Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Fábrica de Pergaminhos

Pergaminho

Muita gente acha que o pergaminho não existe mais, ou, se existe, é fabricado na Grécia ou no Oriente, onde o material teria se originado. O que poucos sabem é que existe uma fábrica de pergaminhos em plena atividade instalada em Piúma. É a Exótica, que tem como dono Pedro Antônio Augusto, um apaixonado por pergaminhos e que luta para manter viva a tradição.

"O papel dura pouco. A resistência do pergaminho é notável. Tanto que ele conserva a história por centenas, até milhares de anos, mesmo debaixo de escombros. Além disso, é muito mais bonito e seguro, porque não existe risco de falsificação".

Há onze anos no ramo, Augusto afirma que o seu trabalho é muito mais reconhecido fora do país do que no Brasil. "Somos a única fábrica da América Latina que exporta pergaminhos. Vendo muito para a Alemanha, Inglaterra, Holanda e Estados Unidos. É um produto tradicional e os outros povos prezam essa tradição. Aqui no Brasil nós ainda estamos engatinhando nessa tradição", destacou.

Para manter a fábrica, Augusto precisou diversificar o ramo de atuação. "Como o mercado de pergaminhos está em baixa, estamos também trabalhando com couro para sapatos, vestuário e outros artigos", finalizou.

Fonte: Revista Potencialidades 2009

LINKS RELACIONADOS:

>> Piúma

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

A República e o esforço pela expansão do ensino

No que diz respeito ao ensino primário, houve um acentuado aumento quantitativo do número de escolas e de matrículas

Ver Artigo
Com a República, pontes, estradas, indústria e comércio

No Espírito Santo, como nas demais províncias do Império, o movimento republicano foi pequeno. Em 23 de maio de 1887, foi fundado o primeiro clube republicano do Espírito Santo

Ver Artigo
A República

Aos dezesseis de setembro de 1888, reuniu-se, em Cachoeiro de Itapemirim, o primeiro Congresso Republicano Provincial do Espírito Santo

Ver Artigo
Dois visitantes ilustres a Linhares

No final de 1815, visitou o rio Doce o Príncipe Maximiliano Wied Neuwied, que deixou-nos observações preciosas sobre o pequeno povoado de Linhares

Ver Artigo
Os erros de Thomas Cavendish - Assalto à barra do Espírito Santo (4ª Parte)

"No meu barco havia um marinheiro português. Ele veio para mim e garantiu com a própria vida, que dirigiria meus dois navios, sem acidentes, até à barra do Espírito Santo"

Ver Artigo