Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Estado vai monitorar água da chuva

João Batista Pavesi Simão, doutor em solos, mede a quantidade de chuvas na região

Para conter a erosão e enchentes, pesquisadores da Ufes e da Eafa vão descobrir a quantidade de água que infiltra até o lençol freático

Numa iniciativa inédita no Estado, uma equipe de pesquisadores do Centro de Ciências Agrárias (CCA) da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), em Alegre, e da Escola Agrotécnica Federal de Alegre (Eafa) vai monitorar a quantidade de água da chuva que cai e o quanto dela é infiltrado até o lençol freático para, a partir do resultado, conter a erosão e as enchentes ao longo da Bacia do Rio Itapemirim (BRI).

A proposta e instalar dois conjuntos de estações de monitoramento: uma climatológica (cujos dados serão transmitidos via satélite) e outra limnimétrica (apoiada em medições regulares de vazão). Das duas estações, uma ficará na parte baixa da bacia, na área de propriedade da Ufes, em Alegre, e outra na região de cabeceira.

"A proposta do estudo é conhecer a dinâmica hidrológica, ou seja, o que acontece com a água da chuva que cai em determinada área. Queremos saber se a água vai infiltrar no solo. Se isso ocorrer, ela vai alimentar o lençol", conta o professor da Eafa e doutor em Solos e Nutrição de Plantas, João Batista Pavesi Simão.

E prossegue: "Caso contrário, se tivermos escorrimento superficial, menor volume irá para o lençol e isso trará maiores oscilações novo volume de água do manancial, provocando enchentes no verão chuvoso e baixíssimas vazões no inverno seco."

Segundo ele, décadas de manejo inadequado do solo têm reduzido a capacidade produtiva de boa parte das terras na bacia."Vamos avaliar a dinâmica da água, para sabermos quanto se perde por enxurrada. No futuro, teremos informações indispensáveis às ações de manejo visando aporte de água e conservação do solo, prevenindo perdas acentuadas por erosão", contou.

O programa deve estar implantado no ano que vem. Ele vai contar ainda com o apoio do Idaf, do Incaper, do Ministério Público, de um produtor rural, além do comitê de bacia, da Pastoral Ecológica e da iniciativa privada.

Bacia é objeto de pesquisa

Medir os impactos da degradação causados à Bacia do Rio Itapemirim (BRI) e, por meio da adoção de práticas de revitalização, revegetação e conservação do solo, ampliar a quantidade e a qualidade da água que é fornecida por seus mananciais.

Com esse objetivo funciona o Núcleo de Pesquisa e Difusão de Tecnologia em Floresta, Recursos Hídricos e Agricultura Sustentável (Nedtec), vinculados ao Centro de Ciências Agrárias da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes).

Com sede em Jerônimo Monteiro, o Nedtec possui uma equipe de professores e técnicos que atua no diagnóstico da bacia.

“Os primeiros projetos foram de elaboração de um diagnóstico da bacia com relação à produção de água em quantidade e qualidade nas diferentes subbacias que a compõem”, explica o professor do CCA da Ufes, Roberto Avelino Cecílio.

Mais de 15 milhões em saneamento

A Companhia Espírito-Santense de Saneamento (Cesan) planeja, até 2010, aplicar R$ 15,8 milhões em obras de esgotamento sanitário e melhorias no abastecimento de água para a população dos municípios de Ibatiba, Iúna, Irupi, Muniz Freire, Castelo, Conceição do Castelo, Venda Nova do Imigrante, Muqui, Atílio Vivácqua e Presidente Kennedy, banhados pelo rio Itapemirim. Confira os investimentos:

Castelo — A companhia está finalizando as obras de ampliação do sistema de abastecimento de água da sede no valor de R$ 3.7 milhões beneficiando mais de 25 mil habitantes. Estão sendo substituídos quase três mil metros de adutora de água tratada. Já a Estação de Tratamento de Água (ETA) do município está sendo ampliada. Um reservatório com capacidade para 1.700 m3 está em construção.

Venda Nova do Imigrante — Estão sendo investidos R$ 3.9 milhões na implantação de 6 mil metros de adutora de 13 mil metros de rede de distribuição e em melhorias físicas nas estações elevatórias e de tratamento de esgoto.

Também serão construídos mais de seis mil metros de redes coletoras de esgoto e uma barragem no Córrego Bananeiras beneficiando 22 mil pessoas.

Ibatiba - A Cesan pretende ampliar o sistema de água e construir barragem, além de melhorar o sistema de esgotamento sanitário, com recursos da ordem de R$ 2,3 milhões.

Iúna — Estão em andamento melhorias no sistema de distribuição de água da sede e de Pequiá, com recursos da ordem de R$ 413 mil. Pelo menos 12.800 habitantes serão atendidos.

Irupi - Estão sendo aplicados R$ 371 mil em intervenções, como na ampliação e melhoria da Estação de Tratamento de Água da sede. Também está programada a implantação e operação do sistema de esgotamento sanitário do município.

Muniz Freire - A companhia implantará sistemas de esgotamento sanitário em Piaçu e em Alto Norte e complementará o da sede, além de realizar captação alternativa, elevatórias e redes de água. O valor investido será de R$ 4,3 milhões para atender a 10 mil habitantes.

Conceição do Castelo - Estão previstos R$ 310 mil para implantação do sistema de abastecimento de água de Taquaruçu, Mata Fria e Indaiá, dentro do programa Pró-Rural, e para a construção de 860 metros de redes de água e melhorias nas elevatórias e Estação de Tratamento de Água.

Muqui — Serão destinados R$ 170 mil para execução de elevatória de água bruta; construção de dois mil metros de redes de água na sede: substituição de 2.200 metros de adutora de água bruta para aumento de produção e eliminação de vazamentos: elaboração de projeto de nova captação de água e reforma do escritório de atendimento ao público.

Presidente Kennedy - Estão sendo aplicados R$ 40 mil em melhorias operacionais na Estação de Tratamento de Esgoto, elevatórias, emissários e redes coletoras.

Atílio Vivácqua - A Cesan investirá RS 339 mil na ampliação e melhoria do sistema de abastecimento e tratamento de água de Antas e Flexeiras e na construção de dois mil metros de redes e ligações prediais de água na sede.

Também estão previstas a substituição de adutoras de água tratada nos bairros Niterói e Alto Niterói e melhorias na estação de tratamento de água e na elevatória de água bruta.

Obras concluídas (2003 a 2006)

Ibatiba - As elevatórias de água passaram por melhorias e foram construídos 3,5 quilômetros de redes de água.

Iúna - Houve a implantação de floculador e decantador no sistema de abastecimento de água de Pequiá e melhoria operacional na Estação de Tratamento de Água.

Além disso, foram construídos mais de dois mil metros de redes de distribuição de água nos bairros Nossa Senhora da Penha e Quilombo, no valor de R$ 280,5 mil.

Irupi - Ocorreu a ampliação e melhoria do sistema de abastecimento de água municipal, num total de R$ 295 mil investidos.

Fonte: Companhia Espírito-Santense de Saneamento (Cesan)

 

Fonte: A Tribuna, Suplemento Especial Navegando os Rios Capixabas – Rio Itapemirim - 23 de setembro de 2007
Expediente: Joel Soprani
Subeditor: Gleberson Nascimento
Colaborador de texto: Flávia Martins
Diagramação: Carlos Marciel Pinheiro
Edição de fotografia: Sérgio Venturin
Compilação: Walter de Aguiar Filho, março/2016

Curiosidades

Linguajar do tropeiro – Por Ormando Moraes

Linguajar do tropeiro – Por Ormando Moraes

Por influência do mineiro, que colonizou grande parte do interior do Espírito Santo, a palavra mais usada por nossos tropeiros em todas as ocasiões, era a interjeição uai

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

IEMA assume comando de três parques

Forno Grande e Mata das Flores, ambos em Castelo, e Cachoeira da Fumaça, em Alegre, estão sob o gerenciamento do instituto

Ver Artigo
Apaixonados pelo Rio Itapemirim

Iniciativas de pessoas simples e de empresas privadas têm dado esperança de um futuro melhor para os municípios da bacia

Ver Artigo
A Bacia do Rio Itapemirim

A Bacia do Rio Itapemirim está localizada entre o mar e a montanha e abastece 17 municípios capixabas e Lajinha, em Minas Gerais

Ver Artigo
Seminário sobre o uso da água - Bacia do Rio Itapemirim

Agricultores dos 17 municípios que compõem a Bacia do Rio Itapemirim vão receber orientação sobre a outorga e licenças para barragens

Ver Artigo
Ameaça de desertificação na Bacia do Itapemirim

A utilização inadequada do solo e a poluição dos mananciais criaram problemas que comprometem a bacia do rio 

Ver Artigo
Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Itapemirim

O Comitê do Rio Itapemirim já discute o termo de referência para elaboração do plano

Ver Artigo
Da Bacia do Itapemirim para o mundo

O Espírito Santo é o maior exportador de rochas ornamentais do Brasil, representando 65% das vendas do País

Ver Artigo