Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Em 67 anos, Província do ES tem 96 Presidentes

José Fernandes da Costa Pereira Junior - Governou de março/1861 até maio/1863

A quantidade de governantes da Província do Espírito Santo, durante todo o período monárquico, é um indicador das dificuldades de administrar uma região que viveu à margem do progresso. Foi uma época de muitos relatórios e poucas obras

Durante todo o regime monárquico, que durou sessenta e sete anos, o Espírito Santo teve noventa e seis presidentes, entre efetivos e substitutos.

Mas o marasmo tomava conta da Província. A educação caminhava a passos lentos, os professores eram despreparados e mal pagos. Em 1830 o quadro de ensino público era, de fato, lamentável. Cursavam as aulas públicas de Vitória apenas 197 alunos.

A construção de estradas estava praticamente parada.

A estrada Espírito Santo—Minas (construída no governo de Alberto Rubim) fora abandonada. Uma das razões primordiais foi a existência de numerosas tribos de índios botocudos na região atravessada pela estrada. O terror assustava a população. Os índios atacavam as lavouras situadas nas proximidades das povoações, roubavam a colheita, aterrorizavam e matavam.

Há correspondência sobre o assunto, onde os presidentes solicitam ajuda dos órgãos centrais, em razão do terror da população e da dificuldade de penetração para o interior e de comunicação.

O Governo Provincial tentou colocar às margens da estrada os alemães que haviam servido nos batalhões de mercenários e mandados para o Espírito Santo depois da dissolução das suas unidades.

Mas a despesa com os colonos alemães seria maior do que as disponibilidades do governo. Dessa maneira, o plano foi posto de lado.

Os alemães deixaram as, terras capixabas, a maioria com destino a Porto Alegre. As revoltas dos escravos agitavam constantemente a vida dos capixabas.

Uma outra preocupação eram os índios. Da Corte vinha grande número de ofícios solicitando o ensino das primeiras letras à população infantil indígena.

Existe um depoimento, de muito interesse para um conhecimento do que se passava na Província, por volta de 1833. Assinado pelo Presidente Manoel da Silva Pontes, diz o seguinte: "As comodidades a que os homens reunidos têm direito não passam nesta cidade da casa do açougue, da banca do peixe e de dois chafarizes. Faltam-lhes casas para o mercado de farinha, grãos e legumes; não há logradouro público, nem campo onde descansem os animais destinados ao corte, nem curral do Conselho; faltam aos vizinhos e forasteiros restaurantes, estalagens e cavalariças, nem há prados que dêem pasto para cavalos de argola".

Um fato importante: em agosto de 1832, as Vilas de Campos dos Goitacazes e de São João da Barra voltaram a ser anexadas à Província do Rio de Janeiro.

Na verdade, o território daquelas Vilas não fazia parte da primitiva Capitania do Espírito Santo. E havia um constrangimento crescente entre os seus habitantes com o ato régio que os fizera dependentes da ouvidoria espírito-santense.

Campos foi sempre rebelde às ordens emanadas do Governo do Espírito Santo. Era difícil manter ali a ordem exigida pela administração. Sobre esse problema, o Presidente da Província oficiava ao Ministro do Império nos seguintes termos: "Julgo todavia do meu dever declarar a Vossa Excelência que faltam-me meios para sustentar a pública tranqüilidade. A força de primeira linha aqui existente é de trinta e uma Praças, espalhadas em diversos pontos e a Companhia Permanente consta atualmente de sessenta, acrescentando não estarem ainda organizadas de todo as Guardas Nacionais, já pela imperícia de muitos Juízes de Paz, já pela inaptidão dos Comandantes e Oficiais, a maior parte dos quais não se acham fardados, e já finalmente pela indiferença de alguns cidadãos..."

Brasileiros e portugueses se desentendiam com freqüência, em São Mateus e arredores.

As autoridades tentavam conter a onda de desordeiros, mas os agitadores cresciam em audácia.

Em fins de 1831, foi descoberto e abafado um serio levante de escravos em Itapemirim. Um grupo de mais de cem homens assassinou, em Benevente (1833) o capitão-mor Francisco Xavier Saraiva. Foi um Deus nos acuda!

Os historiadores concordam que os presidentes da Província se diferenciaram dos antigos capitães-mores e governadores, pelo nível cultural e espírito democrático. Houve muitos que alcançaram projeção no Império. Mas, pouco fizeram em benefício da administração provincial. Analisaram, escreveram relatórios minuciosos, apontaram necessidades básicas, enalteceram a exuberância do solo e suas possibilidades, mas os resultados práticos foram diminutos. Justamente trinta e dois anos depois do início da publicação da Gazeta do Rio de Janeiro, surgiu, editado no Espírito Santo, o primeiro jornal, em 1840. Foi O Estafeta. Teve apenas um número.

Nove anos mais tarde surgiu o Correio da Vitória, cuja circulação marcou, de fato, o aparecimento do jornalismo capixaba. Iluminação das ruas — Em 1832, foi consignada a verba de 600$000 (seiscentos mil réis), por ano, para a iluminação. O serviço foi inaugurado com 40 lampiões a azeite de peixe, distribuídos principalmente pelas esquinas e edifícios públicos. Em 1879, foi inaugurada a iluminação a gás.

Do gás, passou-se ao querosene e desse, à eletricidade, em 1903, em Cachoeiro do Itapemirim.

Biblioteca Pública — A Biblioteca Pública do Estado foi inaugurada em 16 de julho de 1855, em uma sala do hoje Palácio Anchieta. Dr. Sebastião Machado Nunes foi o responsável por essa inauguração. A Biblioteca fora iniciada com a doação de 400 volumes feita por Brás Costa Rubim, que enviou os livros do Rio de Janeiro, onde residia. A Assembléia votou auxílio de cem mil réis por três anos.

Em 1880, já contava com 2.000 volumes, reestruturada por Eliseu de Souza Martins.

Mercado — O primeiro mercado foi mandado construir em 1871 pelo Presidente Francisco Corrêa. Foi demolido em 1926.

Escola Normal — Em 1879, na administração do Dr.Eliseu de Souza Martins, foi construída a Casa da Instrução Pública, depois Escola Normal Pedro II. No governo de Jerônimo Monteiro, a Escola foi ampliada e melhorada.

Capitania dos Portos — Instalada em 1856. O Capitão de Fragata Francisco Luis da Gama Rosa foi o primeiro titular.

Escola de Aprendizes de Marinheiros — Fundada em 8 de fevereiro de 1861, o primeiro comandante foi o Capitão-Tenente Carlos Augusto Vitório. Ocupou o forte de Piratininga, antigo Forte São Francisco Xavier, em Vila Velha.

 

Fonte: Jornal A Gazeta, A Saga do Espírito Santo – Das Caravelas ao século XXI – 23/09/1999
Pesquisa e texto: Neida Lúcia Moraes
Edição e revisão: José Irmo Goring
Projeto Gráfico: Edson Maltez Heringer
Diagramação: Sebastião Vargas
Supervisão de arte: Ivan Alves
Ilustrações: Genildo Ronchi
Digitação: Joana D’Arc Cruz    
Compilação: Walter de Aguiar Filho, junho/2016

História do ES

O dinheiro que vem com o café paga as obras que mudam a paisagem

O dinheiro que vem com o café paga as obras que mudam a paisagem

Foi um período de grandes realizações governamentais, graças ao dinheiro arrecadado com a circulação de mercadorias, pois o comércio prosperou e se especializou, e com a exportação do café

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

República não trouxe a estabilidade desejada

No ano da Proclamação da República o Espírito Santo estava dividido em 14 Municípios, 4 cidades e 10 Vilas

Ver Artigo
Principal transporte em terra, tropa deixa rastro de poesia

Com o crescimento da produção do café, aumentaram as necessidades de transportes, não havia outra alternativa se não o uso de animais de carga

Ver Artigo
O Café é forte na economia capixaba - Por Gabriel Bittencourt

Introduzido no início do século passado, o café passou a ser a redenção econômica do Espírito Santo

Ver Artigo
D. Pedro II: além das festas, visita aos colonos imigrantes

A cidade toda engalanou-se para tão festivo acontecimento. Os Fortes de São João e de São Francisco Xavier dispararam suas baterias em continência militar 

Ver Artigo
Governador Silva Pontes tenta superar o atraso

Nomeado em 1798, Antônio Pires da Silva Pontes só a 29 de março de 1800 tomou posse como governador da Capitania do Espírito Santo

Ver Artigo
Visitantes ilustres documentam a vida no ES

O cientista Saint Hilaire documentou a flora e a fauna. A equipe do príncipe Maximiliano gravou imagens preciosas de um mundo que acabou

Ver Artigo
Os Açorianos fundam Viana

Trinta casais de açorianos chegaram ao Espírito Santo no governo de Alberto Rubim. Iniciava-se a imigração européia para o Estado. Eram novos braços para ajudar nos trabalhos da lavoura

Ver Artigo
Domingos José Martins, a morte pela liberdade

Domingos Martins, próspero economicamente, queria, acima de tudo, a independência política de sua gente e participava ativamente das reuniões em que se discutia e planejava a Revolução da Independência, bem como a Proclamação da República

Ver Artigo
A independência do Espírito Santo se chama café

Todas as câmaras das Vilas do Espírito Santo aderiram imediatamente ao Imperador D. Pedro I

Ver Artigo
Francisco Alberto Rubim faz a estrada para Minas

A estrada de Rubim fracassou. Não atraiu a preferência do comércio. Por ali chegou a passar boiada vinda de Minas. Mas os ferozes índios da região eram uma ameaça constante, atacando seus usuários 

Ver Artigo