invadir. Um sugere a Terra, e aí começa um diálogo engraçado, inteligente, em que eles dão um alerta sobre a situação do planeta, comcluindo que não vale a pena invadir a Terra, um planeta degradado.

Procurei o vídeo pela internet mas não achei em versão legendada. Mesmo assim, acho que vale a pena ver a versão em inglês. Apenas para acompanhar melhor o vídeo, segue um pequeno roteiro do que é dito (melhores momentos):

O chefe pergunta qual planeta eles devem invadir. Um sugere a Terra. Outro fala: "Está louco? Aquele planeta não vale nada. Um local que vale 33 trilhões de dólares em florestas e mesmo assim eles não cuidam, não vale a pena." O primeiro continua: Ma eles têm energia renovável, estão mais esclarecidos, se comunicam por e-mail. Ao que outro interrompe: "O que é e-mail?" Resposta do outro: "É um sistema primitivo de distribuição de pornografia." O primeiro continua: "90% da população é consciente, quer salvar o planeta, faz sua parte." O líder então pergunta: "E os outros 10%?" Resposta: "São os líderes, os governantes." "Mas não tem um líder que seja capaz de unir todos eles na preservação do planeta?" Aparece no vídeo o rosto do Bush, aterrorizando o líder dos ET's. No final, eles chegam a conclusão que não vale a pena invadir o planeta Terra.

E fica a mensagem do Greenpeace: faça a sua parte na conservação do planeta. Separe o lixo seco do lixo úmido (facilita o trabalho dos catadores e evita o aparecimento de baratas e ratos), economize água no banho, ao escovar os dentes, ao lavar louça, ao lavar carro. Use e-mails e computadores ao invés de papel. Se for usar papel, prefira o reciclado. Use sacolas de plástico biodegradável ou de papel. O plástico leva 450 anos para se decompor naturalmente. Ande a pé ou de bicicleta. Você fica em forma e evita a poluição do ar.

Seja sustentável, mas por favor, não seja ecochato, apenas consciente.

Links Relacionados:

>> Dicas Ecológicas 
>> Coleta seletiva em condomínio
>> Respeito ao Meio Ambiente
>> Dia da Árvore: 21 de setembro
>> Dia Mundial da Água 
>> 22 de Março - Dicas para economizar água

Mônica Boiteux
Editoria do site Morro do Moreno
Agosto/ 2008

Ecologia

A Deus, nas asas de seus beija-flores

A Deus, nas asas de seus beija-flores

O cacique Raoni e o pajé Sapaim fizeram o ritual com plantas da Amazônia. Tragavam cigarros de folhas e jogavam fumaça espessa sobre o cientista, intercalando cantos indígenas

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Do coco nada se perde!

O coco é utilizado para diferentes tipos de pratos culinários, a água de coco é sempre lembrada para matar a sede, além de ser um eficiente soro hidratador, podendo ser usada como auxiliar no tratamento de doenças infantis e de organismos debilitados

Ver Artigo
Respeito ao Meio Ambiente

Aproveitando o Dia Mundial do Meio Ambiente, nós do site Morro do Moreno temos a obrigação de ajudar a divulgar algumas dicas de educação ambiental. Para ler e praticar, combinado?

Ver Artigo
Um grito ecológico em 1925

Existia nas proximidades da casa de residência do ilustre jurisconsulto Ferreira Coelho, uma belíssima árvore, que era um atestado glorioso do que foi a nossa floresta há séculos atrás 

Ver Artigo
Dia Mundial do Meio Ambiente

O meio ambiente e a ecologia passaram a ser uma preocupação em todo o mundo, em meados do século XX. Porém, foi ainda no séc. XIX que um biólogo alemão, Ernst Haeckel (1834-1919)

Ver Artigo
Biodiversidade

O pensamento ambiental moderno diz que é preciso parar de tentar dominar a natureza e passar a interagir com ela, medindo as conseqüências ambientais de nossos atos. Não mais o homem contra a natureza, mas o homem com a natureza, ao lado dela.

Ver Artigo