Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Escadaria Maria Ortiz

Escadaria Maria Ortiz - Foto: Walter de Aguiar Filho, julho/2011

No século XVII, a Ladeira do Pelourinho foi cenário de importante fato da história do Espírito Santo. O corsário holandês Piet Heyn ultrapassou a barreira do Forte São João para entrar na Vila. No entanto, para surpresa do almirante e de seus homens, Maria Ortiz, moradora de um sobrado no final da antiga ladeira, articulou a resistência junto aos demais moradores. Assim, os invasores tiveram que recuar até suas naus, desistindo do saque. Em 1899, a ladeira recebeu o nome de Maria Ortiz, em homenagem à jovem. A atual escadaria foi construída em 1924.

 

Centro Histórico de Vitória

Vitória, chamada pelos povos nativos do tronco tupi-guarani de Guananira, Ilha do Mel, foi posteriormente dominada e colonizada por portugueses que a deram como sesmaria a Duarte Lemos, batizando-a de Iha de Santo Antônio, em 1537. Devido à abundância de água potável, o primeiro donatário do Espírito Santo transferiu para cá a sede da Capitania Hereditária.

A sesmaria só foi chamada de Vila de Nossa Senhora da Vitória em 8 de setembro de 1551, data de sua fundação oficial.Nesse mesmo ano instalou-se no Espírito Santo a Companhia de Jesus, com início da construção do Colégio de São Thiago, atual Palácio Anchieta.

Até o século XVIII, a Capitania do Espírito Santo abrngia também o território das "minas gerais", a maior região aurífera do Brasil colônia, mais tarde desmembrada e anexada aos Esrados de São Paulo e Minas Gerais.

O traçado colonial da cidade foi mantido atpe o século XX quando uma série de transformações urbanas típicas de desenvolvimento capitalista vigente se fizeram presentes na arquitetura e na paisagem. A área da cidade foi alterada por grandes aterros e obras viárias, principalmente após as exigências comerciais da cultura cafeeira.

A partir da década de 1970, o crescimento habitacional e demográfico levou à verticalização urbana. Essa transformações agregaram-se aos traçados indígenas, africanos e portugueses, caracterizados na arquitetura e na cultura. A cidade preserva em seu centro histórico muito do modo de viver do seu povo.

 

Fonte: Projeto Visitar

O Projeto Visitar, foi criado em 2006 pela Prefeitura Municipal de Vitória como parte de uma política pública para revitalização do centro da cidade. A criação de roteiros turísticos, o monitoramento nos monumentos, o envolvimento da comunidade, a preservação da memória, as pesquisas e a difusão cultural, fazem parte das diversas ativadades deste projeto e propõem-se resgatar os caminhos da história.

O objetivo maior do Projeto Visitar é promover e consolidar o Centro Histórico de Vitória. Para isso transforma a visitação ao patrimônio e o incentivo à cultura das comunidades locais em uma oportunidade de levar os moredores e turistas a conhecer os símbolos e bens que os povos construíram ao longo dos tempos.

 

Compilação: Walter de Aguiar Filho, julho/2011

 

 

Links Relacionados:

 

>> Maria Ortiz: mea culpa...
>> Maria Ortiz, heroína inesperada 
>> Maria Ortiz e a Caprichosos de Pilares 
>> Genealogia de Maria Ortiz



GALERIA:

📷
📷


Monumentos

Patrimônio ambiental: preservação e conservação

Patrimônio ambiental: preservação e conservação

O Convento da Penha é um monumento já tombado pelo IPHAN, assim como seus portões, estradas de acesso (uma dessas calçadas com lajões, datando da época da construção do Convento), Gruta de Frei Pedro Palácios

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Monumento a Vasco Fernandes Coutinho (1º Donatário da Capitania)

É representado por um obelisco de granito, constituído de uma só peça inteiriça que assenta sobre quatro esferas de metal

Ver Artigo
A Manteigueira - Por José Carlos da Fonseca

Mas hoje persiste na minha memória a figura da manteigueira vista lá da curva do Saldanha como uma paisagem inapagável dos meus primeiros tempos de Vitória

Ver Artigo
Palácio das Águias é restaurado

O Palácio das Águias, localizado em Marataízes, reabriu suas portas ao público

Ver Artigo
Ano de 1766 - Por Basílio Daemon

É levantada pelo engenheiro José Antônio Caldas, por ordem do vice-rei conde de Azambuja, uma planta do Forte de São Diogo 

Ver Artigo
Ano de 1767 - Por Basílio Daemon

Levantadas por ordem do Conde de Azambuja diversas plantas e perspectivas das fortalezas e fortes da capitania pelo engenheiro José Antônio Caldas, sendo a primeira a do Forte de São João

Ver Artigo