Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Esmeraldas! Esmeraldas! – Governo de Antônio Luis Gonçalves da Câmara Coutinho

Antônio Luís Gonçalves da Câmara Coutinho

O acontecimento culminante do seu período governamental foi – segundo a memória dos arquivos – a descoberta de minas (de esmeraldas?) pelo capitão Antônio Luís de Espinha. A notícia chegou à Bahia e provocou missiva modelar do representante del-rei ao descobridor – ao lado do pedido de informações sobre as minas, promessas de graças e favores régios: tudo feito com mestria e elegante sobriedade de linguagem.(12) O esquecimento em que ficou o nome de Antônio Espinha é a melhor prova de que se tratava de rebate falso.

Dentro em breve, o governador geral escreveria ao sucessor de Mendes de Figueiredo: (13) “Espero faça V. M. grandes serviços a S. A. E porque o mais consideravel será o das esmeraldas se se descobrirem; encommendo muito a V. M. a diligencia, que sobre ellas deve fazer”.(14)

 

NOTAS

(12) - DH, VI, 183.

(13) - A doze de dezembro de 1663, Brás do Couto de Aguiar foi nomeado para o posto de capitão-mor do Espírito Santo, em substituição a José Lopes (DH, XXI, 251). No dia seguinte, lavrava-se a patente de sua nomeação para o cargo de comandante da Companhia de Infantaria da mesma capitania, onde foi substituir a Manuel de Almeida do Couto – então “preso na cadeia desta Cidade [do Salvador] por culpas cometidas na Capitania do Espírito Santo” (DH, XXI, 249).

Brás do Couto foi substituído por Diogo de Seixas Barraca, nomeado a quinze de fevereiro de 1664 por proposta de D. Filipa de Menezes, mãe e tutora de Antônio Luís Coutinho da Câmara, donatário (DH, XXII, 30). É curioso que a carta do vice-rei apresentando Couto de Aguiar ao seu antecessor é datada da Bahia, dezenove de fevereiro de 1664 (DH, VI, 45), isto é, quatro dias depois do ato real supracitado, lavrado em Lisboa. Em 1667 (onze de março), o soberano assina patente nomeando Antônio Mendes de Figueiredo* para dirigir a capitania (DH, XXIII, 87). Foi seu sucessor Inácio de Lercar (ou Lercaro, pois encontramos ambas as grafias nos documentos), nomeado a quinze de julho de 1671 (DH, XXIV, 254-7). Em 1675, vamos encontrar à frente da administração capixaba José Gonçalves de Oliveira (DH, XI, passim), que fora nomeado capitão (da infantaria?) a dezesseis de julho de 1671 (DH, XXV, 93-8). A onze de junho de 1676 o governo da Bahia levantava o preito e homenagem de José Gonçalves de Oliveira “por haver Sua Alteza (que Deus guarde) feito mercê della a Francisco Gil de Araujo” (DH, XI, 136).

* “Consulta do Cons Ult e relatório do Dr. Pedro Alves Seco de Macedo, sobre a devassa de residencia que tirara o ouvidor geral do Rio de Janeiro, do Capitão da capitania do ES Antonio Mendes de Figueiredo. Lisboa, vinte e seis de maio de 1674” (ALMEIDA, Inventário, VI, 134).

(14) - DH, VI, 211.

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição, Vitória (APEES) - Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Secretaria de Cultura, 2008
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter Aguiar Filho, julho/2017

História do ES

Linhares perde sua condição de município

Linhares perde sua condição de município

Dessa época até 1921, aconteceu um fato curioso. Linhares conservava o nome do Município, os papéis da Câmara tinham o timbre com seu nome e até um “selo” encontramos em vários ofícios. Mas a sede era Colatina

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Palavras que vieram da África

A influência do negro na nossa cultura foi bastante expressiva. Os hábitos e costumes africanos penetraram no nosso cotidiano

Ver Artigo
Epidemias e Ameaças - Por Serafim Derenzi

Os franceses, que ameaçaram a costa em 1551, voltaram em 1558 ao Porto de Vitória, onde dormiram 

Ver Artigo
A febre amarela no Espírito Santo em 1850

A Providência Divina vela certamente sobre a população desta Província que, sem o seu auxílio, estaria hoje extinta por falta de recursos da medicina

Ver Artigo
Varíola, cólera, fome em meados do Século XIX no ES

Já em fevereiro de 1855, um ofício do barão de Itapemirim falava em mais de mil vítimas 

Ver Artigo
Porto de Cachoeiro foi marco de crescimento

“Mas o transporte fluvial era tão importante, que a sede da colônia veio para o porto das embarcações, o Porto de Cachoeiro, que hoje é Santa Leopoldina”

Ver Artigo