Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Esmeraldas! Esmeraldas! – Governo de Antônio Luis Gonçalves da Câmara Coutinho

Antônio Luís Gonçalves da Câmara Coutinho

O acontecimento culminante do seu período governamental foi – segundo a memória dos arquivos – a descoberta de minas (de esmeraldas?) pelo capitão Antônio Luís de Espinha. A notícia chegou à Bahia e provocou missiva modelar do representante del-rei ao descobridor – ao lado do pedido de informações sobre as minas, promessas de graças e favores régios: tudo feito com mestria e elegante sobriedade de linguagem.(12) O esquecimento em que ficou o nome de Antônio Espinha é a melhor prova de que se tratava de rebate falso.

Dentro em breve, o governador geral escreveria ao sucessor de Mendes de Figueiredo: (13) “Espero faça V. M. grandes serviços a S. A. E porque o mais consideravel será o das esmeraldas se se descobrirem; encommendo muito a V. M. a diligencia, que sobre ellas deve fazer”.(14)

 

NOTAS

(12) - DH, VI, 183.

(13) - A doze de dezembro de 1663, Brás do Couto de Aguiar foi nomeado para o posto de capitão-mor do Espírito Santo, em substituição a José Lopes (DH, XXI, 251). No dia seguinte, lavrava-se a patente de sua nomeação para o cargo de comandante da Companhia de Infantaria da mesma capitania, onde foi substituir a Manuel de Almeida do Couto – então “preso na cadeia desta Cidade [do Salvador] por culpas cometidas na Capitania do Espírito Santo” (DH, XXI, 249).

Brás do Couto foi substituído por Diogo de Seixas Barraca, nomeado a quinze de fevereiro de 1664 por proposta de D. Filipa de Menezes, mãe e tutora de Antônio Luís Coutinho da Câmara, donatário (DH, XXII, 30). É curioso que a carta do vice-rei apresentando Couto de Aguiar ao seu antecessor é datada da Bahia, dezenove de fevereiro de 1664 (DH, VI, 45), isto é, quatro dias depois do ato real supracitado, lavrado em Lisboa. Em 1667 (onze de março), o soberano assina patente nomeando Antônio Mendes de Figueiredo* para dirigir a capitania (DH, XXIII, 87). Foi seu sucessor Inácio de Lercar (ou Lercaro, pois encontramos ambas as grafias nos documentos), nomeado a quinze de julho de 1671 (DH, XXIV, 254-7). Em 1675, vamos encontrar à frente da administração capixaba José Gonçalves de Oliveira (DH, XI, passim), que fora nomeado capitão (da infantaria?) a dezesseis de julho de 1671 (DH, XXV, 93-8). A onze de junho de 1676 o governo da Bahia levantava o preito e homenagem de José Gonçalves de Oliveira “por haver Sua Alteza (que Deus guarde) feito mercê della a Francisco Gil de Araujo” (DH, XI, 136).

* “Consulta do Cons Ult e relatório do Dr. Pedro Alves Seco de Macedo, sobre a devassa de residencia que tirara o ouvidor geral do Rio de Janeiro, do Capitão da capitania do ES Antonio Mendes de Figueiredo. Lisboa, vinte e seis de maio de 1674” (ALMEIDA, Inventário, VI, 134).

(14) - DH, VI, 211.

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição, Vitória (APEES) - Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Secretaria de Cultura, 2008
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter Aguiar Filho, julho/2017

História do ES

A Segunda Guerra

A Segunda Guerra

A Fábrica de Balas Garoto foi preservada dos ataques e saques, graças à intervenção do Comando do 3º Batalhão de Caçadores

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Victória – Cidade Presépio, 1937

A linda capital do Espírito Santo. A cidade de Vitória está situada numa ilha banhada por águas do oceano Atlântico

Ver Artigo
Os cônsules no Espírito Santo

São representantes junto ao Governo do Estado, com residência nesta capital

Ver Artigo
Corpo de Bombeiros e Polícia Militar do ES

A Polícia Militar do Espírito Santo é uma das mais eficientes do Brasil. Também o é assim o Corpo de Bombeiros de Vitória

Ver Artigo
Movimento Natural da População do Espírito Santo em 1937

Empenhados em que sejam conhecidos, com a maior rapidez, os resultados do movimento natural da população do Estado (movimento do registro civil), durante o ano de 1937, organizamos as tabelas que se seguem

Ver Artigo
A Penitenciária do ES – Governo Punaro Bley

Turmas de convictos passaram a trabalhar no cultivo das terras adjacentes nos limites da Penitenciária, ou nas suas pedreiras, 

Ver Artigo