Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Figueiredo assiste hoje à inauguração de Tubarão

Vista aérea da CST - 20 anos de História da CST (30.11.1983 - 30.11.2003) - Foto: Jornal A GAZETA de 30.11.2003

O presidente da República, João Figueiredo, assiste hoje à laminação do primeiro lingote da Companhia Siderúrgica de Tubarão (CST), que marcará o início de produção de placas semi-acabadas de aço. Somente em dezembro a produção atingirá um volume de 80 mil toneladas e, no primeiro ano de produção, 2,6 milhões de toneladas. A programação de inauguração começa às 11 horas, com a chegada do Presidente Figueiredo ao galpão da aciaria, em companhia de vários ministros, entre eles o capixaba Ernane Galvêas, que ocupa a pasta da Fazenda. Falarão durante a cerimônia o presidente da Siderbrás, Henrique Brandão Cavalcanti, o Governador do Estado, Gérson Camata e o Ministro da Indústria e do Comércio, Camilo Pena. Da usina a comitiva segue para o edifício da administração da Companhia Vale do Rio Doce, para o almoço que será oferecido pela CST. A siderúrgica capixaba está capacitada para, numa primeira fase, produzir 3 milhões de toneladas de placas semi-acabadas de aço, para serem vendidas a empresas no exterior e dentro do próprio país.

Tubarão e a História

A inauguração da usina siderúrgica de Tubarão é um fato especialmente significativo para o Espírito Santo. A par de sua expressiva presença no cenário nacional como indutora de desenvolvimento, a usina será para nós em particular, um marco destinado a separar a história desse Estado em fases distintas.

As incompreensões que ameaçam arranhar a imponência da imagem de Tubarão, decorrente dos efeitos paralelos que os empreendimentos dessa magnitude naturalmente provocam, não podem afetar o entusiasmo com que deve ser registrada a lembrança das árduas etapas que precederam a conquista da CST.

A história havia aprofundado na face do Estado, o estigma de filho rejeitado, a quem era negadas as oportunidades de expansão em outros setores além do agrícola. O episódio da erradicação dos cafezais, derruindo bruscamente as bases da precária monocultura, desnudou todo o sistema econômico e exacerbou suas distorções sociais. A agricultura capixaba, apesar de seu inegável dinamismo, não tinha como recuperar-se em velocidade tal que pudesse neutralizar as conseqüências da erradicação.

O inconformismo de governantes estaduais diante do que parecia um determinismo construiu, então juntamente com a sociedade, uma atmosfera de confiança e audácia pela qual a apatia e a prostração reinantes foram deslocadas pelo ímpeto da mobilização, que acabou por decretar a eclosão de nossas potencialidades. Essa usina custou sacrifícios, esforços, dedicações. É, assim, um marco que reflete a perseverança que predominou em um rico momento da vida estadual.

As repercussões da usina no Estado, que já vinham sendo positivamente observadas desde o processo de sua instalação, permitirão ao Espírito Santo aproximar-se das unidades mais desenvolvidas do país. Os capixabas têm que estar atentos ao pleno aproveitamento das possibilidades decorrentes de Tubarão, a fim de extrair delas o maior proveito.

Nossos votos são no sentido de que a CST repercuta, também através de um amplo condicionamento espiritual marcado por produtiva fé e forte crença no futuro. A sociedade ainda mantém intocável, por certo, sua capacidade de atender a convocações de igual nobreza. Estamos certos de que não faltam ao núcleo da liderança político-administrativa estadual, às condições potencias de dinamismo e vigor, capazes de reorientar as preocupações no rumo da construção coletiva de verdadeiros instrumentos de progresso e desenvolvimento social.

 

Fonte: A Gazeta, 30/11/1983
Compilação: Walter de Aguiar Filho, fevereiro/2015

Portos do ES

O Porto da Barra – o último suspiro da pujança econômica de Itapemirim

O Porto da Barra – o último suspiro da pujança econômica de Itapemirim

O trapiche da Barra foi construído por volta de 1860 pelo Barão De Itapemirim,, todo em estilo colonial, coberto por telhas vindas de Marselha, na França, com janelões e portas de pinho de riga vindos de Portugal

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

A criação da Vale - Parte III (História da Vale)

A CVRD seria constituída como uma sociedade anônima, de economia mista, com capital inicial de 200 mil contos de réis. Sua diretoria seria composta por cinco membros: um presidente e dois diretores de nacionalidade brasileira e mais dois diretores norte-americanos

Ver Artigo
A criação da Vale - Parte I (História da Vale)

Em 1º de junho de 1942, o Brasil estava imerso em uma crise institucional que tinha como ponto central a decisão sobre a entrada do país na Segunda Guerra Mundial

Ver Artigo
A criação da Vale - Parte II (História da Vale)

Firmados em 3 de março de 1942 e tendo como signatários os governos do Brasil, da Inglaterra e dos Estados Unidos, os Acordos de Washington definiram as bases para a organização, no Brasil, de uma companhia de exportação de minério de ferro

Ver Artigo
Corredor de Transportes, impulso para crescer

Corredor de Transportes, Uma ferrovia, sete portos e uma esperança

Ver Artigo
Novo barão explorou areias monazíticas até em Vitória

As jazidas com maior atividade ficavam em Carapebus, na Serra, mas também há registros de retirada de areia em Vitória

Ver Artigo